O Esgoto a Céu Aberto na Sua Rua


A GEOGRAFIA DO SUBTERRÂNEO: apêndice [1/2]

Farscape (thrash, 1998-)

full-lenghts (2003, 2006, 2013)


“Farscape come (sic) from Brazil, but a Germanic influence is definitely evident here. It seems their daily dose of Kreator or Sodom or any other speed/black band rub off here, but never ever is it (sic) taken to different places [ironicamente, o nome da banda é seu avesso]. (...) It feels like a blast from the past, but there are much lesser annoying undertones of other retro-thrash outfits. For example < Thrash until you drop > actually sounds good. Any other new band who put the word < thrash > in the title of their songs, are (sic) usually trying so hard to stress they are (sic) a thrash band, and repeat it three or four times, maybe more throughout an album. [indireta ao Violator, quem sabe?] (...) These guys aren't actually trying to be different, or any more shocking than their heroes. They are just content playing thrash, and they love doing it.” Seducerofsouls85


lyrics (sample):

“I try to eat Christ's brain, the vomit reaches my throat” [lol]


Atomic Roar (thrash, 2003-)

full-lenghts (2009, 2011)


“Not only does the band PLAY old, but the mix sounds like the band recorded this in the garage next door to you on an 8-track in 1984. (...) The bass is a little difficult to notice, but yet again this is a common trait of early records. It doesn't need a well rounded sound, it's plodding right along with the guitars. Unfortunately, some of the tunes are forgettable (< Play Loud >< Metal Patrol >, etc), never really building up enough leather and spikes power. (...) the band sounds like they had immense fun putting this together and it certainly translates into their passion for the material. Even though the retro thing is < in >, not a lot of bands swim this deeply into the nostalgia pool.” autothrall


Whipstriker, na realidade o próprio codinome do autor Victor Vasconcellos (blackened speed, 2008-)

full-lenghts (2010(split), 2013(split))


“The reason for the association with black metal is easy to name: the singer sounds like Cronos for nearly 100 percent [refere-se ao próprio Whips., a pessoa – fiquei curioso].” Felix 1666


“Hailing from the < wild lands > of Rio de Janeiro, Whipstriker follows suit with three tracks of amped up blackened heavy/speed metal influenced by the likes of Venom, Tank and Motörhead. Led by the indefatigable Victor Whipstriker on bass and vocals, the band presents a solid mix of tempos and varying degrees of heaviness. Starting with < Grind ‘em Down >, Whipstriker presents one of their heaviest tracks in a while, with Victor’s garbled South American snarl taking center stage. The riffs meet at the center point between rollicking speed metal, fast and rangy punk rock and galloping thrash while the drums speed along to a thrashy, double kick beat. < Vengeance Day > focuses more on fast paced metal punk riffing and a chorus that is catchy as hell despite the raw and rangy approach. Closing with < Burn the Virgin’s Hole >, the band brings their early Venom worship to the forefront, with a slithering, anthemic sound calling to mind the fire of Black Metal or Welcome to Hell. (...) Whipstriker have certainly proven themselves to be among blackened metal’s elite” The Metal Observer


Diabolic Force (black deathrash, 2001-)

full-lenght (2009)



Escrito por a mosca filosófica às 22:54
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


A GEOGRAFIA DO SUBTERRÂNEO: apêndice [2/2]

Apokalyptic Raids (black deathrash, 1998-Apocalyptic Raids até 2001-...)

4 full-lenghts (2001, 2003, 2005, 2010)


“In the world of music there are two types of imitators: those who mimic their idols and try to sell it as something wholly original and those who are unabashedly and admittedly doing nothing but emulating and worshiping their favorite bands. It shouldn’t be very difficult to figure out which group the Brazilian metal merchants Apokalyptic Raids falls into. Their name, album title and most song titles are taken straight from the catalog of Hellhammer and Celtic Frost. Known as Apocalyptic Raids (notice spelling) until 2001, the band switched the spelling of their name soon after the release of their seminal work Only Death is Real... At the time of this release, Apokalyptic Raids consisted of Necromaniac on vocals and guitars, Sub Umbra on bass and Adrameleck on drums. Everything about this band screams Hellhammer and early Celtic Frost worship, but that’s not always a bad thing, is it? (...) I’ve actually heard rumors that some of the songs were worked during the eighties, but I’ve never gotten confirmation on the truth of that statement. Sure, there was also Sarcófago melding the black, death and thrash genres into one at the time, but Apokalyptic Raids spurned creating their own sound in favor of continuing down the primitive, overgrown trail first blazed by Tom G. Warrior and company. I’ll be the first to admit that that little known footpath in the jungles of South America has now turned into a fully functional eight lane freeway, as there are bands popping up left and right attempting that old school melding of black, thrash and death metal, but there aren’t many bands that pull it off with the ease and sincerity of Apokalyptic Raids.” The Metal Observer


“The production is more mudded sounding compared to the last, where it has a filthy layer of smudge that's smeared with effects and rawness to an unhealthy degree. A.R. has no constraint to what's going on around them, venturing as far as their demented minds are willing to take them. Although, not as far as the < R > and certainly not before the < H >. What does this little, black secret spell? Go Apokalyptic Raids! Like the ageless profession: prostitution. Specifically, a prostitute who is willing to go that extra measure and do what it takes to put that sweet evil into her aging, needle-punctured arm. She might be hardly paid and doesn't have an afterthought of shame. Having a guiltless living that could be considered part-hobby, part-addiction, and with no clear way to get out of the trance. (...) The drums have the '80s in its sights, but the bass drum has a strange, muffled, crackling noise. In comparison with his other drums it is an oddity and sounds less loud, than, say, his snare. Then again, it probably just comes down to how they microphoned them and was most likely done on purpose as a contrast to the guitars. (...) the solos are a little more frequent and sound more scaled and, of course, rockishly sleazy. (...) This is a little less ferocious than the first, where that recording was a constant, unstoppable juggernaut.” Byrgan


“Another varying track, < Manifesto Politicamente Incorreto, > sounds like a forefronting hardcore/crust remembrance as it displays an all-quick and short song, accompanied with fast and slurred vocals and guitars strumming out three-chord furies. That's the only track that does that, notice the switch of language compared to the rest too.” Byrgan


“This also has a dash of Sabbath, namely with a piece in < Remember the Future >—strange place to sound the past?—where the guitar strums a few notes with a pause, Iommi trill included, while the drums unfold some Bill Ward-like solo with various undeniably '70s inspired hits around the drum set. (...) With the exception of one area, the momentum never peaks to a blast or other escalating speed that most are familiar with by now in extreme metal. This has some thrashier fast beats and a few others that are edging on a d-beat, but nothing that's pushing it to excessive limits. Think along the lines of a quicker band in the early to mid-'80s period—put them in a line up and it would be a close call from other adrenaline junkies from then (...) And like Venom and earlier Sodom he typically repeats the title phrase throughout the song. (...) And where would this be without the occasional upstarting Scrabble nightmare of an < ow >, an < ewggh > and, of course, an < oogghhh >, that worded out sound like various heavy objects to the gut: sledge hammer, baseball bat, lead pipe—the meanest of the mean of < laying around > blunt weapons. Just imagine the audio track for a hidden level to Hell that you've never played on < Final Fight. > [melhor metáfora, hahaha!] (...) Overall, for a non-modern sounding album with all of its eyes, fingers and toes pointed to the past, it still has a combination of a sense of exhilaration and danger, instead of being completely on the side of a straight terror or total bag of sappy fun [nostalgia piegas] like others have done when attempting to resurrect an older way of playing.” Byrgan [Estranhei a variedade da banda ser mais ampla que a das outras – mas Whip. só tocou baixo em apresentações no ano de 2008.]


Power From Hell (blackthrash, 2002-)

5 full-lenghts (2004, 2007, 2009, 2011, 2015)


[Banda usualmente de um homem só, "Sodomic".] "It is often said that this band is total Bathory worship, and this statement couldn't be any more true. Almost everything on this album sounds like Bathory's earlier recordings, namely the ones on the first < Scandinavian Metal Attack >, only slightly faster. (...) Bottom line is that the bass drum sticks out more than anything in this recording but it doesn't drown out the rest of the instruments or vocals. (...) The voice is pretty much what you would expect from black metal, only they truly sound dark and menacing like Quorthon's early vocal style rather than the sounds of being anally raped by an elephant that you will find in other modern black metal vocalists. (...) Power From Hell plays black metal the way it should have been played all along; raw, tough, and dark. If you have issues with album production then this one may not be for you. But there are shit albums out there **cough, Filipino Antichrist, cough** where the production is ten times worse that anything on this recording, and people actually claim to like that garbage" some_dude


Toxic Holocaust (blackthrash, 1999-)

5 full-lenghts (2003, 2005, 2008, 2011, 2013)


"the punk-influenced riffing goes beyond its simplistic origins just as it did for the classic bands like Venom and Celtic Frost that have an obvious influence on proceedings to create something both vicious and impossibly catchy. (...) < City of a million graves > is perhaps a hint at a slightly more developed future. A comparative leviathan at nearly 5 minutes long, for a regular thrash band it would be a fairly run of the mill arrangement, but is approaching prog by Toxic Holocaust standards." Radagast, Metal CD Ratings


Warhammer (black doom deathrash, 1994-2001, 2006-)

5 full-lenghts (1998, 1999, 2000, 2002, 2009)

Eu tenho o The Winter of Our Discontent (1º álbum) há anos no HD!


"German bands are renowned for doing things their way, often amounting to excellent results, not giving too much importance to what the press and < holier-than-thou > intelligentsias might say (partly, a sign of professionalism...), and so did Warhammer. If the country had managed to put out Sodom/Kreator/Destruction/Deathrow on the death-thrash map, so would this German purist black-death-thrasher of a trio make their claim to ‘Hammer’s abandoned sceptre, as a non-assuming dead-serious tribute, re-creating the aura of the old true cult. (...) < The Winter of Our Discontent > is a 39-minute elegy to the empty skull-throne chambers, while the < big Orc-music > plays in the backdrop. If, for Tom G. Warrior, the fantasy dark side of early Hellhammer/Celtic Frost was contemporary with obscure < power-metal-ironsmiths > like Cirith Ungol and Aragorn, plus Venom’s viciousness and the odd cinematic cue-lines from Arnie’s < Conan the Barbarian > role model, Warhammer, on their part, only had the < new tales > of Middle Earth as < recounted > by Count Varg (with Peter Jackson’s take on < The Ring > saga still 3 years ahead), as a far-fetched remote reference, thus being there hardly any common ground for such mythological connections, in their (pretty grim) worldview. (...) Gone was good old Satanic Slaughter’s nasty philosophical horror tales and welcomed were Volker’s socially and politically aware manifestos, brought forth with undeniable vehemence and canon Hellhammer verve" esgargarothoth


"No stuff for snobbish academics, just powerful metal." Felix 1666


Daqui a pouco mais familiarizado com estes reviewers que com os do GameFAQs...



Escrito por a mosca filosófica às 22:53
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


A GEOGRAFIA DO SUBTERRÂNEO: Um estudo sobre a espacialidade das cenas de Heavy Metal do Brasil – Victor “Whipstriker” “the bassist” Vasconcellos/UFRJ

A matéria abaixo está segmentada em 7 partes e comenta o livro do título acima, ao mesmo tempo que intercalo as passagens entre aspas com pensamentos, poemas e chistes meus. Acima, uma coletânea de informações sobre as bandas nas quais o autor já tocou, retiradas do metalarchives, que achei por bem separar da matéria principal.


Ed. Verlag, 2015.


Referência a Orkut e MySpace como redes contemporâneas. As instâncias da moda dos últimos tempos da última semana estão mais vivas que Elvis, Raul, Josef Mengele, Michael Jackson e que a celebridade do penúltimo campeão do BBB ou The Voice (comentário válido para qualquer ano).

 

Mesmo 10 anos (ou 1000km?) podem representar uma enorme diferença nas catalogações de um movimento cinqüentenário como o HM: (P. 11) “Como exemplo de vertentes do Heavy Metal, podemos falar no Thrash Metal, Death Metal, Black Metal, Doom Metal, Metalpunk, Melodic Heavy Metal, Gore Metal, Gothic Metal etc.”

 


“Desde 1998 faço parte de bandas de Heavy Metal (Farscape, Atomic Roar, Whipstriker e Diabolic Force)” + O FDP ainda tocou em turnês com o Apokalyptic Raids, Power from Hell, Toxic Holocaust, Warhammer e Besthöven (Fonte: metal-archives)


* * *

ARTE OU DESBUNDE?

 

that knight, that knife night 9

hive

mare

maré


Capinando até o esgoto com uma foice inoxidável, atingi o cu do campocidade, com o ü evoluí de roceiro a roqueiro. Peguei o Lemmy e dirigi pela estrada assassina, o que me Hammett aos tempos antigos.


Waspwhip! Bela idéia de nome, não?!


As trevas da meta, o gol dos cvlt trvs.


lereiro-lereiro, o contrário de rolezeiro.


* * *



Escrito por a mosca filosófica às 22:41
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


“O terceiro fato está ligado à intervenção feita pela prefeitura do Rio de Janeiro na estrutura física da Rua Ceará, logradouro no qual o Garage estava localizado. Essa rua tornou-se um ponto de encontro para a cena Rock carioca desde o final dos anos 90. Além do Garage, que era freqüentado por pessoas de vários grupos vinculados ao rock desde o início da década, uma série de bares surgiram em diversos pontos da rua, servindo como local de sociabilidade para cada um desses grupos. A Rua Ceará como um todo, incluindo a casa de shows e os bares, passou a ser o lugar-referência para pessoas ligadas ao Heavy Metal e a outros gêneros que derivaram do Rock. § O que nos interessa, sobretudo, é que a intervenção da prefeitura criou uma nova dinâmica nesse espaço. Se antes era um logradouro sem saída, que permitia o livre fluxo de pedestres e a exposição de mesas e cadeiras na rua, após a intervenção da prefeitura esse espaço passou a ser um ponto de interligação entre duas áreas da cidade, a Praça da Bandeira e o bairro de São Cristóvão. Antes dessa transformação a Rua Ceará funcionava mesmo como uma passarela, onde os atores pertencentes a diferentes grupos desfilavam e exibiam suas alteridades. Uma descrição detalhada dessa dinâmica pode ser encontrada em Lopes (2006 - vide fim do post), onde o autor nos fala tanto da morfologia da rua quanto sobre as atividades dos estabelecimentos e das pessoas que a freqüentavam no início dos anos 2000. § A partir da reflexão sobre esses três fatos passei a me perguntar que importância esses lugares (Garage, Rua Ceará e lojas especializadas) teriam para a cena de Heavy Metal no Rio. Haveria alguma relação entre a transformação desses espaços e o discurso sobre o fim da cena?” “São locais que passam a ser freqüentados com certa periodicidade e, dependendo de sua importância para o grupo, recebem pessoas de outras cidades e até mesmo de outras regiões. (...) É por meio desses espaços de sociabilidade que a cena fala, e essa comunicação é verbal, visual, musical e, muitas vezes, corporal (como veremos no caso do Heavy Metal).” “Os aspectos levantados nesta parte foram observados nos trabalhos de campo que realizei durante dois anos de pesquisa (entre 2010 e 2012).”


“A Galeria do Rock em São Paulo, por exemplo, é um espaço frequentado por pessoas oriundas de cidades distantes da capital e da região metropolitana. A área de influência deste lugar extravasa sobremaneira os limites da cidade. Não podemos, portanto, escolher a escala antes de observar o fenômeno. É a própria organização da cena e a área de influência desses espaços centrais que nos dizem a escala que deve ser adotada para compreender esta ou aquela cena.”


“Headbanger é o nome utilizado para se referir a indivíduos que escutam Heavy Metal e praticam o ato de < bater cabeça >. Outros elementos como o visual também estão associados a identificação (sic) do headbanger.”


“A organização da cena carioca é do tipo convergente-concentrada. Os fluxos convergem para o espaço de sociabilidade e ali permanecem concentrados durante todo o período de reunião do grupo, normalmente em noites do final de semana. Durante a madrugada ou pela manhã esses fluxos retornam aos seus locais de origem. Esse tipo de movimento também ocorre quando o encontro é realizado em lugares secundários, ou seja, em espaços que não apresentam tanta centralidade para o grupo e por isso recebem fluxos menores, menos periódicos e normalmente de áreas mais próximas. No caso do Rio de Janeiro, podemos citar o Bar Calabouço no bairro do Maracanã (Zona Norte), o Clube Mackenzie no Méier (Zona Norte), a casa Planet Music em Cascadura (Zona Norte), a boate Século XXI em Campo Grande (Zona Oeste), o estúdio Áudio Rebel em Botafogo (Zona Sul), o Teatro Odisséia na Lapa (Centro) e também em locais (sic) que extravasam os limites da cidade como o Barracão Show Beer em Duque de Caxias, o Espaço Convés no bairro do Gragoatá em Niterói e o Metallica Pub no centro de São Gonçalo. A freqüência destes locais e os fluxos que se dirigem até eles são bem menores se fizermos uma comparação com a Rua do Senado e o Underground Cultural.”


“De acordo com esses mesmos critérios percebi que a cena de São Paulo apresenta uma organização diferente, sendo do tipo convergente-dispersa. A Galeria do Rock, localizada no centro da capital paulista, é o principal ponto de encontro de headbangers desde a metade dos anos 90. Esse espaço é, sem dúvidas, o lugar referencial para a sociabilidade do Heavy Metal em São Paulo. Sua área de influência extravasa os limites da região metropolitana, chegando a alcançar até mesmo outros estados. No entanto, seu papel enquanto espaço central é diferente do caso carioca. Não se trata de um espaço onde as pessoas permanecem, mas de um ponto de encontro que reúne os headbangers para dar início a um novo deslocamento rumo aos locais de shows e bares onde acontece a sociabilidade do grupo durante a noite.”


A cena de Brasília é a síntese de fragmentação. Dispersão-desconcentração! O povo do Gama, o povo do Ingá, o povo do Recanto, o povo do Val, o povo da Candanga, o povo da Santa, o povo de Taguá... Um ou dois MANÍACOS fazem a mambembe interligação, mas um bando não ouve falar do outro. E aí vem o Iron Maiden, e apenas o pilotis vai, para pousar de aviãozinho e posar; mas os trves ficam de fora da festa, rindo com cachaça barata (pleonasmo).


“O terceiro tipo de organização foi observado no nordeste brasileiro. Existe uma similaridade nas cenas de algumas cidades nordestinas quando olhamos para a circulação dos fluxos de headbangers nessa região. O elemento comum é que elas se organizam de forma integrada. Parece não haver uma autossuficiência em cada uma delas, de forma que é quase necessário haver uma integração para que as cenas possam se manter e se reproduzir. Dito de outro modo, as cenas se organizam em conjunto com cenas de outras cidades e estados vizinhos, formando assim uma grande cena integrada. Isso quer dizer que os espaços de sociabilidade em uma cidade servem também como ponto de encontro para headbangers de cidades de outros estados. (...) Chamamos esse tipo de cena de itinerante-concentrada-integrada.” “notamos que há uma média de dois shows mensais nas cidades nordestinas. Enquanto isso, em São Paulo, em um único sábado podem ocorrer três ou quatro shows em áreas diferentes da cidade e da região metropolitana.”


“o site metal-archives.com é uma espécie [de] arquivo virtual sobre as bandas de Heavy Metal de todo o mundo.”

 

“Em um primeiro momento pensei que essa relação poderia ter consequências negativas para a pesquisa tendo em vista que eu estava me tornando meu próprio objeto de estudo e, sendo assim, corria o risco de não conseguir olhar para essas cenas com distanciamento necessário à realização de um trabalho científico. No entanto, a experiência que tinha a partir da vivência nessa cena (Rio de Janeiro) contribuiu de forma positiva para a pesquisa na medida em que eu já dispunha de um algum conhecimento prévio a respeito das práticas sociais e valores compartilhados por esse grupo. (...) Outros pesquisadores do tema também deixam claro sua inserção no Heavy Metal, como é o caso de Janotti Jr. (2002), Lopes (2006) e Campoy (2010, vide final).” “O processo de entrevistas talvez tenha sido o que mais me fez perceber que fazer parte da cena que estou estudando é uma vantagem para o desenvolvimento da pesquisa. Nas primeiras tentativas de entrevista, me apresentei como um estudante de geografia que estava fazendo um trabalho sobre as cenas Heavy Metal no Brasil. Nenhuma pessoa aceitou responder as questões. Logo pude lembrar-me da experiência narrada por Campoy (2010) sobre seu trabalho de campo com as cenas de < metal extremo > brasileiras.” “Os indivíduos ligados a este grupo possuem práticas sociais e valores próprios, mas mesmo assim estão enquadrados dentro do Heavy Metal por possuírem inúmeros elementos em comum com os outros estilos do < metal >. O Metal Extremo é caracterizado por possuírem um tipo de composição com músicas mais rápidas e pesadas, com utilização de vocais guturais. Os temas abordados em suas letras estão normalmente vinculados a uma esfera de horror, morte e crítica a símbolos e práticas religiosas tradicionais do cristianismo. Death Metal, Black Metal e Gore Metal são exemplos de sub-divisões do que Campoy (2010) considera como Metal Extremo.”


POR QUE NÃO FIZ UMA MONOGRAFIA NESTE ASSUNTO?


Porque sou muito perfeccionista, porque nunca me senti suficientemente identificado com o grupo dos roqueiros. Porque julguei que não havia nenhuma bibliografia disponível sobre o tema (ainda mais levando em consideração que eu queria falar especificamente sobre o Black Metal internacional e odiava a pouca representatividade das bandinhas-cosplay locais – o que igrejas sendo incendiadas na Noruega tinham mesmo a ver comigo, conosco?). Porque eu não queria passar um ano inteiro afundado num tema, mesmo que a bibliografia e fonte material brasiliense fossem riquíssimas. Porque a Sociologia é egoísta e pretensiosa, querendo ter autonomia para falar de tudo, mas seus alunos ficam confusos ao perceberem que na prática não se pode falar de nada, pois o espaço é da geografia, a economia é das ciências econômicas, o pensamento é da filosofia, a história é da história, as diferenças são da antropologia, a política é da ciência política, então o que nos resta? Francamente falando, nada além dum péssimo português e extreme embromation. Eu fui muito honesto comigo mesmo e me orgulho muito disso. Cada vez mais, conforme o tempo passa e olho para trás. Obrigado, de coração, Edson, Marcelo Medeiros, Arthur Trindade, pela oportunidade! Pude alçar voos magnânimos e incomparavelmente mais altos que esses de IBGE, clubinho do livro e secretaria de segurança do GDF... Se o sol vai derreter a cera dessas asas artificiais? Só o tempo dirá. Mas um sociólogo não pode ouvir o tempo. Ele não é empírico, correto, Kant?! Método sociológico ou: como-entrar-pelo-cano-não-sendo-o-Mario. Boa sorte!


“(no caso do Heavy Metal, como veremos mais a frente (sic), há por parte do grupo uma valorização – ou uma não problematização – do que é tosco, sujo, sombrio, feio e, deste modo, lugares que apresentam essas características acabam sendo investidos de significados < positivos >, o que não aconteceria por parte de outros grupos que compartilham outros valores e idéias)”


“Por fim, o conceito de sociabilidade, oriundo da sociologia de Georg Simmel, também possui grande importância em nossa argumentação.”


“A revista Roadie Crew, por exemplo, vem publicando matérias especificamente sobre cenas locais do Brasil. Nessas reportagens, os lugares de shows do passado e do presente e as bandas locais atuais ganham grande destaque. Resenhas de shows e álbuns também podem ser encontradas nesses materiais, o que nos possibilita saber a organização dos eventos (lugar, número de pessoas que frequentam, bandas que tocam etc) e sobre os novos lançamentos (que banda está lançando o que e através de qual gravadora).” “Exemplos de sites especializados em Heavy Metal são: Whiplash [UHHHH! Vaias para a Contigo dos headb.], Metal Pesado, Metal Devastation, Metal Maniacs, Thunder God Zine, Metal Vox, Recife Metal Law, Cabra Metal, Arena Metal PE, Altars of Metal, Ultimate Metal, Barons Hell. Com relação aos blogs podemos citar: Metal Reunion, Metal Brasileiro Underground, Brasil True Black Metal, Som Extremo, Sertão Metal PE, AMZ Metal, Inferno Notícias, Rock Out Zine, Metal Milicia 666, Arise Metal Blog Zine e muitos outros. Zines impressos também são preciosas fontes de informação e, dentre os que circulam no Brasil, destacam-se: Sepulchral Voice zine (SP), Revelações Abissais zine (PR), Falecido Zine (BA), Iiscröto Zine (SP), NFL zine (SP), Visual Aggression zine (SP), Mauá Zine (SP), Püke zine (SP), Máquina do Metal zine (PE), Metal Blood zine (DF) e outros.”



Escrito por a mosca filosófica às 22:37
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


“Como sou músico permanente em três bandas, percebi que uma forma eficiente de conhecer várias cenas seria agendar viagens para tocar e ao mesmo tempo ter contato com diversas cenas locais de Heavy Metal no Brasil.” “A turnê aconteceria durante todo o mês de janeiro de 2012. As cidades contempladas nessa parte do trabalho foram: Salvador (BA), Aracaju (SE), Maceió (AL), Recife (PE), João Pessoa (PB), Campina Grande (PB) e Natal (RN).” Definindo “trabalhando com o que gosta”. Onde estão meus conterrâneos cearenses? Também senti falta de São Luís no roteiro.

 

“Campoy (2010) tem toda sua argumentação baseada na idéia de que há uma disputa entre underground e mainstream no caso do Metal Extremo brasileiro. Para ele, inclusive, o underground do Metal Extremo existe a partir de uma permanente negação do mainstream. (...) defenderemos mais a frente (sic) a idéia de que não existe uma cena mainstream.”

 

“Hoje, a rede virtual cumpre um grande papel para a comunicação e divulgação de idéias de diversos tipos de coletividade. Esses sites muitas vezes são divididos por comunidades de interesse, como é o caso do Orkut e mais recentemente o Facebook. Através dos cartazes virtuais é possível de antemão identificar os lugares [em] que acontecem shows em uma cidade.”

 

“a maior parte dos entrevistados de São Paulo afirmou que a Galeria do Rock é o espaço mais significativo para o Heavy Metal na cidade, assim como os entrevistados do Rio de Janeiro afirmaram que a Rua Ceará, o bar Heavy Duty (que se localiza na mesma rua), e o bar Calabouço eram os espaços de convívio mais importantes do Rio naquele momento.”

 

“Há lugares para o agir comunicacional dessas coletividades, lugares onde suas ações ganham sentido e visibilidade.”

 

“OPS! QUERIDA, REFORMULEI AS CRIANÇAS!” (brincadeirinha com o nome dum filme): “Foi na noite de 16 de janeiro de 2010, em uma visita à Rua Ceará, que comecei a fazer minhas primeiras observações sobre a cena Heavy Metal do Rio de Janeiro. O curso de mestrado ainda não havia começado e eu era apenas um recém aprovado com um projeto que tinha como proposta investigar a relação entre geografia e imagens fotográficas de uma revista carioca da década de 1930.” “Tudo era diferente de quando comecei a frequentar o Garage no ano de 2000. Não havia mais cadeiras em frente aos bares, tampouco pessoas circulando pela rua e casais namorando entre os carros [houve algum retrocesso, conforme vi em 2016!]. A rua estava mais iluminada, porém silenciosa e deserta. Onde estavam os posers?” “Grupo que está vinculado ao estilo musical conhecido como Hard-Rock [Só a partir dessa tese, do zine Homicidal Maniac #3 (Agosto/15) e do Metal Archives pude perceber o quanto existe uma conotação negativa para o termo HR! Sempre chamei Black Sabbath e Deep Purple, ou mesmo Motörhead, por exemplo, de Hard rock!] ou Glam Metal. Apresentam um visual completamente diferente dos headbangers. Suas roupas são mais coloridas e é comum o uso de maquiagem feminina entre os homens. Exemplo de bandas que marcaram o estilo são Poison, Mötley Crue, Cinderella etc.” Muito instrutiva, também, a variação temporal ou geográfica que o termo POSER veio a apresentar. Um verdadeiro amante de Mötley Crue, pelo menos no DF do meu tempo, não seria chamado de poser, num lugar mais “tolerante”: ele é o que é, é o que aparenta, independentemente do som ser considerado ruim. Poser seria muito mais o metido a lenhador dos bosques que se apresenta como “metaleiro das trevas e norueguês nascido no lugar errado”, por exemplo. I.e., aquele que não é quem passa por ser.

 

“O Bar da Janela é de fato uma janela. Trata-se de uma janela de uma casa que se localiza ao lado do Garage e que era aberta para vender cerveja e petiscos como amendoim e biscoitos. [aprovado na minha visita etnográfica particular!]” “O Bar do Bigode, antes completamente ocupado por punks, estava vazio e tocava Forró. O Bar dos Grunges, no final da rua, não tinha mais nenhum adolescente com camisa de flanela quadriculada e era ocupado por pessoas < comuns >” “Vila Mimosa (o prostíbulo a céu aberto) [fedorento e vulgar demais até para um prostíbulo]” “Voltei pela mesma calçada, sozinho, e me dirigi para a porta do Bar Heavy Duty, onde ocorreria um show de Death Metal. Aos poucos as pessoas foram chegando e entrando no bar e nenhuma delas permanecia no lado de fora (na rua). O show não ficou muito cheio. Puxando as imagens pela memória, acredito que havia por volta de 70 ou 80 pessoas no interior do estabelecimento, número bem baixo se compararmos com a freqüência do período anterior.”

 

“existiria uma cena musical sem espaços de encontro? (...) Se não, quais seriam os espaços de referência para uma cena?” Deslocamento para o espaço digital, amigão.

 

"De acordo com Bennett e Peterson (2004), o termo < cena > foi usado originalmente por jornalistas para descrever um modo de vida marginal associado aos indivíduos ligados a um estilo de vida boêmio, a exemplo das pessoas relacionadas à música jazz nos Estados Unidos na década de 1940. Até os anos 90 esse termo ficou mais restrito ao discurso jornalístico"

 

"Zine é uma espécie de revista especializada em um determinado estilo e que normalmente é feito por pessoas que participam de uma cena. Nesses artefatos, é possível encontrar resenhas de shows e materiais de bandas da cena local. Sua produção é feita de forma independente e possui uma tiragem pequena, limitando-se em muitos casos a 50 ou 100 cópias. No Brasil, podemos ter acesso a vários zines como < Visual Aggression >, < Dark Gates >, < Náusea >, < Coven of Darkness >, dentre outros. Atualmente, muitos zines estão sendo feitos em formato virtual."

 

"Ora, a organização material de um espaço onde acontecem shows de Jazz é bem diferente daquela observada em apresentações de Heavy Metal. O comportamento do público em ambos os shows também não se parece e, por isso, cada um desses gêneros se organiza sobre um tipo de espaço particular, com uma morfologia característica que permite a operacionalização das ações que o grupo pretende realizar. As < rodas de pogo > e < stage dives > [de] que falamos acima não encontram sentido em um bar com mesas e cadeiras dispostas para pessoas assistirem a um show sentadas como acontece em um evento de Jazz."

 

"Em Recife tocamos em um teatro onde havia seguranças que, por ordem da gerência, inviabilizavam a prática do stage dive. Nesse mesmo espaço também era proibido o consumo de álcool. Ora, stage dives e bebidas alcoólicas são partes integrantes da cultura e da identidade do Heavy Metal. A impossibilidade de realizar essas práticas em um lugar o torna uma espécie de espaço < impróprio > para [a] organização da cena deste estilo musical." Na Argentina a cena realmente morreu.

 

"No Brasil, podemos citar a Mutilation Records e Absurd Records de São Paulo, Morbid Tales Records do Paraná, Kill Again Records de Brasília, Moribundo Records e Marquee Records do Rio de Janeiro etc. Nos Estado Unidos, talvez os melhores exemplos sejam as gravadoras Hell's Headbangers e Nuclear War Now. Na Europa, Iron Bonehead Productions, Bestial Invasion Records, Death Strike Records, Agipunk Records, Barbarian Wrath Records e muitas outras. No Japão, Deathrash Armageddon Records e Rock Stakk Records são bons exemplos deste tipo de comércio."

 

Pedro Poney, o hipócrita.

 

"Lima; Pereira & Cordeiro (2010), ao analisarem a formação da cena de Heavy Metal em Juazeiro do Norte, no Ceará, também apontam a importância de uma loja especializada para a sociabilidade headbanger na cidade."

 

"O processo de democratização da internet, que possibilitou a obtenção de músicas de forma gratuita, sem dúvida contribuiu para o fechamento de alguns estabelecimentos especializados em música Heavy Metal." Meu primeiro contato verdadeiro com a música. "Nos shows undergrounds desse estilo, é comum vermos mesas e balcões com diversos CDs, LPs, zines, camisas e panfletos expostos para venda e divulgação."

 

Deplorável: "muitas pessoas vão a shows exclusivamente para sociabilizar e encontrar amigos e pessoas ligadas à cena. Ouvimos diversas vezes falas com um conteúdo do tipo < eu nem curto muito essas bandas que vão tocar hoje, mas vim aqui encontrar a galera >."

 

"Estas, obedecendo a um padrão de tonalidade negra, emitem uma série de símbolos que o grupo valoriza. Logotipos de bandas, cruzes invertidas, crânios e pentagramas são estampados em camisas e jaquetas de couro preto ou jeans. Há uma visualidade tão marcada que qualquer < externo > é imediatamente percebido."

 

"Em grandes cidades como Rio de Janeiro e São Paulo é muito difícil encontrarmos bandas que ensaiem e gravem em casa ou em garagens. O fato é que a maior parte das bandas precisa de um estúdio para praticar, compor e, futuramente, vir a gravar suas músicas. Atualmente a importância dos estúdios vem sendo diminuída em função da disponibilidade de novas tecnologias que permitem fazer gravações caseiras por um baixo custo. Existe hoje todo um aparato técnico que é capaz de simular um estúdio profissional em apenas um software." "é muito comum encontrarmos no catálogo de uma gravadora japonesa, (sic) títulos de bandas undergrounds do Brasil, Colômbia, EUA e Alemanha ao mesmo tempo." "No Rio de Janeiro, o programa < Guitarras > da Rádio Fluminense cumpria esse papel no passado, em um tempo onde era difícil ter contato com o que estava sendo produzido nas cenas Heavy Metal de outros países" Depoimento anônimo (?): "A Maldita era foda. Juntava uma galera no quarto de alguém e ficava todo mundo ouvindo o som e batendo cabeça. Eu comecei a curtir som ouvindo a Fluminense. Antes eu só conhecia rockzinho tipo Scorpions, Kiss, Queen e essas merdas. Na Fluminense descobri o Venom, Bathory, Kreator, Destruction... Só banda fodida. Essas bandas não tocavam em outra rádio porque eram sujas e violentas, falavam de satã e tinham um som podre. Foi aí que decidi montar banda, usar visual." "O Site myspace, por exemplo, tem um sistema de busca que relaciona estilo musical e cidade. Basta escolher < Heavy Metal - Tóquio > que aparecerão as bandas cadastradas desse estilo."



Escrito por a mosca filosófica às 22:31
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


"O Wacken Open Air na Alemanha é o ponto de encontro anual para headbangers de todo o mundo. Excursões são organizadas em vários países para ir ao festival. No Brasil, a responsável pela viagem é a revista Roadie Crew de São Paulo. É essa revista que também organiza as seletivas brasileiras que escolhem a banda nacional que irá participar do evento que, por sua vez, é composto por bandas do mundo todo. Na Alemanha ainda existem outros festivais como o < Keep it True >, o < Heavy Metal Forces > e outros do mesmo nível. O Brasil não possui muita tradição de festivais estilo < open air >. Recentemente, no entanto, foi criado o festival < Zombie Ritual > que nos últimos quatro anos aconteceu na cidade de Rio Negrinho em Santa Catarina. As quatro edições contaram com bandas de diversas partes do país, sendo que em 2010 a banda polonesa Vader também integrou o < cast > do evento e em 2011 foi a vez da sueca Dark Funeral. Os festivais brasileiros normalmente acontecem em locais fechados, como é o caso do < Brutal Devastation > (MG) e do < Setembro Negro > (SP). [O Monsters of Rock é tão novo assim?] Ambos são direcionados para o sub-estilo do Heavy Metal conhecido como Metal Extremo e também abrem as portas para bandas de todo o Brasil."

 

"Baseado nas ideias de Weinstein (2000), delimitamos três dimensões que se conjugam para compor o universo do Heavy Metal: dimensão sonora, visual e verbal"

 

P. 59: “Não pretendemos fazer um histórico aprofundado do Heavy Metal, mesmo porque já existem muitos trabalhos que cumpriram esse papel. Por exemplo: Leão (1997), Weinstein (2000) e Christe (2010) [já dissecado no blog].”

 

“Como aponta Weinstein (2000), é muito difícil contar a história do Heavy Metal pois não existe um consenso sobre onde e quando esse gênero musical surgiu, quais seriam os músicos e bandas precursores e quais seriam suas influências básicas. Segundo a autora, os pesquisadores ingleses tendem a argumentar que o Heavy Metal surgiu na Inglaterra, no final dos anos 1960, com a formação da banda Black Sabbath. Já os autores americanos afirmam que o gênero surgiu com outra banda inglesa, o Led Zeppelin, que teve grande influência nos EUA no final dos anos 1960 e durante a década de 1970. Por fim, ainda há outra linha argumentativa, explanada normalmente por comentadores americanos, que acredita na gênese do Heavy Metal a partir de

bandas americanas como Iron Butterfly, Steppenwolf e Blue Cheer.”

 

“Autores como Berger (1999) associam a formação de bandas de Heavy Metal a áreas que estavam passando pelo processo de desconcentração industrial e que, por isso, possuíam altos índices de desemprego. Sendo assim, não apenas o Black Sabbath (com membros oriundos do bairro industrial de Aston em Birminghan), mas outras bandas e indivíduos que fizeram parte deste momento de gênese do Heavy Metal são originários de áreas industriais que passavam pelo processo de desindustrialização, principalmente no norte da Inglaterra e no meio-oeste dos EUA.”

 

“A transformação efetuada pelo heavy metal do lema hippie < LOVE >, distorcido em < EVIL >, anagrama e inverso simbólico (Weinstein, 2000); o abandono do nome hippie e flower power de < Earth > e a adoção do nome < Black Sabbath >, com a constatação de que a realidade dos músicos operários da fria e poluída Birmingham em crise de empregos estava muito distante da Califórnia – a ensolarada terra prometida dos hippies de camadas médias e boa parte dos universitários norte-americanos; o fim do sonho da revolução juvenil; e as perspectivas sombrias de projetos alternativos à música para os artistas de camadas desfavorecidas (os tradicionais empregos de baixa remuneração, carreiras no esporte ou o mundo do crime) – todos esses elementos se condensam na arte dos pioneiros do metal, numa espécie de visão de mundo romântica operária e um ethos < proud pariah > (...)” (LOPES, 2006, p. 95)

 

“valorização da força física masculina, disciplina (musical), técnicas manuais (agora utilizadas para tocar um instrumento), princípios anti-hierárquicos e anti-comerciais” “Outros elementos como o visual (roupas informais, cabelos longos, jaquetas de couro negro, botas etc), as drogas, a música psicodélica e a postura < rebelde >, segundo Weinstein (2000), são oriundos de uma mescla entre duas subculturas juvenis dos anos 1960: hippies e bikers”

 

“Na segunda metade da década surge o movimento que ficou conhecido como New Wave of British Heavy Metal (nova onda de heavy metal britânico) e que revelou bandas clássicas do gênero como Iron Maiden, Motörhead, Judas Priest, Venom, Saxon, Tank, Diamond Head e muitas outas que viriam a influenciar toda a geração seguinte dos anos 1980.”

 

“Assim como o Rock ‘n’ Roll adotou uma série de convenções oriundas do Rhythm and Blues, o código do Heavy Metal possui suas raízes na tradição do Blues Rock e do Acid Rock psicodélico.” “A característica fundamental das guitarras é a distorção, um ruído provocado propositalmente a partir da utilização de pedais eletrônicos. No Heavy Metal, a guitarra é o instrumento que conduz as melodias, que comumente são obtidas a partir de < power-chords >, um tipo de acorde que conjuga apenas duas notas (a nota principal e sua quinta) e produz uma sonoridade mais intensa e agressiva que a dos acordes normais que conjugam pelo menos quatro notas.” "O contra-baixo elétrico, muitas vezes também tocado com pedais de distorção, funciona como base para as guitarras. As notas graves emitidas por este instrumento colaboram ainda mais para a obtenção de uma sonoridade < pesada >."

 

“A cada novo subgênero que surgia as batidas se tornavam mais rápidas. Foi assim com o Thrash Metal, com o Death Metal, com o Black Metal e com o Grindcore, até chegar na variante mais rápida, o < Extreme Death Metal >, que chega a uma velocidade de 8 batidas por segundo.” Besteira. Krisiun ou Napalm Death? Tecnicamente (e não-tecnicamente, hehe!) não tem a menor importância qualquer um desses rótulos ou demarcações.

 

“O vocal não é privilegiado como na música Pop.”

 

“Black Sabbath, Black Angel, Black Axe, Black Invocation, Black Chariot, Black Funeral, Dark Funeral, Dark Throne (SIC), Dark Tranquility, Dark Angel, Death Angel, Death, Acid Death, Bestial Death, Calvary Death, Death Strike, Death Evil, Evil Army, Evil Child, Evil Dead, Sign of Evil, Evil Priest, Judas Priest, Priest of Death, After Death, Death Strike, Living Death, Total Death, Deathhammer, Hammerfall, Iron Hammer, War Hammer (SIC), Hellhammer, Hell on Earth, Hell Mentor, Nocturnal Hell, Nocturnal, Nocturnal Worshipper, Nocturnal Graves, Grave, Grave Desecrator, Gravewurm, Grave Reaper, Mass Grave, Unholy Grave, Unholy Cult, Unholy Force, Cruel Force, Diabolic Force, Iron Force, Iron Maiden, Iron Angel, Iron Dogs, Iron Fist.”

 

“a já extinta banda carioca Falkirk, que se auto-intitulava < Viking Metal > e se apresentava com visual viking (maquiagem característica, saias e espadas).”

 

“O ato de banguear talvez seja a ação mais valorizada pelos headbangers de uma forma geral, isto é, trata-se de uma prática realizada por pessoas de todos os subgêneros, incluindo os mais lentos como o Doom Metal.”

 

“Algumas bandas em atividade antes do festival puderam, então, gravar discos, enquanto outras surgiam: Kripta, Explicit Hate, Necromancer, Extermínio, Metrallion, Inquisição, Kronus, Metalmorphose, Deathrite, Sadom e Anschluss. Os subgêneros destas bandas parecem ser, em maioria, heavy metal tradicional, thrash e death metal, cantados majoritariamente em inglês.” “Este < período de ouro > ocorreu de 1985 à (sic) 1987, quando o organizador e idealizador do Caverna I e II faleceu. De 1987 à 1993 os shows continuaram acontecendo, mas com uma periodicidade menor.” Cena musical atrasada em pelo menos uns 15 anos em relação ao Primeiro Mundo.

 

“Semana passada rolou Possessed ate em Recife e o Rio ficou de fora novamente...Fora Exodus e Tankard ano passado que não vimos tb.”

 

97: a barafunda conceitual do “rock alternativo”: “duas bandas de rock alternativo não têm necessariamente características em comum”

 

“O termo < Hardcore > começou a ser utilizado no final dos anos 70 e início dos anos 80 para se referir as (sic) bandas punks que tocavam de forma mais rápida e agressiva que suas antecessoras do conhecido movimento Punk 77.” “O Hardcore Novaioquino, segundo Mader (1998), é uma subdivisão do Hardcore que tem sua origem em Nova Iorque (EUA) e pode ser exemplificado com uma sonoridade característica de bandas como Cro-Mags, Biohazard e Agnostic Front, conjuntos que misturam letras políticas e som cru e rápido. Já o Hardcore Melódico, representado por bandas como Bad Religion, NOFX e Pennywise, não necessariamente trata de temas políticos em suas letras, e sua musicalidade se aproxima mais da música pop, utilizando arranjos mais elaborados e com melodias mais claras e < harmoniosas >.”

 

“Para alugar a quadra de um clube esportivo em um bairro de classe média como o Méier é necessário receber um público numeroso que, por sua vez, deverá pagar mais caro pelos ingressos, o que nem sempre é possível no caso do Heavy Metal. Prova disso é que as seletivas do Wacken dos anos seguintes foram transferidas para um local menor e com aluguel mais barato: a boate Século XXI em Campo Grande (Zona Oeste).” “Outros quatro espaços fizeram parte dessa nova configuração da cena de Heavy Metal no Rio de Janeiro. Dois deles, Bangu Atlético Clube e Parada Obrigatória, estão localizados no Bairro de Bangu, zona oeste carioca.”

 

“O banheiro do Bar do Bigode fica tão sujo no decorrer da noite que a maior parte das pessoas opta por urinar nos muros próximos ao bar ou entre os carros estacionados e abandonados pelas calçadas.” “O ápice da concentração acontece por volta de 1 hora da madrugada.”



Escrito por a mosca filosófica às 22:29
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


“Há também aqueles casos onde headbangers se encontram em grandes espaços públicos como a Lapa, ou seja, em espaços onde há uma sociabilidade da cidade em geral e não apenas de grupos específicos. Mas esses encontros são irregulares, não possuem nenhuma periodicidade, tampouco reúnem muitas pessoas.”

 

“O Underground Cultural está localizado na Rua do Senado, área central do Rio de Janeiro. Há duas formas fundamentais de se chegar ao local. (...) As ruas do entorno são mal iluminadas e com poucos transeuntes. Há um grande número de moradores de rua, prostitutas e usuários de drogas pelas calçadas.” “O espaço não é uma casa de shows, mas um depósito de bebidas. O térreo é utilizado durante o dia para a comercialização destes produtos. O segundo andar, por sua vez, é uma construção improvisada. Para chegar até [a] área destinada ao evento é preciso subir uma escada suja e estreita, com degraus não muito homogêneos.” “Quando adentrei o local onde estava ocorrendo o show, no segundo andar, tive a impressão de estar no inferno (para usar um termo recorrente no Heavy Metal). O local não possui janelas e por isso a temperatura é algo indescritível. O suor dos headbangers evapora e pinga do teto como uma chuva salgada.” Que dedê... “O ar, umedecido pelo suor, é extremamente poluído com fumaça de cigarros. Não há circulação ou ventilação, apenas uma única e pequena janela atrás do balcão de madeira, sempre tumultuado pela grande demanda por cerveja.” “Os assuntos nas rodas de bate-papo são fundamentalmente os mesmos: recomendação de bandas novas; história do Heavy Metal; boatos que envolvem pessoas da cena; planos para organização de eventos futuros etc. A cena é o assunto.”  “Além da periodicidade de eventos (cerca de três vezes por mês), o espaço recebe pessoas e bandas de todas as áreas da região metropolitana e não raro tocam conjuntos de outros estados e países. Há um verdadeiro deslocamento em direção a esse espaço, que atrai headbanger[s] dos municípios de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, Maricá, Duque de Caxias, Nilópolis, São João de Meriti, Nova Iguaçu, Mesquita, Belfort Roxo (sic) e também das várias partes da capital (zona norte, oeste e sul).” Rio, a cidade que não tem nascer do sol (zona leste)...

 

Senador cearense, cruzando a seca a nado.

 

“No Rio de Janeiro a sociabilidade noturna dos shows contrasta com a interação diurna da galeria de São Paulo.”

 

“Desembarquei na rodoviária do Tietê por volta de 11 horas da manhã e peguei o metrô em direção ao centro da cidade. Desci na estação São Bento e fui andando para a galeria da Avenida São João. Ao redor da galeria já é possível visualizar várias pessoas circulando com roupas pretas, mas essas pessoas não necessariamente são headbangers. A Galeria do Rock, assim como a Rua Ceará do Rio de Janeiro, é frequentada por vários grupos: headbanger[s], grunges, posers, emos, góticos, rockabillys e punks. Além desses grupos há também pessoas ligadas ao Hip-Hop e indivíduos que circulam com intuito [de] utilizar os serviços disponíveis na galeria como estúdios de tatuagem e piercing, lojas de calçados, roupas e acessórios, cabelereiros etc. Entrei na galeria e me dirigi para a loja Mutilation Records, no segundo andar. Trata-se uma loja especializada que vende CDs, LPs, revistas e camisas de Heavy Metal underground, daí o motivo de escolher esse destino. Seria bem provável que encontrasse headbangers no estabelecimento. No caminho do térreo ao segundo andar me saltou aos olhos a facilidade com que podemos identificar a que grupo as pessoas pertencem (...) As camisas com logotipos de bandas, o tipo de calça, o modelo de tênis ou bota, o corte de cabelo, a maquiagem, as tatuagens, todos esses elementos são artifícios utilizados propositalmente para marcar a diferença, ou seja, para afirmar a inserção em um grupo e estabelecer uma diferenciação com os demais. Nesse percurso vi pouquíssimos headbangers, todos eles andando sozinhos pelas escadas e corredores. Quando cheguei à Mutilation não encontrei < ninguém >, apenas o dono da loja e sua funcionária no balcão. As primeiras conversas do campo foram estabelecidas nesse momento. (...) Procurei saber sobre a frequência de headbangers na loja. A resposta, ao mesmo tempo que justificava o vazio do estabelecimento (sic) me dava uma informação importante: a maior parte das pessoas só < colam no rolê > depois do almoço e no fim da tarde.”

 

“Há várias lojas especializadas em Heavy Metal além da Mutilation: Hellion, Mechanix, Die Hard, Paranoid, Relics e outras que apesar de não serem especializadas vendem produtos ligados a esse estilo como a grande loja de LPs Baratos Afins e estabelecimentos que disponibilizam apenas o < visual > (camisas, botas, pulseiras, spikes, broches, patchs(sic)).”

 

Boatos de que o gato de botas não tinha pulso nem pulseiras para ir a um show de rock ‘n’ roll. Camisa-de-força; chapéu; cabelo longo; que bosta de broche, meu amigo? Vai me espetar com seus espinhos, ou vai tolerar uma aproximação (dilema do amigo dorme-porco-sujo-espinho)? Só bate quem entra na roda ou só entra na roda quem bate? Só mosha quem se mata.

 

“Nas < lojas comuns > de shoppings ou em grandes lojas de departamento é impossível encontrar CDs e LPs de bandas undergrounds. Os LPs, inclusive, já não são comercializados nesses espaços comuns há muitos anos.” “As lojas de roupas, além de maiores (sic) eram as que estavam mais cheias.” Posers. “O entorno, mais do que a loja em si, parecia ser fundamentalmente um ponto de encontro. Em alguns minutos outros headbangers conhecidos e desconhecidos chegaram e se juntaram a nós. Eles vinham de Osasco, Mauá, Guarulhos, Suzano, Santo André (municípios da região metropolitana) e de áreas da capital como Santana, Penha, Lapa, Carrão e Guaianazes. Dessas pessoas, apenas 2 entraram na loja para ver os produtos. Por volta das 17h horas, já com um grupo de mais ou menos 15 pessoas, descemos para um bar localizado no subsolo da galeria. Outros headbangers já estavam por lá e o grupo agora se tornava maior, com mais de 30 pessoas. É preciso deixar claro que entre esses headbangers não há necessariamente uma relação de amizade. Muitos se conhecem de vista por frequentarem a galeria e outros locais de shows, mas não é uma regra que se cumprimentem e estabeleçam uma comunicação verbal. Nessa parte do corredor do subsolo existem dois bares. Um deles reunia os headbangers e o outro, em frente, pessoas de diferentes estilos, mais notadamente emos e rockabilies (sic). (...) Obviamente as pessoas se cruzam e circulam no meio dos outros grupos para ir ao banheiro ou comprar uma cerveja no balcão, mas é possível observar uma clara diferenciação espacial pelo modo como se concentram em conjunto.” “Às 18:30 a galeria começa a fechar suas portas e todos são obrigados e se retirar. Imerso no grupo, acompanhei os headbangers, que se dirigiram para um bar próximo à Galeria do Rock. Permanecemos neste bar por duas horas e demos início a um movimento rumo ao show no 7Beer. Foram mais ou menos 20min de caminhada com aquele grupo de pessoas que vestiam calças justas de cor preta ou jeans, camisas com logotipos de bandas estampados, coletes jeans/couro com patches grudados e tênis brancos de cano alto ou coturnos de couro negro.”

 

“As atividades comerciais da rua são bares estilo boteco, 6 lojas de autopeças e mecânica (semelhança com a Rua Ceará no Rio), um estacionamento de carros, depósito de bebidas (semelhança com a Rua do Senado no Rio), loja de xerox/informática e pequenos armazéns que vendem produtos de limpeza e alimentação.” “A primeira banda começou a tocar por volta de 21:30 e a última acabou as (sic) 4 da manhã. Foi uma apresentação de Heavy Metal típica, bem parecida com as que eu já estava acostumado a assistir: a maior parte das pessoas bebe cerveja e/ou bate cabeça enquanto assiste os shows, outros se batem nas rodas de pogo e promovem saltos do palco sobre o público enquanto as bandas executam um som rápido, com guitarras destorcidas (sic) e vocais rasgados ou guturais.” “Nessa ocasião estavam tocando bandas de São Paulo (SP), Santos (SP), Sorocaba (SP), Osasco (SP), São Roque (SP) e uma de Lima (Peru), todas do subgênero Black Metal.”

 

“o famoso corpse-paint (literalmente pintura de cadáver), um tipo de maquiagem branca e preta que faz com que seja impossível identificar o rosto do indivíduo. Essas maquiagens comumente lembram a face de demônios, assim como os pseudônimos utilizados pelos membros.”

 

“< Morávamos relativamente perto da Woodstock, e todo sábado reuníamos a turma e rolava uma excursão a pé, uns 30min de caminhada, pra passar o dia inteiro torrando embaixo do sol na frente da loja e gastar as parcas economias de moleque em discos de vinil >. André Matos da banda Angra (retirado de http://collectorsroom.blogspot.com.br/ [blog muito bom ainda na ativa])”

 

“A associação da loja com o Heavy Metal, no entanto, só aconteceu a partir de 1982, quando o proprietário foi a Londres e se deparou com centenas de jovens que vestiam camisas e calças pretas. Era o movimento da New Wave of British Heavy Metal (NWOBHM) que estava em alta no Reino Unido e o proprietário da Woodstock viu a possibilidade de obter lucros se fizesse a comercialização do Heavy Metal no Brasil também. Depois disso Walcir passou a ir com frequência a Londres para comprar discos de Heavy Metal e revender no Brasil, até que montou sua própria gravadora e passou a lançar discos internacionais no país.”

 

“É certo que existem pessoas vinculadas ao Heavy Metal que não utilizam roupas e acessórios característicos. Mas de fato esses indivíduos constituem uma minoria quase insignificante.” “Normalmente as pessoas que abrem mão do visual são aquelas que continuam ouvindo Heavy Metal mas que não participam mais dos encontros do grupo. São as pessoas que < saíram da cena >. Sair da cena, no contexto headbanger, significa não comparecer aos eventos, não ter mais banda, não colaborar com zines ou, ainda, não freqüentar os espaços de sociabilidade.”



Escrito por a mosca filosófica às 22:27
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


“O primeiro trabalho de campo com intuito de aplicar questionários fora da Galeria do Rock aconteceu na Fofinho Rock Bar, casa localizada no bairro Belém, parte leste do centro de São Paulo. Trata-se de uma casa de shows tradicional que existe desde 1971. Nesses quarenta anos de existência inúmeras bandas de Heavy Metal se apresentaram/apresentam ao vivo no local. No entanto, a experiência que tive na Fofinho foi diferente de um show. Na noite em questão o evento era baseado na audição de < som mecânico >.” “Normalmente esses eventos possuem uma banda clássica a ser privilegiada durante a noite, e o DJ toca seus sons durante 4h consecutivas: < especial Metallica >, < especial Venom >, < especial Judas Priest > etc. Na ocasião a banda do som mecânico era o Kreator (Thrash Metal da Alemanha). Como de costume, na porta do evento já era possível ver vários headbangers conversando em pequenos grupos, a maior parte deles vestindo calças jeans justas, coletes jeans com patchs (sic) costurados e tênis brancos, visual característico das bandas de Thrash Metal. Há dois bares ao lado da Fofinho que servem como ponto de encontro para headbangers antes dos eventos. Um dos bares inclusive possui uma jukebox na qual é possível colocar moedas para ouvir bandas de Heavy Metal. Como já vimos anteriormente, a interação em um bar próximo à casa de shows é muito comum em eventos de Heavy Metal. Algumas pessoas, inclusive, permanecem nesses bares e não entram no local onde vai se realizar o show”

 

“(até mesmo a opção de não < pogar > já parece comunicar algo).”

 

“Porém, eis que no meio da noite uma outra forma de sociabilidade se realizou. Três headbangers iniciaram uma briga com combate físico. Procurei saber o motivo enquanto aplicava alguns questionários. A razão era que um deles estava vestindo uma camisa de uma banda que, segundo os outros dois headbangers, era de um conjunto de < white >. O termo < White > é utilizado para se referir às bandas de White Metal, um subgênero que se diferencia dos outros pelas letras que, ao invés de tratarem de temas comuns como satanismo, guerras e morte, falam sobre cristianismo e < assuntos do bem>. A sonoridade das bandas de White Metal segue os mesmos padrões das bandas de Heavy Metal tradicionais, mas ao mesmo tempo optam por uma temática lírica que é o extremo oposto do que o estilo como um todo valoriza. Há uma relação de opostos: Black Metal versus White Metal, satanismo versus cristianismo, inferno versus paraíso, queimar bíblias em um show versus ler trechos da bíblia em uma apresentação. Se existe um < inimigo > para os headbangers, principalmente para os mais radicais, esse inimigo é o indivíduo que ouve e/ou toca em bandas de White Metal. No entanto, existe um ponto que une os inimigos, ou seja, há um fator comum de agregação que faz com que ambos estejam convivendo em um mesmo espaço. Esse ponto é a sonoridade do Heavy Metal.” O Fofinho é fofo mas não o suficiente para nós 2. “O Garage da Rua Ceará, por exemplo, também chegou a abrir as portas para shows de bandas de White Metal, incluindo aí a banda paulista Anti-Demon. [+ Virgin Blackdica da Brenda]” “Enfim, o fato é que a briga é uma relação social, uma forma de se comunicar. O mais interessante é que essas brigas acontecem em lugares específicos ou, se estamos nos fazendo entender, elas ocorrem justamente nos lugares de sociabilidade de uma cena. Dificilmente haverá uma briga de headbangers no meio da rua ou em uma praça qualquer.” “no caso específico dos anos 80 os inimigos em questão eram os < carecas >, grupo nacionalista e conservador que historicamente é rival de punks e headbangers).”

 

“Durante o bate-papo < informal > descobri que alguns headbangers não frequentam mais a Galeria do Rock por acharem que é um < espaço de boy >, termo pejorativo para indicar um lugar frequentado por < falsos headbangers >. Questionei-me sobre a importância da Galeria Nova Barão para a sociabilidade heavy metal em SP.”

 

“Pegamos o metrô no centro e descemos na estação Bresser. O caminho da estação até a casa de shows é feito a pé e dura cerca de 15 minutos. A paisagem é nitidamente associada ao processo de desindustrialização.” “O show daquela noite reunia bandas de Thrash e Death Metal. O espaço interno do Cervejazul não é muito grande. Há um palco de mais ou menos 4 metros de largura e um pequeno bar. As paredes são completamente tomadas por pichações, o que cria um certo clima de < decadência >.”

 

“O Espaço Quilombaque fica localizado a cerca de 100 metros da estação de trem. Ao desembarcar, descemos as escadas e já estávamos na rua do evento (Travessa Cambaratiba). Trata-se de um espaço cultural originado em 2005 com intuito de promover eventos ligados à música popular, oficinas de arte, dança e educação ambiental, palestras sobre política e cultura e prática de esportes como a capoeira. Os eventos de Heavy Metal neste espaço são muito recentes e datam mesmo de 2012.” “Não existe nenhum compartimento destinado exclusivamente para as bandas, o que é muito comum nas apresentações de bandas undergrounds, onde músicos e público são formados praticamente pelas mesmas pessoas e, portanto, não há necessidade de haver uma separação.” “A plataforma ferroviária foi tomada por pessoas vestindo preto.”

 

Black Angel, black metal peruano!

 

P. 144: hilário zine “Morte ao White!!!” assinado por Pagan Priestess. Escrevo isso enquanto ouço Overkill no talo ao lado de pelo menos um crente e colegas coniventes com seu papo-furado. Cri, cri, cri...

 

“[Nordeste] Os sites de internet que disponibilizam informações sobre eventos e acontecimentos da cena são voltados fundamentalmente para o presente. Além disso, a presença de headbangers mais antigos, ou seja, aqueles que vivenciaram a cena no passado, também é ínfima nos shows. Os headbangers mais novos, por sua vez, arriscam palpites sobre a organização das cenas nos anos 1980 e 1990, mas não conseguem detalhar com precisão como o grupo se organizava no passado”

 

“A cena de Salvador é um tanto quanto carente de espaços de sociabilidade. De acordo com as entrevistas, nos últimos anos estão acontecendo shows em três lugares fundamentais: Irish Pub (na Orla), Clube de Engenharia (Centro) e na garagem de um Motoclube em um bairro de classe média próximo ao centro. A cidade também não possui lojas especializadas em Heavy Metal, apenas uma loja onde é possível encontrar camisas de bandas deste estilo.”

 

“Percebi que há um grande movimento de pessoas do eixo Salvador – Feira de Santana. Essas duas cidades são as que produzem os maiores fluxos de headbangers da cena metal baiana como um todo.”

 

“Em meio a todas aquelas pessoas de bermudas, chinelos e camisetas de verão sem manga, estavam grupos de headbangers que usavam calças e camisas pretas, botas e jaquetas de couro.”

 

“Um outro fato que me chamou atenção foi uma briga ocorrida na porta do evento em Salvador (...) Neste caso, um integrante do Motoclube (sic) que se dizia racista, expulsou um headbanger negro do evento batendo-lhe com um banco de madeira nas costas. Todos ficaram apavorados com a violência e o evento acabou naquele momento. Fim de noite, entramos no carro e fomos de volta para a casa do produtor. No dia seguinte, o show seria em Aracajú (sic!) (SE).”

 

Um palhaço sabe a sua plateia, conhece os picadeiros da cidade.

 

“[Aracaju-SE] O palco, que não existe no cotidiano do espaço, foi montado sobre caixas de cerveja. Os banheiros também não existiam. Todos que quisessem fazer suas necessidades fisiológicas deveriam se encaminhar para uma espécie de < matagal > atrás do palco, um local sem nenhuma iluminação que era dividido com pessoas usando drogas e fazendo sexo. (...) A aparelhagem era bem deficiente e o som, consequentemente, ruim. O palco, um pedaço de madeira, tremia sobre as caixas de cerveja.” “Quando saí, não precisei abordar ninguém. Pelo contrário, fui abordado por um grupo de pessoas que estavam interessadas em saber sobre a cena do Rio de Janeiro e da Região Sudeste em geral.”

 

“os headbangers da capital não respeitam as pessoas vindas do interior.”

 

“Se não há um público suficiente para que os gastos do evento sejam pagos, vai haver prejuízo e os produtores locais dificilmente farão novos eventos.”

 

“Dentre essas < cidades sem cena > que possuem headbangers mas não dispõem de espaços de encontro, podemos citar Arapiraca (AL), Teotônio Vilela (AL), Itabaiana (SE) e, ainda mais secundariamente, Cícero Dantas (BA).”

 

“[Maceió-AL] Era verão e estava um calor insuportável. Mesmo assim a maior parte dos headbangers estavam (sic) vestidos de preto, usando botas e jaquetas de couro (ou jeans). (...) A maior parte desses headbangers, por mais que mantenham tons escuros em suas roupas cotidianas, não utilizam botas e jaquetas de couro no dia-a-dia”



Escrito por a mosca filosófica às 22:25
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


“Assim que expusemos o merchandising da banda em uma mesa, formou-se um aglomerado de pessoas querendo comprar os materiais. Os shows, como vimos anteriormente, também cumprem um papel no sentido de promover a circulação, venda e troca de materiais relacionados ao underground de um estilo musical. Em cidades que não possuem lojas, um evento significa ter a possibilidade de adquirir materiais. E mais do que isso, adquirir materiais  por um preço relativamente barato pois estes não incluem o valor dos fretes cobrados pelos vendedores virtuais”

 

“De fato, elas [Recife, Campina Grande, João Pessoa e Netal] são os principais nós deste conjunto por promoverem o maior número de eventos e por possuírem o maior número de bandas, headbangers e locais de encontro. No entanto, várias outras cidade se integram ao conjunto de forma secundária, como é o caso de Caruaru (PE), Gravatá (PE), Cabo de Santo Agostinho (PE), Macaparana (PE), Bayeux (PB), Conde (PB), Patos (PB), Areia (PB), Guarabira (PB), Santa Rita (PB), Macaíba (RN), Mossoró (RN), Parnamirim (RN) e outras.”

 

“Pela localização, tá ligado, entre Salvador e Fortaleza, duas grandes cidades do nordeste, Recife acabou se tornando um ponto meio que estratégico pra shows de pequeno e de grande porte. (...) Normalmente em pelo menos 90% dos casos o ponto de referência pra shows de Metal na cidade é o bairro do Recife Antigo, que fica na região portuária e histórica da cidade, tá ligado? (...) A periodicidade de eventos varia, velho. (...) Até nego do Ceará eu já vi por aqui”

 

heavy duty heaven dirty

 

“[Hellcife] Um primeiro olhar ao redor me fez lembrar da Rua Ceará no Rio de Janeiro. Pelas calçadas, vários jovens vestidos de preto bebendo cerveja e vinho. Outros estavam deitados pelo chão dormindo, muito provavelmente por conta da embriaguez. As calçadas também eram ocupadas por mesas de bar, de modo que todos os transeuntes precisavam caminhar pelo meio da rua.”

 

moço, me vê uma cerveja-quente e um cachorro frio!

 

“Perguntei o motivo deles estarem ali parados na porta sem entrar no show da banda americana, já que estavam vindo de outras cidades. Disseram-me que havia várias pessoas de Campina Grande e Natal assistindo aquele show e, como eles não tinham dinheiro para pagar a entrada, estavam ali esperando os amigos saírem para depois irem em direção ao nosso show.”

 

“pode parecer irrelevante mas não é, trata-se da impossibilidade de vender bebidas alcoólicas no interior do teatro. (...) Um dos headbangers do lado de fora não cansava de repetir em voz alta: < Velho, Metal é cerveja... Metal é cerveja >. (...) o próprio organizador do evento tentou resolver: com uma fita isolante e um barbante, criou uma espécie de varanda na porta do teatro e disponibilizou um isopor com latas de cerveja para serem vendidas do lado de fora. Todos eram obrigados a consumir as bebidas ali mesmo antes de entrar.” A improvisação inigualável do povo brasileiro.

 

“Dois ou três headbangers subiram no palco para praticar um stage-dive, aquela ação onde as pessoas pulam do palco sobre as outras da platéia. Um dos headbangers foi violentamente empurrado de volta para o público por um dos seguranças.” Stage dive involuntário? ”O show continuou com um clima desagradável. Entre uma música e outra, ouvia[m]-se xingamentos vindos de todos os lados em direção aos seguranças. (...) Sem cerveja e sem stage-dive, o Teatro Maurício de Nassau foi condenado pelos headbangers.” Convicted in life.

 

“[Campina Grande] A vizinhança era formada basicamente por estabelecimentos comerciais que ficam fechados a (sic) noite. Isso é um elemento quase fundamental para que shows de Heavy Metal possam acontecer sem maiores problemas. Quando há uma vizinhança formada por residências é comum o dono do espaço ter problemas com a polícia em função do alto número de reclamações, que são baseadas em argumentos como < incômodo pelo som excessivamente alto até de madrugada > (...) grande número de pessoas que urinam na própria rua, gerando um odor desagradável no dia seguinte ao evento [não que se tenha de esperar até o dia de amanhã para sentir o < futum >...] (...) Sem exceção, em todos os shows de Heavy Metal que frequentei durante a turnê, o público ficava por pelo menos uma ou duas horas do lado de fora antes de adentrar o espaço do show.” The scene helpers?! “Muitas preferem ficar do lado de fora conversando e bebendo cerveja.” Não gostam de música.

 

“Nenhum outro grupo relacionado a um estilo musical possui uma identificação tão forte com termos como < inferno >, < morte >, < destruição > etc.”

 

“O Vitrola Bar era completamente diferente do Teatro Maurício de Nassau de Recife. Trata-se de um bar pequeno e estreito. Na frente existe uma varanda onde as pessoas sentam em algumas mesas enquanto conversam em voz alta e bebem cerveja. Saindo dessa parte, entra-se no espaço onde os shows são realizados. Não existe palco, ou seja, as bandas tocam no chão e têm um contato direto (diríamos corporal) com o público. Se no teatro de Recife o stage-dive era proibido, aqui essa prática era a regra. No entanto, isso acontecia de forma improvisada pois, como não havia palco, não existia a possibilidade de subir para pular, mas mesmo assim as pessoas saltavam do chão sobre as outras e navegavam no ar sobre os braços e cabeças do público [ < floor-dives! >]. Durante nossa apresentação existia um verdadeiro contato físico, de modo que os headbangers esbarravam na banda durante todo o show. Se essa atitude nos fazia errar algum acorde, não havia o menor problema[,] pois a qualidade do som também não era das melhores e, sendo assim, não era perceptível se as músicas estavam ou não sendo comprometidas.”

 

“[João Pessoa] A primeira banda já tinha começado a tocar, mas preferi sair do Pogo [Bar] em função do grande calor no interior do espaço. A maior parte das pessoas ainda não tinha entrado.”

 

"[Natal] O show teve início por volta das 23 horas. A maior parte das pessoas

permaneceu do lado de fora durante toda a apresentação da primeira banda. Dentro do Cultura Clube, neste momento, tinha cerca de vinte pessoas. Quando a segunda banda começou não houve praticamente nenhuma mudança, isto é, os headbangers permaneceram na parte externa. Éramos a terceira banda a se apresentar na noite e nosso show também foi visto por poucas pessoas. Havia uma contradição instalada, pois o número de pessoas do lado de fora era muito maior que na parte interna. (...) Nesse momento havia um carro particular que, com a mala aberta, tocava músicas de Heavy Metal para os que estavam nas calçadas. Algumas pessoas chegavam a praticar os atos de bater cabeça e tocar air-guitar ao lado do carro. Havia um show à parte do lado de fora."

 

"As pessoas que andavam pelas calçadas próximas vestiam bermudas, chinelos e camisetas claras e sem mangas, o que estabelecia de imediato uma diferenciação visual entre elas e os headbangers de jaquetas de couro e calças pretas. Em Maceió, um ônibus passou na porta do show e um rapaz gritou da janela: < é tudo doido, é tudo doido! >."

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA:

 

CAMPOY, Leonardo Carbonieri. Trevas Sobre a Luz. O Underground do Heavy Metal Extremo no Brasil. São Paulo: Alameda Editorial, 2010.

LOPES, Carlos. Guerrilha! A história da Dorsal Atlântica. Rio de Janeiro, Beat Press Editora, 1999.

LOPES, Pedro Alvim. Heavy Metal no Rio de Janeiro e a dessacralização de símbolos religiosos: a música do demônio na cidade de São Sebastião das Terras de Vera Cruz. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2006.



Escrito por a mosca filosófica às 22:22
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


:08 SERIAL EXPERIMENTS RAFA

present hahaha

RELIGION RAFAGODIC

 

Quando finalmente nos tornamos deus, parecemos o centro das atenções no mundo "real", o que se chama comumente "paranóia". Significa apenas a aquisição da Força. Como no sonho, todos parecem perceber a sua presença como ponto focal de todas as percepções. Mas eles são máscaras, massinha, eles são você. O que não é você são as idéias se digladiando lá fora. Quem é o seu melhor amigo? Ele realmente existiu alguma vez? Estou pelado menos para mim. Who is this destruction? Quem são os pais de deus? O lixo cósmico insano pervertido chamado Vontade. Quem tudo observa não observa a Si mesmo. Quando se é deus se é zero. Quando se é carne se é circuito circular. Se é não é. O inconsciente de Deus. Homicídio ou suicídio tanto faz. Perfume universão 1.0 My Nail is more important than the world Shinj'e suis? J'ai eu moi


Imaginem um deus adolescente

coitadas das criaturas

 



Escrito por a mosca filosófica às 00:05
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


INTELECTUAL DE ESQUERDA

Depois de muito tempo sem dialogar com meus leitores diretamente e sem emitir qualquer posicionamento pessoal sobre o presente imediato, tenho que registrar um desabafo. Serve como um esclarecimento para os outros e até como um marco para mim mesmo. Muito criticado pelo caráter abstrato de meus escritos e poemas, e invariavelmente acusado de “escrever para não ser entendido” por amigos ou colegas próximos, que me instam a mudar o meu jeito ou técnica, mas ao mesmo tempo premido por mim mesmo e mais ninguém a expressar meu ponto de vista soberano, inicio esta comunicação tempestiva!

 

No decorrer da minha vida como autor, que posso dizer que começou em 2008, quando atingi o nível de excelência de estilo pelos meus próprios critérios, nunca me afirmei literalmente isso ou aquilo. Considerava essa uma postura limitada, repulsiva, redundante, degradante. Que eu viesse a público me estereotipar, quando sou o maior destruidor de dogmas que conheço, que absurdo! Submetido a pechas como niilista, blasé ou louco, jamais esmoreci, e jamais concordei, em uma linha sequer, que deveria me definir por categorias simples como as veiculadas pela mídia ou as tão citadas em papos de botequim, sempre desconstruindo argumentos e chavões ao meu redor, desconfiando de qualquer “novidade”. Chegou, no entanto, a hora de ser mais incisivo, rude e “maniqueísta” diante do que se desenrola na minha vida pessoal e no Brasil, ou seja, no interior e no exterior, no dentro e no fora, na alma e nas ruas:

 

Talvez alguns dos rótulos que eu já aceitasse, desde aquela época, fossem “escritor” e “poeta”, porque nunca me ofenderam em nenhum grau. Intelectual já me soava um termo pejorativo. Passei toda a minha graduação em uma universidade federal com nojo de ser identificado como “mais um” dentre essas figuras que amam os holofotes, microfones e o estardalhaço. Alguém à frente do seu tempo, forçosamente indiferente aos problemas contemporâneos, já que o presente é problemático e decadente e não adianta se debater em torno disso - como sabe aquele que conhece minhas referências filosóficas –, para fugir dessa realidade insossa me ocultava atrás de personagens criados para fazer as vezes de profetas acerca do Ocidente e nostálgicos em relação a um passado heróico do homem antigo: o Ocidental Obscuro, o Judeu Maometano, a Mosca Filosófica, o Messias (que seria o protagonista duma ficção que, agora, julgo impraticável redigir), o Mestre Trágico do Existir... Todos esboços de um Super-homem nietzschiano ou de um neo-brâmane, o representante, nascido cedo demais, de uma nova casta destinada a redimir e readestrar a humanidade (mera quimera?). Pode até ser que nada disso seja falho, em si. Mas me sufoca como nunca sufocou antes não falar da politiquinha do dia-a-dia, do que vai efetivamente acontecer na minha vida, que não durará mais do que dez, vinte, trinta, quarenta, quiçá cinquenta anos a partir desta data. Por isso, nunca me assumi de esquerda, de direita, sequer apolítico, ateu, pagão, anarquista, reacionário, aristocrata, neutro, etc., etc. Não aceitei sequer o carimbo de metaleiro ou otaku, com asco dessas pechas de minorias, embora escute metal e veja animes o dia todo, ou pelo menos toda semana reserve tempo para isso!

 

Sou todo o itálico dos parágrafos acima. O termo “intelectual de esquerda” é um pleonasmo, um pleonasmo necessário. Registro aqui que finalmente entendo e manifesto conscientemente esta missão, este destino, que cabe ao intelectual honesto. Ao intelectual honesto de Terceiro Mundo. E diante da falta de conceitos ou sinais verbais que possam me definir melhor, finalmente me aceito um – difamado, desgastado, malcompreendido, mas ainda assim um – intelectual. E intelectuais de direita não existem. No máximo conseguem ser um imitador de Jó, o babaca lendário que não se revoltou quando tinha todas as razões para se revoltar.



Seja pela sensibilidade anormal que ultimamente vem me causando mau humor ao não pôr logo os pingos nos is; ou porque percebi que meu espaço, como um “igual”, nem superior nem inferior aos meus concidadãos (olha que concessões eu faço a gente tão pequenina!), vem sendo tomado pelos desarvorados, é hora de bradar SOU ISSO E AQUILO como nunca fiz antes. Por dois motivos: para retomar meu espaço e para me sentir melhor comigo mesmo, que é afinal o segredo por trás de todas as outras felicidades. Enquanto eu permanecia calado e pensando que expor qualquer idéia sobre a política de hoje seria debalde, o fascismo (ódio na forma do social) e o cristianismo ideológico de meus irmãos cresceram. E não há nada mais grave. Com efeito, quem não respeita minorias deve ter seus direitos políticos cassados. E não se precisa ir muito longe. Nossos parentes e colegas de repartição já atingiram esse nível de suicídio e/ou decomposição mental. Os evangélicos brasileirinhos são avatares fascistas de nossa época, a reencarnação do mal, não devemos hesitar em afirmar, porque não seguem a Lei e não suportam os preceitos básicos de uma democracia funcional (vis-à-vis a nominal). Deve ser-lhes declarada guerra, e a todos os seus semelhantes. Sou um intelectual de esquerda que não terá receio do estereótipo a partir de agora: minha missão é sempre denunciar e me opor. Sangue do meu sangue se for preciso. E para deixar bem explícito: revolução, enquanto evolução histórica da burguesia, não; comunismo, não; Estado de direito com democracia representativa, sim. Como disse, essa é apenas uma forma didática de expor o que quero para hoje, e quanto ao que será do mundo no século XXII, isso não me importa nestas considerações. Em suma: faço apologia do poder absoluto da votação popular nas eleições quadrienais e da constituição em vigor; repudio detratores do PT; gosto pra caralho da Dilma e do Lula; sou a favor do MST e dos sindicatos trabalhistas; acho que quem tem a mesma visão que a minha deve mesmo é aterrorizar nas ruas vestido de preto ou de vermelho e mandar os verde-e-amarelo se foderem (embora eu prefira ficar em casa apenas rindo e incentivando); que as universidades têm como responsabilidade representar a esquerda, e devem ser espalhafatosas nisso; e que imbecis que fazem alusão aos militares no poder devem ser satanizados e castigados, de formas as menos democráticas possíveis, se possível, se é que me entendem. Não devemos estender o tapete dos direitos humanos a “pessoas” que consideram a Bíblia um “presente divino” a ser compreendido “holisticamente” em pleno 2016, quando esse “livro” não passa de uma colcha de retalhos, de um material infecto elaborado por milhares de mãos venenosas, ou seja, puro nonsense, que ajuda a explicar por que somos, ao nosso modo, a nossa maneira moderninha, decadentes, cristãos e nonsense. Dei o meu recado, agora vocês me conhecem um pouquinho melhor... E sou um cabeludo porra-louca em plena forma, sim senhor!



Escrito por a mosca filosófica às 11:18
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


GUTENBERG

impressão

            ionismo

         [s]

      losão

      r[o]dutivo

      a[c]to

      í[o]



Escrito por a mosca filosófica às 21:58
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


O PÁLIDO FERIDO

violeta crise de nervos

severa crise de servos

cerebral crise de grelos

grilos na cabeça

o vampiro se transformou em morcego

se enterrou no caixão debaixo da terra

e comeu as minhocas

a cabeça não está mais cheia

os dentes, amolecidos

rósea névoa, crise de vento

friorenta neve violenta



Escrito por a mosca filosófica às 14:29
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


POEMA DROGADO

o LSD desmente Kant.

o LSDesmente Kant

oLSdesmentkant

       odesmantqent

                        desmantelamento desmonte do carro no qual trafegava a humanitas menscheinro de bosta

 

você é como uma (((nuvem))) transparente à porta.

 

 

0.



Escrito por a mosca filosófica às 19:21
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Complemento (REVI-) a O HOMEM QUE CONTRARIOU A DIALÉTICA VERSUS S&(-S ÃO) TADO

30 dias depois comendo no deserto

iludido que está faminto...

 

os di(a)let(ic)os caídos de Deus

 

Deleuze quer acreditar

Ele sabe que não se deseja

Só quer desejar

Quer o querer

Quer o patético

de novo pela primeira vez

mas é tão patético

moderno

moderado onde não deve

falso exacerbado,

que não consegue

 

O princípio que não é principiado. Vontade de desejo em menores escala e grau. Nem sequer se pode macrodesejar (colega Baudrillard). Moléculas de desejo de devir. O que deve vir não é o que há de vir – não há co-relação. Deleuze muito quer, com pouca força e visibilidade. A barreira a fronteira esquizo o atrapalha. Fissura de conjunto. Freud ainda se erige inapelável. É o Édipo, com um querer muito forte e a propagação de histórias...

 

Desejo simulado. Pelo menos, não ficcionalizado. Como tudo poderia desembocar teleologicamente naquilo que nem Marx quis desejar ou demonstrar? Deleuze revolucionário. Ele aponta o caminho ideado. Boldrillard é mais amargo, pesado, realisticamente metafísico. Já tomei e comi meu partido. Fuzzilado barulhento embaixo.


Um conceito forte e descontrolado. Conceito de conceitos sem direção. É o apropriado. O século XX é arte, mas não é pragmático. Quem viveu para ver o século XXI, como os mais antigos, aprendeu o que é a Verdadeira Fé, não apenas seu mal-delineado desejo.



Escrito por a mosca filosófica às 21:20
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


A HORA DO CABELO CRESCER (O HOMEM VEIO DO HEAVY METAL)

Eu incorporei a língua

Eu liquidei o sentido

Eu liquidifiquei o sorvete açucarado de emoções

Eu dispensei a glicose

Eu belisquei a coerência

Resvalei no absurdo

Eu comi um linguado encorpado

Eu intitulei minha obra

com um título

falso

Eu signifiquei e descodifikey

O.K.?

Morrei!

Ponha os molhos de barba

Fora do corpo

e depois que secarem diga

ao seu amigo assim:

havia tirado para higienizar

agora estão de volta

transmutados

os mesmos

de antes.

Apliquei na bolsa

virei uma mulher

de crânio liso

Lucy in the jungle

with radiation

and crazy theories

This is an inappropriate angle

to see the bundle



Escrito por a mosca filosófica às 16:22
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


PONTO DE SATURAÇÃO Nº 2 – MAS A AVENTURA RECOMEÇA

Estou quase retrocedendo aos 10 pontos do CASO com “c” de Ceariba.

S.O.S. => sujeira ominosa mas sadia?

Defecando os últimos resíduos regurgitantes de academia do meu corpo. Como principalmente não fazer amigos e não influenciar ninguém.

re(tro)cesso da CAPES e das preocupações

    tro----ço mais complicado, sô!

intolerantes que seja tarde

amigos com “a” de ansiedade

                           angústia

                           atraso

                           asco

                           asfixia

                           apenas

                           artimanha

                           aula de dor

                           alta do hospital

                           articulação

                           artéria

                           alcatraz

                           arbusto

                           assusto

                           amusing atrocity

                           apego que eu apago

                           auto lá

                           azia

                           até nunca mais...

Aí sim! Ainda bem! Abrem-se novas possibilidades...

Arfo atrás de algo mais alto e além

atarefados augúrios

alho acebolado contigo

atalho a ser bolado sem ti

agasalho a ser vestido por um só

abrigo

astigmatismo

aliança

Brenda

C D E Finalmente saí do “A”. Estou pronto para

  o

    n

      t

        i

         n

           u

             a

               r

 

binário cartucho disco DVD e então?

em Banjo-Kazooie hoje à noite juntei 10 favos. Eles me dão energia extra. Sou seu urso. Uma dupla parceria. Como seu livro e sua orelha, dedicatória. Passei de fase. Até matei o tubarão que sempre nos assalta na praia. Onde estão os 5 Jinjos? Criaturas tão raras quanto araras azuis, com asas angelicais...

do porto pacífico



Escrito por a mosca filosófica às 17:52
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


FLAMAS

entidades cíclicoclínicas

cínicocílicas

sicilianosilícios

cirílico-sinos

cocascocadas

lírico-nosso

coce-nisso

licor Ciro

Cirilocéu

rico

sin



Escrito por a mosca filosófica às 13:52
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Soldado Maisso

Satã vendeu minhalma

pra mim mesmo de novo

ele não aguentou

eu pior que ele

alma soldada com aço inox

saldo zero vendido! quem dá menos

sou um dado

que deu 6

vezes

6

3D

 

dado mais

Sodoma

rrento sô!

 

tá vendo só, Satã, no sótão solitário?

eu só!

solvente

gente

debaixo do subterrâneo do sol brilhosó assim mesmo para

não ter a alma redimidassalvacinada

 

isso não sou eu

soul my sold

satafate em 1000 pedaços

ful

me

queima

come

e cy

fei



Escrito por a mosca filosófica às 13:06
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


SONHOS REVELADORES DÃO CÃIBRAS

Sigma, letra grega. Ian, Raquel Kojoroski, irmãos Molina, outros rostos conhecidos antigos figurantes: eu reencontro muita gente de meu passado. Mas convivo também com meus colegas contemporâneos, Pablo, João e a professora Marianna, para dizer alguns.

 

O lugar onde eu estudotrabalho tem 2 acessos, 2 andares, um é temido, porque com meus sapatos e o piso se torna escorregadio; as secretárias e faxineiras não têm boas caras. E sempre dou de cara com alguém que adora reclamar. Por isso eu prefiro sempre o patamar superior, onde o chão gruda ao invés de deslizar e as pessoas parecem não estar obcecadas por controlar o seu horário de entrada (o primeiro andar, digo, o andar descrito em primeiro lugar, parecia uma redação de jornal).

 

Ao mesmo tempo, tudo se resumia a uma secretaria de curso ou escola. Começo a divagar e perambular por amplos, claros e agitados corredores, sabendo que o primeiro horário já começou. Seria matemática? Uma mistura tal de ensino médio com vida de funcionário, só posso imaginar na minha união conjugal (eu sou mais velho que a Brenda, que será médica). Algo na minha cabeça me alerta de que eu passei muito tempo fora e agora a impressão que os outros têm sobre mim será radicalmente modificada. Eu me aperfeiçoei e vou causar boa impressão, grita uma certeza íntima misturada com expectativa dentro de mim. Alguns professores podem até agir de má vontade tendo em vista tudo que já fiz, mas terão de cedo ou tarde dar o braço a torcer. Vou convencê-los a mudar de opinião. Eu cruzo muitos corredores, interseções, bifurcações, subo e desço escadas, encontro companheiros, mas nada da sala... Mudaram o local?! Vão nos deixar entrar, afinal? Vejo que outras pessoas que estavam na minha frente nos estágios da vida agora estão no segundo ano, e eu estou no terceiro. Época mais idílica?

 

De repente eu vinha da educação física, precisava me trocar. Fui a um vestiário que parecia mais o meu banheiro. Matei um rato (era pequeno) com a ajuda de um martelo pesado e exagerado. Os azulejos quebravam. Às vezes o prejuízo da higiene é maior do que se deixar tudo sujo? Eu lavei meus tênis antes de calçá-los porque tive medo de contrair uma infecção.

 

Então eu me ajeitei para entrar numa fila onde as pessoas ficavam sentadas. Já estavam todos uniformizados de verde e branco, menos eu que vestia uma camisa do Harry Potter, que trouxe de casa por engano. É uma fila de piquenique! Os professores farão um sarau ou alguma apresentação inaugural... Meu cabelo está grande de novo, já caiu com a gravidade como o de um headbanger, e irrita a vista, mas não vou prender com liga, a Brenda disse que estraga e quebra os fios. Tenho certeza que deixei crescer porque ela aumentou minha auto-confiança, e no homem, em certos homens, essa coisa de cabelo tem um não sei quê de tamanho de pau. Meus cachos estão hidratados, nem parece que não passei o condicionador!

 


Acordei pensando que acessei uma verdade proibida, aterrissei no estado de inspiração messiânica, Maomé quer-bem-me-quer?! Epi-fenômeno-fania. Que mania! Com isso você vê se pára... brisa. Chove chuva sem irradiar. Toca o alarme e vou trabalhar. Mas, au! Tive cãibras na perna esquerda ao tentar sair da cama... Ontem fiquei com preguiça de comer uma banana.



Escrito por a mosca filosófica às 07:01
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


S&S REVISITED VERSUS O HOMEM QUE CONTRARIOU A DIALÉTICA

Simulacra & Stimulation

                  estimulaxante

I can't retreat all this meat from my teeth.

Reluctant as though you(r) may be...

trance&dance

transe&dane-se

The east, at least.

 

viragem voraz

virose rosa as a rose

whip! zás-trás

la vie en... zero

varo a noite vingada

da traição armada

inútil escapar da fenda

 

There in the sun a dead start,

cogumelo rosa venenoso de Hiroshimario

postumo póst-humor, pós-tumor

 

* * *

 

aos-cílios de cuscuzteio para a mulher mulamanca máquiada

com quiabo

e laquê

 

o'melet'e me be an egg!

 

Eu sou Bill Microsoft, ou Windows Gate? Todos os portões se abrem, mas um vírus entra em Tróia. Juíndous do Mundo MicroSolar. Ploft! Versão Final 0.0

 

O dia que o mais miserável banguela chinês será mais rico que todas as ações da Nike. Corre atrás do tênis!

 

sou dinâmica e velocidade tão puras que inerciam... Na vida do artista tudo é glacial e nunca muda.

 

O futuro do mundo é um grande Já(la)pão. Do mundo, i.e., deste mundo. Velho e negativo. Fraturado e sorridente; e, pensando bem, não há engraxates, e os sapatos permanecem limpos! Ah, deixa eu me esticar na minha quase-cama...

 

uh, a garota tem cílios

man também tem cílios

se eu não tivesse olhos eu não veria os cílios

os filhos das filhas

só o cego extirpa sua própria linhagemfamília

sou cego no sossego?

ou morcego das noites atribuladas sigo na agitação dos mares broncos?

rumo a novos continentes negrotons

 

trabalho demente do operário trabalho elementar do operário trabalho demente do elemento trabalho de mão de mente do erário demento ele mente

 

O capitalismo irá acabar quando eu todos os meus livros resolver queimar retardado a fazer elucubrações braçais embaraçosas

poços viçosos de muita angústia

preto poço do conhecimento

 

A fala é uma falta, a escrita é uma estria. A cirurgia foi um sucesso, a marca é atroz e produz orgulho, será mostrada e demonstrada para todo o sempre no corpo anti-perene do ser-sendo comendo e sendo comido devorado pelas próprias estrias magnetiquespirituais subliminares de primeira plana. Chama que arde poética sem cicatrizar nem ferir morais preexistentes e quentes.

 

Doidivanitas subsolus

 

O papel do dólar não deixa nunquinha de ser uma expressão assaz irônica!

 

O nada do papel & o papel do nada

 

 

a flutuação e afogamento das moedas veladas pelos fardas-pretas



Escrito por a mosca filosófica às 19:50
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


CONCEPÇÕES DE PESSOA E A EMERGÊNCIA DO INDIVÍDUO MODERNO

Ana Maria Jacó-Vilela

 

“O interesse pela ação política é substituído pela paidéia – a educação, a formação. Neste período, firmam-se as filosofias helênicas, principalmente o estoicismo e o epicurismo, cuja influência se expande à medida que, como outras produções culturais gregas, são assimiladas pelo novo Império Romano.” Ganho de potência na suposta decadência

 

“O sábio é um ideal inatingível” tingível: não pode pintar o sábio.


“ouvir em silêncio, para depois pensar, é uma arte a ser aprendida por toda a vida”



Escrito por a mosca filosófica às 18:54
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


APRENDENDO LIBRAS COMO 2ª LÍNGUA – NÍVEL BÁSICO

CEFET/SC, NEPES

 

"c) Movimento, que é um < parâmetro complexo que pode envolver uma vasta rede de formas e direções (...) O movimento que as mãos descrevem no espaço ou sobre o corpo pode ser em linhas retas, curvas, sinuosas ou circulares em várias direções e posições > (BRITO, 1995)"

 

"é importantíssimo que você compreenda que esta língua não é a língua de um país mas, (sic) é a língua de um povo que se auto-denomina de Povo Surdo." "Nem todos os surdos se identificam como surdos, há aqueles que ouvem pouco e/ou usam a oralidade identificando-se como deficientes auditivos, (...) logo não se tem uma definição exata do termo."

 

"- Você é ouvinte?"

 

"a escrita da língua de sinais está ainda em fase de pesquisas e aceitação"

 

"Na Libras (sic) não [há](sic!) desinencias (sic) para gênero(maculino e feminino)(sic)."

 

P. 20: alfabeto e números manuais

Não é tão fácil quanto aparenta. O 5 parece a caracterização de um coelho. O 1 e o 2 são, digamos, “alemães” (o 1 é um “joinha”), mas o 3 e o 4 não. O 6, o 7 e o 9 são os que mais se aproximam da forma do algarismo em si.

O polegar recuado ou à frente diferencia, respectivamente, o A e o 8. Mas já não consigo distinguir 8 e S.

O B é como um PARE!

O D é como apontar para o céu. Mas assim também é o G.

O H, o J, o K, o Y e o Z se tratam de movimentos mais complexos/decompostos no tempo.

O "O" é como um C mais fechado e o nosso brasileiríssimo “vai tomar no c...”.

P é como a Tesoura do Pedra, Papel & Tesoura.

O W é um “3” na vertical (o 3 precisa ser enunciado na horizontal, pelo menos na maioria dos contextos).

O Y é um hang loose.

 

O(a) autor(a) da cartilha gosta muito de futebol...

 

“Juan Pablo Bonet (1579-1620) publicou o primeiro livro sobre surdos com o título  < Reduccion de las letras y arte para ensenãr a hablar a los mudos >, onde apresenta a ilustração de alfabeto manual. Disponível em http://www.cervantesvirtual.com/portal/signos/index.html


Um capítulo da história do Sign Writing. Disponível em: http://www.signwriting.org/library/history/hist010.html.” Artigo malescrito por uma doutoranda CAPES e com quase-nenhuma informação.


“Atualmente, o Sign Writing se encontra em uso em vários países, como Dinamarca, Irlanda, Itália, México, Nicarágua, Holanda, Espanha, Inglaterra, Estados Unidos e em fase de pesquisa no Brasil. (CAPOVILLA, 2002).”

 

“No Brasil o primeiro espaço destinado à educação de surdos foi cedido pelo Imperador Dom Pedro II o qual convidou o professor surdo francês Hernest Huet (conhecido também como Ernest) para ensinar a alguns surdos nobres. Depois de aproximadamente um ano, em 26 de setembro de 1957 [?!?! – ou deveriam ser 100 anos ou era 1857!], foi fundado o Instituto dos Surdos-Mudos do Rio de Janeiro, atualmente denominado Instituto Nacional de Educação de Surdos – INES.” “Para o público feminino somente em 1931 foi criado o externato com oficinas de costura e bordado.”

 

“O decreto n° 5.626 de 22 de dezembro de 2005 em seu Capítulo V determina que < Art. 17. A formação do tradutor e intérprete de Libras – Língua Portuguesa deve efetivar-se por meio de curso superior de Tradução e Interpretação, com habilitação em Libras – Língua Portuguesa. >”


“Através da língua de sinais pode-se discutir política, economia, psicologia, física, matemática, filosofia, física quântica e outros temas.” Eu gostaria de ver estes dois últimos em particular...Não parece ser verdade, já que maioria dos diálogos demonstrativos apresenta apenas verbos no infinitivo, afora outras tantas limitações, que tornam até uma conversa com o caixa para abrir uma conta algo jocoso.



Escrito por a mosca filosófica às 15:22
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


OUR BLOOD THEIR SEMEN

Andrea Dworkin

 

—Um clássico de ficção científica.—PROJETO VINDOURO: publicação em formato livro com heterônimo; vindo o ouro a gente publica!

 

“< You write like a man, > an editor wrote me on reading a draft of a few early chapters of Woman Hating [estréia da autora como... autora]. < When you learn to write like a woman, we will consider publishing you. > This admonition reminded me of a guidance counselor in high school who asked me as graduation approached what I planned to be when I grew up. A writer, I said. He lowered his eyes, then looked at me soberly. He knew I wanted to go to a superb college; he knew I was ambitious. < What you have to do, > he said, > is go to a state college—there is no reason for you to go somewhere else—and become a teacher so that you’ll have something to fall back on when your husband dies.”

 

“In the years following the publication of Woman Hating, it began to be regarded as a feminist classic.”

 

O que dizer de um escritor ainda frustrado em termos de vendagem dotado de um pênis – deveria eu culpar minha própria impotência apenas? Talvez digam, me censurando, que eu escrevo como uma mulher!

 

“I had written it as a birthday present to myself.”

 

“I had a fine and growing reputation as a speaker and writer; but still, there was no money for me. (...) I got angry responses from women: how could the author of Woman Hating be such a scummy capitalist pig” “The editor who decided to publish Our Blood did not particularly like my politics, but she did like my prose.”

 

Ódio à Mulher foi escrito por uma escritora mais jovem, uma escritora mais insensível e mais esperançosa, ambas as coisas. Esse livro é mais disciplinado, mais sombrio, mais rigoroso, e num certo sentido mais ardoroso.”

 

Surpreendentemente, Dworkin é seu sobrenome masculino. A mãe dela possui a mesma profissão que a minha (a burocrática). E, surpreendentemente, seus avós também eram primos; mas os maternos, não os paternos.

 

“You think I’m stupid. [Mom] I denied it then, but I know today that she was right. And indeed, what else could one think of a person whose only concern was that I clean up my room, or wear certain clothes, or comb my hair another way.”

 

Os previsíveis obsessão genealógica e neologismos.

 

“tudo é política”

 

Feminismo é doença. Prefiro feminilidade! Como dizem que não há nada mais conservador que um revolucionário no poder, é bem verdade que não há nada mais patriarcal do que uma fêmea redimida de sua “condição subjugada”.

 

Perguntemos a Helena como deveríamos tocar nossas guerras.

 

“Men have written the scenario for any sexual fantasy you have ever had or any sexual act you have ever engaged in.”

 

“I think that men will have to give up their precious erections and begin to make love as women do together.” Que pena que impotência sexual seja um dos maiores motivos para o abandono feminino da relação... They don’t love or even tolerate our limp penises! They want hard, imposing, gruesome cocks.

 

É claro que defeitos tinham de ser encontrados num dos maiores escritores russos; e que seu “casamento problemático” seria parcial e sadisticamente dissecado... Mas quem inventou o Sadismo foi um homem! Se uma mulher tivesse compreendido Tolstoi, ele não teria sido Tolstoi. Aliás, poucos homens compreendem Tolstoi.

 

girinocídio

 

Why does she write America with a “k”? I dunno the key.

 

“Kramer and Sprenger, two Dominican monks named by Pope Innocent VIII, wrote a text called the Malleus Maleficarum.” “First, Jesus Christ was born, suffered, and died to save men, not women; therefore, women were more vulnerable to Satan’s enticements.” “This excess of carnality originated in Eve’s very creation: she was formed from a bent rib.”

 

“All wickedness is but little to the wickedness of a woman”

 

Se toda a literatura pregressa foi masculina (e não há motivos para creditar àquela gerada por Dworkin menos masculinidade, como se ela fosse a Jesus Cristo das vaginas), a autora é assaz ingrata com “quem a colocou” no posto de poder de que ela usufrui hoje. Porque, querendo ou não, sendo bem-sucedida ou não, ela já é ouvida. Ela já é propagada na Internet. E o “patriarcado pornógrafo” lhe deu esse poder, fato do qual não se pode fazer abstração.

 

“Under patriarchy, every woman’s son is her potential betrayer and also the inevitable rapist or exploiter of another woman.”

 

“that we will have to divest ourselves of all traces of the masochism we have been told is synonymous with being female.”

 

“Our ignorance was so complete that we did not know that we had been consigned from birth to that living legal and social death called marriage. We imagined, in our ignorance, that we might be novelists and philosophers. A rare few among us even aspired to be mathematicians and biologists. We did not know that our professors had a system of beliefs and convictions that designated us as an inferior gender class, and that that system of beliefs and convictions was virtually universal—the cherished assumption of most of the writers, philosophers, and historians we were so ardently studying.”

 

“herstorian”


As concepções antropológicas de A. Dworkin não são errôneas (ao contrário das histiográficas): realmente nas sociedades ditas selvagens, ágrafas ou mitológicas a mulher é, ainda, “objeto”. Não obstante, citar aspas de autores de milênios passados para justificar o combate ao machismo no século XX não faz o menor sentido. Le Morte d’Arthur [Sir Thomas Malory] is the classic work on courtly love. It is a powerful romanticization of rape.” “A man cannot be convicted of raping his own wife.” Não sou um especialista em legislação, mas é questão de nos perguntarmos o quanto a questão evoluiu desde os anos 70.



Escrito por a mosca filosófica às 16:24
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


OUR BLOOD THEIR SEMEN (cont.)

“In addition, rape is our primary emblem of romantic love. Our modem writers, from D. H. Lawrence to Henry Miller to Norman Mailer to Ayn Rand, consistently present rape as the means of introducing a woman to her own carnality.” Não tenho palavras para descrever a estultícia disfarçada de astúcia de uma mulher que nivela Ayn Rand e Henry Miller, delimitando-os e incorporando-os ao mesmo clube. No mundo da liberdade feminista (a utopia de Dworkin), a arte será censurada tanto quanto (ou mais terrivelmente que) na Rússia czarista ou stalinista, pois qualquer referência ficcional a um estupro seria tratada como a realização ou apologia do ato, é o que depreendo da leitura. Como vimos, no fim, ela só deseja, mesmo, a boa e velha igualdade de gêneros, embora argumente o contrário, isto é, fundar uma nova organização social a-hierárquica: pois que na prática seu plano de fundação do novo resulta em que a mulher seja a tirana da espécie humana nos séculos que hão de vir; e de uma forma que jamais conhecemos na História, pois haveria um controle universal e perfeito do fazer-artístico, digno de um Grande Irmão ou dos mais pessimistas romances políticos já roteirizados.

 

A noção de que a mulher casada é a “puta de 1 só” deve ser a mais antiga do mundo; a esse respeito, recomendo a leitura de um artigo meu que comentava Simmel, em 07 de outubro de 2008, neste mesmo XTudoTudo6: http://xtudotudo6.zip.net/arch2008-10-01_2008-10-31.html. (e lá se vão 66 meses!)

 

“Simple murder would not have involved the horror, the insulting violation of personhood, the degradation, the devastating affront to the dignity, and the sensation of bodily filth that time has not washed off. Nor would it have led to years of startled awakenings from sound sleep, the cold sweats at noises in the dark, the palpitations of the heart at the sound of a deep male voice, the horribly repeated image of two large muscular hands approaching her throat, the rumbling voice that promised to kill her if she struggled or tried to scream, the unbearable vision of being found on the floor of her own home, lying half naked and dead with her legs ridiculously spread.” Então o estupro se torna mais grave que o homicídio, e não é um jurista decidindo, é Dworkin! Certamente ela não iria gostar de ser brasileira e ouvir do Maluf “Estupra mas não mata”. Mas será que todas as vítimas sobreviventes gostariam de ter morrido? Bom, aí a questão da escolha subjetiva dos depoimentos vem à tona, mas deixemos como está, afinal o livro é dela; assim como estes comentários depreciativos são meus. A propósito, receito a leitura deste curto texto jornalístico sobre o tratamento dado pela mídia a “acusados de” assassinato e “acusados de” estupro, sem falar na explicação da célebre e polêmica frase do Paulo Maluf: http://ppavesi.blogspot.com.br/2015/05/estupra-mas-nao-mata.html.

 

“She had cancer, and she planned her death with great dignity, but I believe that it was the rape, not the cancer, that distressed her unto death.” A autora tem poderes divinatórios e paranormais.

 

“All women live in constant jeopardy, in a virtual state of siege. That is, simply, the truth.” Eu não gostaria de ver Andrea Dworkin mediando um debate. Seria a pior juíza e moderadora jamais encontrada para estabelecer a ponte racional e desarmada entre dois pontos de vista antagônicos. Creio mesmo que ela conseguiria atear fogo num auditório sem álcool, pólvora, isqueiro, fósforos, faísca ou material inflamável de qualquer ordem ou natureza... Ela conseguiria incendiar um pedaço de madeira podre e encharcado... Uma xamã toda-poderosa, divindade da flama do ódio e do rancor!

 

“In Amir’s study of 646 rape cases in Philadelphia in 1958 and 1960, a full 43% of all rapes were multiple rapes (16% pair rapes, 27% group rapes). (...) A women’s group on campus demanded that the fraternity be thrown off campus to demonstrate that the university did not condone gang rape. No action was taken against the fraternity by university officials or by the police. (...) All of the male university authorities who investigated the alleged gang rape determined that the victim was a slut.”

 

“The fact is, as these two stories demonstrate conclusively, that any woman can be raped by any group of men.” Eu apenas negritei as palavras que demolem completamente qualquer vestígio de honestidade da autora. Aqueles que me lêem que já tiverem cursado Métodos Científicos na universidade me compreenderão perfeitamente. Temos aqui a Rainha do Achismo e da Opinião tentando dobrar o mundo aos seus rascunhos de argumentos como o Homem de Aço dobraria uma barra de ferro num corpo-a-corpo contra um assaltante a banco.

 

“Even in a racist society, male bonding takes precedence over racial bonding.” “When a black man rapes a black woman, no act of aggression against a white male has been committed, and so the man’s right to rape will be defended. It is very important to remember that most rape is intraracial”

 

 

Até agora nenhuma linha sobre os inocentes que federam anos na prisão por terem sido julgados estupradores pela Lei Misógina Universal. Bem-vindo ao mundo em que você dormirá de consciência limpa e tranqüila, cidadão justo e honesto, mas despertará algemado sem poder se defender dentro de um devido processo legal (DPL, uma das bases da democracia moderna): “New rape laws are needed. These new laws must: (...) (2) eliminate the need for a rape victim to be physically injured to prove rape; (3) eliminate the need to prove lack of consent; (4) redefine consent to denote < meaningful and knowledgeable assent, not mere acquiescence >; (5) lower the unrealistic age of consent [Aqui eu confesso que não entendo: será que a autora quer aumentar a taxa de estupros reduzindo a idade em que a mulher pode ser impunemente vitimada (se é que pode, mas é o que acontece na prática, com a frouxa aplicação da Lei, então de qualquer forma não importa o que a Lei estipular, se ela será descumprida...)? Mas em seguida eu entendo o raciocínio de Dworkin: ela pretende baixar a maioridade penal para que < homens > de 12 ou 14 anos possam ser incriminados por seus atos libidinosos, como < retirar a virgindade da colega de classe >; pois no momento em que ela reclamar que foi assediada e não houve consenso, sem provas, ser-lhe-á dada razão; não se carece de exame de corpo de delito, de testemunhas ou de qualquer outra comprovação a fim de fazê-lo; pressupomos a boa-fé universal do sexo ex-frágil.]; (6) eliminate as admissible evidence the victim’s prior sexual activity or previous consensual sex with the defendant” [Os concurseiros brasileiros lembrar-se-ão de algumas súmulas do STF que os professores de Direito gostam de explanar em sala de aula. Uma delas ficou famosa por inocentar um... inocente... (que crime hediondo!), que havia sido acusado de estuprar uma menor de 12 anos... Até que ficou claro, pelo depoimento de toda uma cidade (não só de homens), que ela era uma das "saidinhas" e "meretrizes" mais ativas da região, assemelhava ter muito mais idade, ocultou-o do paquerante/paquerado/paquerador (estou tendo o cuidado de sequer chama-lo de vítima), foi explicitamente lasciva e queria mais do que ninguém consumar o ato sexual. Não fosse, portanto, o juiz levar em conta os testemunhos da vila e os profusos antecedentes da moça, cuja vivência não era o de uma menina de 12 anos típica, mas o de uma mulher com muitos anos de história para contar, um pobre coitado estaria atrás das grades ajudando a sobrecarregar nosso falido sistema prisional, dividindo a cela, por exemplo, com cafetões deliberados e – pasmem – estupradores genuínos!! O que mais me deixa pasmo é que Dworkin realmente acha que com sua varinha de condão pode e deveria detonar – reformular seria eufemismo inverídico e tão ingênuo como o réu acima citado – todos os princípios basilares do milenar Direito Romano segundo os quais há presunção de inocência para qualquer acusado, em qualquer contexto, se os fatos (palavra amada por Andrea) não existirem, ou seja, se as versões forem dúbias e duvidosas. Uma facínora com, o pior de tudo, mania de grandeza de Da Vinci! Sua truculência me faz repensar na possibilidade de democracias proibirem a circulação de certos livros pelo bem público. Nem o Mein Kampf mal-interpretado poderia ser tão daninho socialmente hoje em dia! Até porque todos sabem quem foi Hitler, mas ninguém sabe quem foi Dworkin... Ou... quase nenhum “peniano” (por falta de palavra melhor) o sabe; e aí mora o perigo... Além do mais, só para complementar o comentário, uma mulher que tenha realizado sexo consensual com o parceiro 99x, se a Lei for como Dworkin desejaria, no momento em que se enfastiar do dito-cujo, na < centésima fodinha >, poderá simular um estupro; ou melhor, pode nem sequer ter havido uma centésima fodinha; basta que ela deponha na delegacia que houve sexo compulsório, seu namorado como perpetrador; como ela não precisará dar indício nenhum de veracidade... Bom, não preciso entrar em pormenores ou explicar a cadeia (i)lógica da confusão – vocês sabem muito bem aonde eu quero chegar.] A proposta em sua forma completa, para que eu não seja acusado de editar só as piores partes, encontra-se em Rape: The First Sourcebook for Women.



Escrito por a mosca filosófica às 16:23
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


OUR BLOOD THEIR SEMEN (cont.)

No mundo pintado por Dworkin, em que todos são garanhões, eu realmente sou um fiasco: pois a despeito de tudo me encontro sexualmente inativo há anos. Devo ser uma excrescência da Natureza. Aquela exceção que comprova a regra, que justifica a realidade do mundo.


Investigando meu tapete com uma lupa para ver se eu encontro alguma pulga estupradora.


“Statements such as < Rape is a crime against men too > or < Men are also victims of rape > do more harm than good. (...) These

truths are too bitter for us to bear.”


“For instance, it is the habit and custom of men to discuss with each other their sexual intimacies with particular women in vivid and graphic terms.” Porém, não é o hábito das companheiras. “Women are raped often by the male friends of their male friends.”


"Rape is also effectively sanctioned by men who harass women on the streets and in other public places" Então há alguns meses eu era o maior estuprador do twitter... “who tell or laugh at misogynistic jokes” Não rir de uma boa piada misógina seria como resistir às cócegas de um especialista em fazer cócegas. Como não gargalhar?! “who write stories or make movies where women are raped and love it” Exemplo: Dworkin – Our Blood. “who consume pornography” A humanidade toda vai para o inferno. “who insult specific women” Não sabia que todas as mulheres eram senadoras: agora possuem imunidade! “who ridicule women in our struggle for dignity.” Nunca fiz isso, Dworkin. Onde você me viu fazendo-o? "Men who do these are implicated in the crime of rape.” “A man’s identity is located in his conception of himself as the possessor of a phallus; a man’s worth is located in his pride in phallic identity. The main characteristic of phallic identity is that worth is entirely contingent on the possession of a phallus. Since men have no other criteria for worth, no other notion of identity, those who do not have phalluses are not recognized as fully human.”


follow the fully phallus


“No Princípio era o Estupro” Seria o 1º verso do Fausto se ele fosse escrito por A.D. (Anno Domini?). Vamos Dizer que estamos no décimo primeiro ano da nova sociedade (considerando que a autora morreu em 2005...).


“A fêmea é uma fêmea em virtude de certa falta de qualidades; temos de olhar a natureza feminina como afligida por uma deficiência natural.” Aristóteles


sing the single signet of the sinners


“When men do not see a cock, they do not in fact see anything (...) for instance, they may imagine that the vagina is a hole filled with teeth (...) Somehow, the illusion is that women contain an internal space which is an absence and which must be filled—either by a phallus or by a child, which is viewed as an extension of the phallus.”


Mulher, o corpo do niilismo.


“To be left, for her, means to be left empty . . . Such hurt can be re-experienced in each menstruation (...) and it becomes a permanent scar in the menopause.” Erik Erikson


O mundo aborta para sempre. Aborta até suas gerações. E gera seus abortos.


Mulheres não são passivas... diante de baratas.


Little Red Riding Hood teria sido a primeira heroína fabulosa?

Little Head Hiding Wood, oh so Rude

Mas quem não pensa como eu diria que é apenas uma manifestação consciente transmitida de geração em geração de um estupro freudiano não-concluso...


“We might say that in bearing a son, she has had a phallus inside her empty space for nine months, and that that assures her of approval which she could not earn in any other way.” 9 9 9


“the son will inevitably betray the mother by becoming a man (...) But for a mother the project of raising a boy is the most fulfilling project she can hope for.” Sim, de certa forma eu sou o eu-ideal de minha mãe.


“his birthright to power against her and her kind” não deixa de ser irônico que o Alemão tenha surgido dos dialetos saxões e que < Kind > seja criança.


A pós-modernidade tem essência feminina: excessivamente tagarela e vã, em busca da resposta “quem sou eu?”.


A GENIALIDADE


As conclusões de Dworkin não são, por exemplo, distintas das de Rousseau – a única diferença é se aborrecer com o que conclui. Outra diferença é ter de demonstrar e escancarar toda a bibliografia que ela, uma mulher, consultou para escrever seu fino livro [duplo sentido]. Rousseau não perdia tempo com essa vaidade. Ele mandava que queimassem livros. Livro, o ícone masculino. Decadente e desnecessário numa vida moderna feia e falsa.


Contornos de Skinner no “condicionamento” descrito por D. Se ela soubesse que o lugar do superior é tão frio, insular e pungente quanto o seu lugarzinho solitário de “bicho rebaixado”, ela desistiria de lutar pela “supremacia”... Mas a única solidão que ela conhece é a do ressentimento coletivo. Não se pode ser “incompreendido pela metade da terra” e deixar de lado o líquido que enche metade do copo (este não é um recipiente “vazio”, como o corpo da mulher). Mas o argumento sempre será o de que “somente eu e outras ilhas chamadas mulheres me entendem, se entendem entre si”. Não existe “raça de gênios”, se por raça se entender um sinal exterior ou uma continuidade ingênita que os una. Os gênios são intermitentes e descontínuos no tempoespaço, meras aberrações ou acidentes, personalidades fortuitas. E naturalmente incomunicáveis, a sua maneira. Claro que o conceito de gênio pode ser chamado de “píncaro do machismo”, se olharmos do lado rosa e antigenioso da questão!


Quando a Bíblia diz que Deus não permite a ninguém sofrer mais do que seria capaz de suportar em vida, talvez não resida aí a resposta de por que nunca existiu uma Socratesa, uma Mozart, uma Raffaella Sanzio?


Entender o ato de ser mãe como um dom vai muito além de quem interpreta este ser (eterno, sagrado) como uma função, um mero “estar-se(rvi)ndo ([par]a algo)”, castigo, servidão.


Sei que não gostei dum livro quando sinto mais vontade de falar do que de ler. O mesmo me aconteceu com Boaventura Santos. Me punha cego às letras, surdo a minha própria voz que o recitava. No fundo só queria redigir poemetos baseados em seus colóquios solitários e femininos. O lado masoquista disso é que a tarefa acaba durando mais do que deveria.


* * *


minha língua é muito complexa e labiríntica mas ao final ela encontra o final, o âmago de tua boca, a tua glote.


escapando de mergulhar na fogueira espiritual chamado frieza social

bruxo não sou


* * *


O que é mais grave: uma mulher não saber cozinhar ou eu não saber dirigir? Carros nada mais são do que a modalidade gourmet do andar.


“Like a rat, a woman will try to avoid those high-voltage electric shocks which seem to mine the maze. She too wants the legendary Big Cheese at the end.” Ok, isso ficou ambíguo!



Escrito por a mosca filosófica às 16:19
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


OUR BLOOD THEIR SEMEN (cont.)

POEMA DA BALADA

 

ba(da)lada badala(da) (d)o relógio

lógico, vem logo

seu louco!

quero colo,

quero (te proteger da sua) co(li)ca

alcoólico licantropo

 

* * *

 

“It [The debility; the fear] increases not arithmetically as she gets older, but geometrically.” Mas aqui temos uma doutora em matemática das almas!

 

eu [me] e[qui]voco[,] meus erros

 

DESTINO DO MOVIMENTO FEMINISTA

 

Que eu tenha de relembrar o quanto Dworkin está equivocada e extrair argumentos de uma manga ou cartola demonstra o quanto seu livro é exagerado e nunca correspondeu a qualquer realidade tangível para pessoas do nosso tempo (porque se ela estivesse certa tudo o que diz constituiria novidade; talvez novidade seja o meu “discurso reacionário-machista”, pois faz tempo que ele saiu de moda, e agora, na sua ressurreição ou reemissão, é como se fosse inédito; quanto a Dworkin, Our Blood não passa de um capricho nostálgico, talvez – nós sabemos o quanto cada mulher está bem-inteirada, inconscientemente, de qualquer argumento apresentado neste livro, como se fosse parte constituinte de seu batalhado dia-a-dia). Se ele pôde ser lido na década de 70? Eu não sei; mas hoje não faz o menor sentido. Não envelheceu bem. Mas que Dworkin seja ou tenha se tornado supérflua deveria ser um bom sinal para as mulheres que a apreciam. Pode ser indício de que a revolução transcendental de Andrea foi locupletada. E agora, o que fazer?! Se a mulher continuar a guerra, pode ser que o belicismo fizesse parte de suas entranhas, de seus instintos, e a guerra não seja assim um ato tão masculino... Havendo uma guerra, necessariamente haverá duas... Apenas para reviver aquele momento. Somos (todos e todas) uns saudosistas... Saudosista sempre foi com “a” no final, ah! Precisa-se de uma Metafísica do Pós-Patriarcado. Quem será a corajosa fundadora desta nova ordem feminina geral?!

 

filosofiasco

filosôfago

filosofadiga, fia diga

não se cale,

mas se case,

mesmo assim.

 

* * *

 

“no series of economic or legal reforms will end male domination.”

 

lame é anagrama de male

 

Dworkin, o Zumbi das mulheres.

 

“Our first task, as feminists, is to learn to see with our own eyes.” Caverna de Platão – sou uma so(m!)bra, mas sei quão é bom ser carne. Na verdade todos somos carnes e nada sabemos de densidade...

 

O último grau do niilismo é criar abismos onde não há. Ficcionalizar sobre uma dupla essência do Homem, forçar a ruptura dos siameses ou, pior, do homem de duas cabeças. Resolver o mundo pela ficção criada pelo mundo. O Barão de Munchhausen se puxando para cima do poço pelo próprio rabo de cavalo, diria um Marx! Qual o seu esteio? Nada mais do que o estéril.

 

O “nós” revolucionário não é figurativo: ou ele é nós ou não há, é falacioso. Por isso nunca houve. Há sempre um eu para se multiplicar nessas horas. We the (restricted) people, we the women... We the workers... We the loners... We the... Weed... We the weak... We the wee... We’d (maybe next week), but we won’t.

 

“women endure the ordeal of giving birth.” And the ordeal of repeating that without end.

 

Nascer é heróico, convenhamos.

 

“No phallic hero, no matter what he does to himself or to another to prove his courage, ever matches the solitary, existential courage of the woman who gives birth.” Talvez os aborteiros sejam uns hipócritas que só querem destituir a mulher do seu posto de heroína...

 

O COPO MEIO TRANSBORDANTE

 

O copo inquieto que pula é macho

é um copulador

Não passa de um sem-essência,

de vidro, superficial

Só não vamos quebrá-lo

porque precisamos dele.

 

* * *

 

Uma pergunta que sempre quis fazer: a Mulher Invisível do Quarteto Fantástico pode se enxergar enquanto ativa o seu poder? Num dia que me sinto feio eu gostaria de ativar o poder da invisibilidade invertido: ficar invisível e vampiresco ao espelho apenas para mim!

 

Energia é sempre o que vem de fora. O homem é tão extrovertido e centrífugo quanto seu falo. A mulher é centrípeta, implosiva, amargurada. Uma estrela que vira buraco-negro.

 

“We have not pushed a button, or organized a military unit, to do the work of emotionally and physically sustaining life.”

 

Aquela sensação indescritível de que, ao mesmo tempo que já disse tudo que podia, A.D. ainda não falou nada (de substancial). Não se pode chamar seu livro de manifesto de uma geração ou preâmbulo de uma revolução. É uma exortação pueril que não se compara sequer à primeira página do prefácio de uma obra efetivamente revolucionária, das que já usufruímos abundantemente na história huma(sculi)na.

 

Uma feminazi citando Anne Frank é uma inebriante, gasosa e bombástica ironia.

 

 

Não consigo imaginar o livro verbalizado numa voz calma, só imagino um palanque e a histeria. Mas Nietzsche, o mais radical jamais lido, nunca precisou de força vocal para fazer ruir a concrética e monumental modernidade... Isso porque era um homem delicado. É de se perguntar se já houve algum poeta que nas raias do desespero gritasse tanto quanto D., e gritasse tão em vão.



Escrito por a mosca filosófica às 16:17
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


OUR BLOOD THEIR SEMEN (cont.)

SEXISMO, RACISMO, EXISTENCIALISMO

 

A mania do americano é misturar negros com bugalhos. A < questão racial > serve de metáfora para tudo, inclusive para questões que não existem, como a você-sabe-qual. “It was understood that racism was a festering pathology (... ) And yet, when it comes to your own lives, you do not make the same claim. Sexism is a festering pathology too.” A premissa é muito boa. Ou ainda não reconhecemos isso, já que a < guerra dos sexos > nunca atingiu uma intensidade tão brutal quanto a da libertação civil negra nos EUA, ou sexismo e misoginia não são patologias, são ficções, hipérboles, lamúrias barulhentas, onipresentes, mas incapazes de sensibilizar, exatamente como, vamos dizer, a dengue e os deslizamentos, para pegar dois dramas tão brasileiros e tão característicos desta estação durante a qual escrevo quanto as telenovelas são caracteristicamente noturnas: todos os anos causam revolta, maior ou menor, mais ativa ou mais passiva, mas não cessam de se repetir e não podem interromper o fluxo da vida ou a verdade do mundo. Porque desde que há o pensamento de < classe > (classe de berço, uma grande distorção do conceito marxiano) é necessário pensar num < todo >, ou fingir pensar num todo. Se fôssemos nos preocupar com a raça humana como um todo, a doença ou a tragédia dominical nos derrubariam em definitivo. Mas contra a dengue e contra os deslizamentos basta não ser o doente, basta não morar e nem ter parentes no morro. Trazendo a comparação de volta, para muitas mulheres, basta com não ser a vítima de um sistema cujo motor é a desigualdade (de gênero, um tipo a mais, não o único ou o número 1 inconteste). E já é grande coisa. Porque o irrealizável (erradicação do mosquito, inexistência de tragédias cíclicas, fim da opressão de um grupo por outro), quando se torna a meta, pode nos tornar, por sua vez, indiferentes para o perfeitamente alcançável. Porque viver neste mundo como um indivíduo (uma indivídua) < como um outro qualquer >, por mais mesquinho que pareça, deve ser hoje exequível como meta para qualquer um, para qualquer uma, desde que se possua < brios e coragem >, como A.D. reza em sua cartilha. Todavia, ambicionar a felicidade universal com base nesse primeiro (e, talvez, em prol da real felicidade do dono do desejo, também o último) anseio, não seria megalomania absoluta, pretensão imprudente, punível por si só? Não regridamos aos filósofos clássicos, com suas perguntas < O que é a felicidade geral? >, porque a autora já avançou para um tempo em que essa noção se tornou inconsciente, inconsequente, simplória. É um “must”. Devemos lutar não só pelo que não compreendemos como também pelo que não existe. Quase um ragnarok do Novo Mundo (luta cíclica, grandiosa mas gratuita e sem-fim). Portanto, entre a inverossímil hipótese de que ainda não tenhamos sequer pressentido a profundidade da < questão da mulher > e a de que na verdade deliramos sobre o nada, porque a questão já foi pior, já foi resolvida, já é coisa do passado, é conservada apenas como fóssil liberado para estudo e recordação – tudo isso dentro do paradigma extremo e incondicional de Dworkin (viver ou morrer; estamos vivos e vivas, isso é o que importa!) –, eu prefiro ficar com a segunda opção. É mais científica e até mais sentimental, também. Talvez eu devesse chamar o feminismo de “mãe com TOC”, porque por mais irrelevante que seja o filho não arrumar a cama ela insistirá no ponto, sem cessar, sem titubear... No século XXI não deveria mais haver um idealismo de tal envergadura literalmente escravizando almas por vidas inteiras; quando poderiam, respeitando os sacrifícios dos antepassados, estar vivendo as suas, os seus próprios projetos, a famosa “liberdade” que nos foi brindada pelos existencialistas, em condenação. Mas digressiono muito além do que ambicionava...

 

Uma pi(t)adinha (de pimenta) para (des)contrair: os negros resolveram seu problema de segregação relativamente rápido; os gays também não levaram muitas décadas; por que então a mulher demora tanto? R: Porque ela quer ficar bem bonita para a festa e ainda não escolheu a roupa que vai usar!

 

“Sexism festers when we are raped, or when we are married.” Então por que se importar? Eu também não gosto de ser míope, deveria agredir meu oftalmologista por não conseguir me curar a não ser com muito tempo, dinheiro e certas mentirinhas consoladoras?

 

“Every social form of hierarchy and abuse is modeled on male-over-female domination.” Veja por exemplo o caso russo: Trotsky era a mulherzinha. OBS: No blog eu assino como < A mosca filosófica >. Gostaria de saber quem é o homem-mosquito que me abusa.

 

Sobre a Emenda da Igualdade de Direitos, jamais aprovada, que a autora tanto cita. Aparentemente, os Estados Unidos não gostam de esconder, juridicamente falando, que devem ditar as normas mundiais: “Section 1. Equality of rights under the law shall not be denied or abridged by the United States or by any State on account of sex. [negrito meu]” Apenas pitoresca curiosidade.

 

“If we were not women – if we were male workers, or male blacks, or male anybodies – it would be enough for us to delineate the facts of our own oppression” Se não fôssemos alemães... – H. Ah, como a vida seria fácil se eu fosse um súdito da Rainha, não é mesmo?! Se eu não tivesse de lutar pela minha existência, isto é, para conquistar territórios, lutar contra o fraco parasita que oprime nosso potencial!... Feminismo: o último maniqueísmo; a doçura do cristianismo secular.

 

O poeta sofre, porque ele não tem dinheiro, queria ter dinheiro, mas se tivesse dinheiro ele não seria poeta, e ele só quer ser ele mesmo...

 

Resmungo minha depressão, mas não perderia meu tempo com doenças de outros corpos...

 

 

Tapar o sol com a peneira evita que fiquemos cegos.



Escrito por a mosca filosófica às 16:16
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


OUR BLOOD THEIR SEMEN (cont. - final)

O PERIGO QUE CORRE A VÍTIMA QUE GENEALOGIZA O ABSOLUTO

 

“Once female slavery is established as the diseased groundwork of a society, racist and other hierarchical pathologies inevitably develop from it.” Dois problemas: anteriormente Dworkin afirmara que a exploração da mulher foi e é eterna na humanidade, não respeitando sistema produtivo, Estado-nação ou qualquer outra barreira ou divisão concebível. Se ela diz que “ao se estabelecer” a escravidão feminina “abre margens” para patologias hierárquicas como a racista (que ela adora envolver em comparações estapafúrdias, como já vimos de perto), então ou ela se desmente, parindo uma genealogia, ou ela tem de se virar para responder por que ainda haveria misoginia em tempos não-racistas. Dizer que sempre seremos racistas não satisfaz, porque então Martin Luther foi inútil, negros não deveriam ser assalariados, não poderiam pegar ônibus de brancos e deveriam ter seu título de eleitor cassado. O sentido de “racista” neste conjunto é: racismo poderoso o suficiente para suprimir direitos, tornar os negros sub-humanos. Portanto, se a mulher não for sub-humana, a sociedade não é misógina. Eu pergunto: é misógina? Este foi um problema, apesar de ter se desdobrado em duas possibilidades igualmente indesejáveis para as feministas. O outro é: e se Dworkin estiver certa, e a mulher foi sempre uma sub-classe? Mas e se na segunda ponta, no seu “além/um dia/qualquer dia”, só o que existir também for exploração? Ora, temos de encarar essa possibilidade. Se em sistemas produtivos e condições históricas tão divergentes entre si a mulher sempre foi a besta de carga do homem, porque imaginar que em qualquer um dos outros 999 modos de produção possíveis ela não estaria submetida à mesma situação? Constatação que não é cínica se se pensar cinismo como falta de escrúpulo, mas que é cínica se cínico for aquele que não conclui raciocínios com sofismas, apenas pelo prazer de enunciar um < final feliz > das coisas comovedoras (chamaríamos essa postura de tartufismo ou polianismo, a depender do século): em suma, o meu cínico é um analista autêntico e honesto, como a própria A.D. pede. Doloroso, sim, perceber que este cenário pode ser bem real, e que < o dia prometido > pode não chegar nunca. No entanto, “nada de novo sob o eterno sol que arde”. Todas estas metáforas naturalistas da autora podem ser empregadas sem prejuízo algum para dizer tudo ao contrário do que ela disse. E nem por isso ganharei um Pulitzer. Tampouco me refestelo com a situação, se ela for fática: como homem, eu constato que há uma situação de poder inelutável, intransformável, ainda que indesejável (até para mim, que “pago” eternamente por um crime que não cometo ou cometo muito menos que muitos outros da minha “espécie”). A observação prolongada das sociedades leva a crer que não existe alternativa.

 

* * *

 

“It was the Portuguese who first really devoted themselves to the abduction and sale of blacks. They developed the Atlantic slave trade.”

 

A essa altura, nem vale a pena criticar os esforços mesquinhos da autora em comparar quem sofria mais, se o negro ou a negra escravos... Já me estiquei mais do que o homem-borracha nestas considerações.

 

O prefácio de Segundo Sexo deve valer mais a pena (e os olhos) que essas 120 páginas (já que das 140 páginas as 20 últimas apenas rep[r]isam, de salto alto e destrambelhadamente, as mesmas idéias – preconceitos ruinosos – de Dwork.).

 

“The 2 most effective means of contraception are the pill and the I.U.D. The pill is poisonous and the I.U.D. is sadistic.” “We are feminine to the degree that our mental faculties are annihilated or repudiated.”

 

“Literature is always the most eloquent expression of cultural values; and pornography articulates the purest distillation of those values. In literary pornography, where female blood can flow without the real restraint of biological endurance, the ethos of this murderous male-positive culture is revealed in its skeletal form: male sadism feeds on female masochism” Falou a santa Lama.

 

“women are pissed on and shit on (...) rectums are torn, mouths are ravaged, cunts are savagely bludgeoned by penis after penis, dildo after dildo” Não deixa meu pau duro! “Tipically in pornography, some of this gruesome cruelty takes place in a public context. A man has not thoroughly mastered a woman—he is not thoroughly a man—until her degradation is publicly witnessed and enjoyed. (...) Ownership is proven when a man can humiliate a woman in front of, and for the pleasure of, his fellows, and still she remains loyal to him.” A boa puta à rua torna? Autora começa a delirar: “In the same way, and for the same reasons, she is forced to watch the man who possesses her exercising his sexual sadism against other women.”

 

Tentando ofender e ultrajar, mas...: “The common erotic project of destroying women makes it possible for men to unite into a brotherhood (...) This idealized view of male fellowship exposes the essentially homosexual character of male society. (...) We think that we live in a heterosexual society because most men are fixated on women as sexual objects” KEEP CALM AND STAY LESBIAN

 

“As the saying goes, women are made for love—that is, submission. (...) the proof of love is that she is willing to be destroyed by the one whom she loves, for his sake.” Para amar o corpo como se deve amar, também é necessário aprender a desprezar. Dworkin não despreza, apenas ama. Seu amor é oco, seu coração é oco, sua cabeça é oca, sua buceta é um negativo, como ela mesma diz. E, no fim, ela mesma se objetifica plenamente. Uma legítima Kant da razão prática. “The primary transaction which express this female submission and this male possession, in pornography as in life, is the act of fucking.” “For the male, fucking is a compulsive act” “During penetration, the male’s whole being is his penis” Poxa, eu pensei que tivesse 1,83m de altura! “the rest of the body is insensate, dead.” “masculinity is nothing in and of itself; in and of itself it does not exist; it has reality only over and against” Tanto faz. O mundo não é uma abstração e nunca estaremos sozinhos no mundo. Sempre teremos companheiras. “How can an act so saturated with the dread of loss of self, of loss of penis, be pleasurable? How can an act so obsessive, so anxiety-ridden, be characterized as pleasurable?” “there is literally nothing in the act of fucking, except accidental clitoral friction”

 

No piquete feminazi, a greve você sabe como é. É uma putaria só!

 

free ction pussies

 

* * *

 

 

Nada do que eu disse anteriormente me impede de amar profundamente a feminista radical Brenda Melo!



Escrito por a mosca filosófica às 16:15
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


TEMOR E TREMOR

“Descartes fez o que disse e disse tudo o que fez. Ah! Ah! Eis uma coisa pouco comum em nossos dias!”


“Para ele [mim, na realidade: Kierkegaard abusa da terceira pessoa autobiograficamente, ainda mais em prefácios], escrever é um luxo suscetível de ganhar tanto mais significação e evidência quanto menos leitores e compradores tiver para as suas obras.” Não deixa de ser irônico que... algum dia alguém me cite assim pensando o mesmo que eu estou pensando agora acerca de K.?!?... “O autor prevê a sua sorte, passará completamente despercebido.” “treme ao pensar que tal censor – inflexível como aquele homem que, para satisfazer a ciência da pontuação, dividia o seu discurso contando as palavras: 35 até o ponto e vírgula, 50 até o ponto final – o desfaça em parágrafos.” O Kindle, também ironicamente, abole e cria seus próprios parágrafos e modifica a leitura  “Não é sistema, isto nada tem que ver com o sistema. Desejo-lhe toda a felicidade possível, tal como a todos os dinamarqueses interessados pelo ônibus, porque jamais será uma torre o que eles elevarão.”


“e Deus pôs Abraão à prova e disse-lhe: toma o teu filho, o teu único filho, aquele que amas, Isaac; vai com ele ao país de Morija e, ali, oferece-o em holocausto sobre uma das montanhas que te indicarei.”


“Quando chega o tempo do desmame, a mãe enegrece o seio, porque manter o seu atrativo será prejudicial ao filho que o deve abandonar.” “Quando chega o tempo do desmame, a mãe fica triste pensando que ela e o filho se irão separar; que o menino, a princípio sob o seu coração e depois embalado no seio, nunca mais se encontrará tão perto dela.”


“Isaac, porém, já não tinha fé.”


“O poeta é o gênio da recordação.” “O poeta nada tira do seu próprio fundo, mas guarda ciosamente aquilo que lhe é entregue sob custódia.” “Tal é a sua atividade, sua humilde tarefa, seu leal serviço na mansão do herói.” Aquiles também ama Homero.


“Tornou-se velho e Sara foi escarnecida na sua terra.” “Que significa ser o eleito de Deus? É ver recusado o desejo de juventude na primavera da vida, para só obter tal favor na velhice, depois de grandes dificuldades.” “Assim o Senhor se divertia com Abraão! Eis que, depois de ter realizado milagrosamente o absurdo, queria agora ver sua obra reduzida a nada. Que loucura!” “Jacó foi pai de 12 filhos e só a 1 amou; Abraão teve somente um, aquele a quem amava.” “[Abraão] nunca se antecipou em súplicas senão quando o justo castigo desabou sobre Sodoma e Gomorra.” “Abraão, pai venerável! Segundo pai do gênero humano!”


“Só o que trabalha tem pão, diz um velho provérbio inspirado no mundo exterior e visível e, coisa curiosa, adaptando-se mal à esfera que é, por excelência, a sua.”


“o espírito da lâmpada mágica obedece ao seu possuidor, Nuredino ou Aladino [Aladino ou Aladim significa: nobreza da fé]”


“Orfeu, ludibriado pelos deuses, a quem deram um fantasma em vez de Eurídice; e sofreu tal decepção porque foi um efeminado sem coragem, um mero tangedor de lira e não um homem.”


“Gerações sem número souberam de cor, palavra por palavra, a história de Abraão; mas quantos tiveram insônias por sua causa?” “trabalhar e penar para entendê-la.” “O que se omite na história do patriarca? A angústia.”


“O nosso homem tragicômico regressa à casa desejoso de imitar Abraão: não é acaso, seu filho, o maior de todos os bens?” “O sermão do pastor é já em si assaz ridículo”


“Compreender Hegel deve ser muito difícil, mas a Abraão, que bagatela! Hegel é um prodígio; mas que coisa fácil quando se trata de superar Abraão! Pela minha parte já despendi bastante tempo para aprofundar o sistema hegeliano e de nenhum modo julgo tê-lo compreendido”


“quem do infinito da alma, proprio motu et propriis auspiciis, efetua o infinito movimento, sem o poder remediar, só na dor conserva Isaac.” “O absurdo consiste em que Deus, pedindo-lhe o sacrifício, devia revogar a sua exigência no instante seguinte. (...) surpreendeu-o o desenlace, mas já então também havia por um duplo movimento recobrado o seu primitivo estado, e foi por isso que recebeu Isaac com a mesma alegria que sentira pela primeira vez.” Essas divindades testadoras... “Abraão acreditou, não que um dia fosse ditoso no céu, mas que seria cumulado de alegrias cá na terra.” “a amargura enlouquece o homem”


“me inclino sete vezes perante o seu nome e setenta e sete vezes perante o seu ato.”


“amar a Deus sem fé é refletir-se sobre si mesmo, mas amar a Deus com fé é refletir-se no próprio Deus.”


“Não valeria mais dedicar-se à fé e não será mesmo revoltante ver como toda a gente a quer superar? Onde se pensa chegar quando, hoje, proclamando-o de tantas maneiras, se recusa o amor? Sem dúvida ao saber do mundo, ao mesquinho cálculo, à miséria e à baixeza, a tudo enfim que possa fazer-nos duvidar da divina origem do homem.”


Diz um velho ditado que quem não transa não teme.


“nem o merceeiro é capaz de ser tão inteiramente deste mundo como ele [o cavaleiro da fé]! Regozija-se por tudo e por tudo se interessa. Ele está realmente naquilo que faz. Respeita os domingos. Vai à Igreja. Nem um olhar celeste, nem um só vestígio de incomensurabilidade o trai. (...) aquela maneira saudável e possante de cantar os salmos só pode provar que ele tem um ótimo peito. Depois do almoço vai até a floresta. Entretém-se com o que vê: o bulício da multidão, os novos autocarros, o espetáculo do Sund [canal]... (...) No caminho sonha na refeição que, seguramente, a mulher lhe preparou para o regresso: uma novidade – quem sabe? – uma cabeça de borrego [carneiro; alternativamente, pessoa muito tranquila] au gratin e, ainda por cima, talvez bem guarnecida... (...) Nem Esaú teve assim tanto apetite! Coisa curiosa: se a mulher não cozinhar o prato esperado, conserva exatamente o mesmo humor. (...) Já em casa, apóia-se ao peitoril da janela aberta, olha a praça para onde dá a sala e segue tudo que se passa. Vê escapulir-se um rato para dentro da sarjeta da rua, observa as crianças que brincam (...) Possui a tranquilidade de espírito de uma jovem de 16 anos. Não é, portanto, um gênio. À noite fuma cachimbo. Dir-se-ia então um salsicheiro na beatitude do fim do dia. Vive em despreocupação folgazã. (...) a mínima coisa é sempre realizada em função do absurdo. (...) Converte em resignação infinita a profunda melancolia da vida (...) diverte-se com uma tal tranquilidade, que, parece, nada há de mais certo que este mundo finito. E, no entanto, toda essa representação do mundo que ele figura é nova criação do absurdo. (...) Muitos vivem dominados pelos cuidados e prazeres do mundo: assemelham-se àqueles que vão à festa sem dançar. Os cavaleiros do infinito são bailarinos a quem não falta elevação. Saltam no ar e logo voltam a cair, o que não deixa de constituir passatempo divertido e nada desagradável à vista. Mas de cada vez que recaem não podem, logo no primeiro momento, guardar completo equilíbrio. Por instantes vacilam indecisos, o que logo mostra que são estranhos ao mundo [o cavaleiro da resignação infinita ou “herói trágico”, dentre outros sinônimos, como já veremos, é distinto do cavaleiro da fé, prodígio, etc., previamente descrito pelo autor; dir-se-ia, numa primeira impressão ou de forma apressada, seu antípoda, mas K. demonstrará como na realidade o cavaleiro da fé é o fruto, e o da resignação infinita é a semente; este é pré-requisito para aquele; são dois estágios existenciais de completude espiritual usufruídos por raros mortais, parcela ínfima da humanidade]. (...) Inútil vê-los no ar. (...) exprimir o impulso sublime num passo terreno; eis o único prodígio de que só é capaz o cavaleiro da fé. § Como tal maravilha pode induzir em erro, vou descrever os movimentos num caso preciso suscetível de aclarar a sua relação com a realidade (...) Enamora-se um jovem de uma princesa [mas não podia ser o contrário de uma princesinha?], e de tal forma que a substância da sua vida se concentra neste amor. Entretanto a situação não consente que o amor se realize, quer dizer, não se pode traduzir a idealidade em realidade. (...)



Escrito por a mosca filosófica às 19:33
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


TEMOR E TREMOR - cont.

O cavaleiro da resignação infinita (...) nem pela maior glória desse mundo renuncia ao seu amor. Não é assim tão pateta. Começa a se assegurar que esse amor é realmente para ele a substância da vida. Sente a alma demasiado sã e orgulhosa para permitir que o acaso se apodere da menor parcela do seu destino. Não é covarde pois não receia que o seu afeto penetre até o âmago dos seus mais ocultos pensamentos nem que envolva, como apertada rede, cada uma das articulações da consciência; e mesmo que o torne desgraçado jamais se poderá dele desligar. Experimenta então deliciosa voluptuosidade com deixá-lo vibrar em cada um dos seus nervos; no entanto a sua alma vive a mesma solenidade que a daquele que esvaziou a taça de veneno e sentiu o líquido infiltrar-se, gota a gota, no sangue... porque esse instante é vida e morte. Quando assim absorveu totalmente o amor e nele mergulhou, tem ainda a coragem de tudo ousar e arriscar. Com um simples volver de olhos abarca toda a vida, reúne os seus velozes pensamentos que, como pombos de regresso ao ninho, acorrem ao menor sinal; agita a varinha mágica e então todos se dispersam ao sabor dos ventos. Mas, quando regressam, como tristes mensageiros, para lhe anunciar a impossibilidade, permanece calmo, agradece-lhes e, ficando só, empreende o seu movimento. O que acabo de dizer apenas tem sentido se o movimento se efetua normalmente. De início o cavaleiro [resignado] deve ter a força de concentrar toda a substância da vida e todo o significado da realidade num único desejo. No caso de o não conseguir, a alma encontra-se, desde o princípio, dispersa no múltiplo e jamais poderá chegar a realizar o movimento. Conduzir-se-á, na vida, com a prudência dos capitalistas (...) [se não agir assim, prudentemente,] correrá incessantemente atrás dos problemas da vida, sem nunca entrar na eternidade; porque, no preciso momento em que está prestes a alcançá-la, aperceber-se-á, subitamente, de que se esqueceu de alguma coisa, e daí a necessidade de dar meia volta. Pensa então: Mais adiante poderei realizar o movimento; porém, com tais considerações, nunca o poderá conseguir (...)§ O cavaleiro [resignado, ainda] efetua portanto o movimento, mas qual? Acaso esquecerá ele tudo, já que aí há também uma espécie de concentração? Não! Porque o cavaleiro não se contradiz nunca e haverá contradição em esquecer a substância de toda a sua vida enquanto se continua sendo o mesmo. Não sente nenhum desejo de converter-se em outro homem e de maneira alguma vê nessa transformação sinal de grandeza humana. Somente as naturezas inferiores [a categoria mais frequente na raça humana: os que não são cavaleiros resignados e, muito menos, da fé], esquecidas de si mesmas, se podem tornar em um outro novo. Assim, a borboleta esqueceu completamente que já um dia foi larva; talvez ainda venha a esquecer que foi borboleta e a tal ponto que possa converter-se em peixe. As naturezas profundas nunca perdem a recordação de si mesmas e nunca podem chegar a ser outra coisa que o que já foram [evolução adorniana do precoce maduro – para mais detalhes, ler meu MÍNIMA MORALIA, 26/02/15, parágrafo em vermelho após “início da 3ª parte” – link direto: http://xtudotudo6.zip.net/arch2015-02-01_2015-02-28.html]. O cavaleiro, portanto, recordar-se-á de tudo, mas essa recordação será precisamente a fonte de sua dor; no entanto, graças à sua infinita resignação, encontra-se reconciliado com a vida. O seu amor pela princesa tornou-se, para ele, a expressão de um amor eterno e tomou caráter religioso; transfigurou-se num amor cujo objeto é o ser eterno, o qual, sem dúvida, recusou ao cavaleiro favorecê-lo, mas, pelo menos, tranquilizou-o dando-lhe a consciência eterna da legitimidade do seu amor, sub uma forma de eternidade que realidade alguma lhe poderá arrebatar. São os jovens e os loucos que se gabam de que para o homem tudo é possível; mas no mundo do finito [das pessoas comuns, prosaicas] há muitas coisas que são impossíveis. Mas o cavaleiro torna o impossível possível encarando-o sob o ângulo do espírito, e exprime esse ponto de vista dizendo que a ele renuncia. (...) E o cavaleiro sente, às vezes, os obscuros impulsos do desejo que despertam a recordação; ou então ele mesmo a provoca; porque é demasiado orgulhoso para admitir que aquilo que foi a substância de toda a sua vida nasceu de um efêmero momento. Conserva sempre jovem esse amor que à medida que juntos envelhecem se torna cada vez mais belo. Não deseja de modo nenhum a intervenção do finito (...) A partir do instante em que realizou o movimento, a princesa encontra-se perdida para ele. Não tem necessidade de sentir esses arrepios nervosos que a paixão provoca na presença da bem-amada, nem de outros fenômenos parecidos. Tampouco tem necessidade de lhe dirigir, em sentido finito, perpétuos adeuses, visto que tem dele uma recordação eterna; sabe muito bem que os amantes ávidos de se verem, ainda uma vez mais, têm razões para mostrar esse interesse e para suporem que se encontram pela última vez; porque ambos virão a fazer todo o possível para mutuamente se esquecerem um do outro. Descobriu esse grande segredo que é dever-nos bastar a nós próprios mesmo quando amamos. Deixou de se interessar dum ponto de vista terreno [finito] pelo que fez a princesa, e é isso justamente que constitui a prova de que ele executou o movimento infinito [am I a fraud?]. Aí temos a oportunidade de verificar se o movimento do Indivíduo é verdadeiro ou falaz [Indivíduo, com letra maiúscula, sempre designa, para K., aquele indivíduo que ultrapassou a coletividade e efetuou este movimento de infinito]. Um há que, julgando tê-lo realizado, sentiu ao rodar o tempo, e tendo a princesa mudado de conduta (desposou, por exemplo, um príncipe) sentiu, dizia, a sua alma perder a elasticidade da resignação. Imediatamente se apercebeu de que não havia realizado o movimento como convinha, porque quem se resignou infinitamente basta-se a si próprio. O cavaleiro não abandona a resignação, o seu amor conserva a frescura do primeiro momento, não o deixa nunca e isso precisamente porque realizou o movimento infinito. A conduta da princesa não o poderia perturbar; nos outros, as leis que regem seus atos, e, fora deles, as premissas das suas resoluções. Se, pelo contrário, a princesa está na mesma disposição de espírito, verá desabrochar a beleza do amor. Ela própria entrará na ordem dos cavaleiros onde se não é admitido por votação mas donde é membro quem quer que tenha a coragem de se apresentar sozinho; entrará nesta ordem que assim prova a sua perenidade não estabelecendo diferença entre o homem e a mulher. Deste modo conservará a juventude e a frescura do seu amor, assim terá feito calar o seu tormento, ainda que, de acordo com certa tradicional canção, não esteja todas as noites junto do seu senhor. Estes dois amantes terão então alcançado a união para a eternidade, numa harmonia praestabilita de tal forma indestrutível que, se alguma vez chegasse o momento favorável à expressão do seu amor no tempo (de que não têm preocupação finita, senão conheceriam a velhice), achar-se-iam em condições de iniciar o noivado no ponto mesmo de que teriam partido se tivessem contraído matrimônio [!]. Aquele que compreende isto, homem ou mulher, nunca pode ser enganado, porque só as naturezas inferiores imaginam que o são. Nenhuma jovem a quem falte esta nobreza sabe amar verdadeiramente; mas aquela que a possui não poderá sentir-se decepcionada pelas astúcias e sutilezas do mundo. § A resignação infinita implica a paz e o repouso; aquele que a deseja, aquele que não se aviltou rindo-se de si próprio (vício mais terrível que o excesso de orgulho), pode fazer a aprendizagem deste movimento doloroso, sem dúvida, mas que leva à reconciliação com a vida. A resignação infinita é parecida com a camisa do velho conto: o fio é tecido com lágrimas e lavado com lágrimas, a camisa é também cosida com lágrimas, mas, ao cabo, protege melhor que ferro e aço. O defeito da lenda é que um terceiro pode tecer o pano. Ora, consiste o segredo da vida em que cada um deve coser a sua própria camisa e, coisa curiosa, o homem pode fazê-lo tão perfeitamente como uma mulher. A resignação infinita implica o repouso, a paz e a consolação no seio da dor, sempre com a condição de que o movimento seja efetuado normalmente. Eu não teria, contudo, muito trabalho se quisesse escrever um grosso volume onde passasse revista aos desprezos de toda espécie, às situações completamente alteradas, aos movimentos abortados que me foi dado observar no decurso da minha modesta experiência. Acredita-se muito pouco no espírito e, no entanto, ele é indispensável para realizar este movimento, que interessa não ser unicamente o resultado de uma dura necessitas que, quanto mais vai agindo tanto mais duvidoso torna o seu caráter normal. § Se, por exemplo, se pretende que a fria e estéril necessidade deve intervir necessariamente no movimento, declara-se, deste modo, que ninguém pode viver a morte antes de morrer realmente, o que se me afigura ser grosseiro materialismo. Mas, em nossos dias, não há quem se preocupe muito em realizar movimentos puros [isso é quimericamente difícil. Hard as iron!]. Se alguém, desejando aprender a dançar, dissesse: Durante séculos gerações sucessivas estudaram e aprenderam as posições; já é tempo de eu tirar disto algum proveito e portanto vou já dedicar-me às danças francesas, as pessoas não deixariam de se rir; mas, ao entrar no mundo do espírito, este raciocínio torna-se perfeitamente plausível. Pois que é a cultura? Eu sempre acreditei que era o ciclo que o Indivíduo percorria para chegar ao conhecimento de si próprio; e aquele que recusa segui-lo obtém um muito magro proveito de ter nascido na mais preclara das épocas. § A resignação infinita é o último estádio que precede a fé, pois ninguém a alcança antes de ter realizado previamente esse movimento; porque é na resignação infinita que, antes de tudo, tomo consciência do meu valor eterno, e só então se pode alcançar a vida deste mundo pela fé [uma “finitude infinita”, muito mais nobre que a do cidadão banal, se me permitem o complemento]. Observemos agora o cavaleiro da fé, no caso citado. Age exatamente como o outro; renuncia infinitamente ao amor, substância da sua vida; apaziguou-se na dor; então dá-se o prodígio; realiza um movimento ainda mais surpreendente do que todos os anteriores. Com efeito diz: Eu creio, sem reserva, que obterei o que amo em virtude do absurdo, em virtude da minha fé de que tudo é possível a Deus [tino]. O absurdo não pertence às distinções compreendidas no quadro próprio da razão. Não se pode identificar com o inverossímil, o inesperado, o imprevisto. No momento em que o cavaleiro se resigna, convence-se segundo o humano alcance, da impossibilidade. Tal é o resultado do exame racional que tem a energia de fazer. Porém, pelo contrário, do ponto de vista do infinito, subsiste a possibilidade no seio da resignação; mas esta posse é, também, uma renúncia sem ser entretanto por isso um absurdo para a razão, visto que esta conserva o direito de sustentar que, no mundo finito onde ela é soberana, a coisa é e continua a ser uma impossibilidade. O cavaleiro da fé tem também lúcida consciência desta impossibilidade; só o que o pode salvar é o absurdo, o que concebe pela fé. Reconhece, pois, a impossibilidade e, ao mesmo tempo, crê no absurdo; porque, se alguém imagina ter a fé sem reconhecer a impossibilidade de todo o coração e com toda a paixão da sua alma, engana-se a si próprio e o seu testemunho é absolutamente inaceitável, pois que nem sequer alcançou a resignação infinita. § A fé não constitui, portanto, um impulso de ordem estética; é de outra ordem muito mais elevada, justamente porque pressupõe a resignação [quase um insulto a nós estetas – mas este supertrecho é brilhante demais para deixar passar batido!]. Não é o instinto imediato do coração, mas o paradoxo da vida. Assim, quando uma jovem, apesar de todas as dificuldades, conserva a certeza de que o seu desejo se realizará, essa certeza não tem relação alguma com a fé, apesar da sua educação cristã e talvez mesmo de um ano inteiro de catecismo. Está convencida porque é uma ingênua e inocente rapariguinha. Essa convicção enobrece-lhe o ser, sem dúvida, concedendo-lhe uma grandeza sobrenatural, e a tal ponto que pode, como um taumaturgo [milagreiro], conjurar as forças finitas da vida e até fazer chorar as pedras, enquanto que, por outro lado, consegue também, no meio da sua perplexidade, dirigir-se tanto a Herodes como a Pilatos, comovendo o mundo inteiro com as suas súplicas. Semelhante conduta é muito louvável e, com esta jovem, podem-se aprender muitas coisas, exceto uma: a arte dos movimentos; porque a sua convicção não ousa olhar de frente a impossibilidade nem aceitar a dor da resignação. § É-me lícito, portanto, afirmar que importa possuir força, energia e liberdade de espírito para realizar o movimento infinito da resignação, inclusivamente para que a sua execução seja possível. Todavia o resto deixa-me estupefato. Rodopia-me o cérebro dentro da cabeça; porque, depois de ter realizado o movimento da resignação e tudo obter em virtude do absurdo, ver assim integralmente realizado todo o desejo está acima das forças humanas: é um prodígio. Mas posso ver que a certeza da jovem não é senão leviandade comparada com a inquebrantável firmeza da fé, ainda mesmo quando tenha reconhecido a impossibilidade. Todas as vezes que pretendo realizar esse movimento turvam-se-me os olhos ao mesmo tempo que uma admiração sem reservas se apodera de mim e uma terrível angústia me esmaga a alma. Que é isto, com efeito, senão tentar Deus? Contudo, este é o movimento da fé; e sê-lo-á sempre, mesmo que a filosofia, para obscurecer os conceitos, pretenda fazer-nos acreditar que é ela que possui a fé, mesmo, que a teologia queira agrilhoar a si a todo o custo.



Escrito por a mosca filosófica às 19:30
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


TEMOR E TREMOR - cont.

§ A resignação não implica [necessariamente] a fé; porque o que eu adquiro no seio da resignação é a minha consciência eterna; e é isso um movimento estritamente filosófico que tenho a coragem de efetuar quando é requerido e que posso infligir a mim próprio; porque, de cada vez que uma circunstância finita me vai ultrapassar, imponho a mim próprio o jejum até o instante de realizar o movimento; porque a consciência da minha eternidade é o meu amor para com Deus e este amor é tudo para mim. Para alguém se resignar, não é indispensável a fé, mas ela é precisa para obter a mínima coisa para além da minha consciência eterna: é esse o paradoxo. Confundem-se muitas vezes os movimentos. Diz-se que é preciso fé para renunciar a tudo [Ingá, família Calil de ponta-cabeça]; torna-se vulgar ouvir, o que é ainda mais singular, pessoas a lamentarem-se por ter perdido a fé, e, quando alguém procura averiguar que grau da escala alcançaram, verifica-se, com espanto, que chegaram, precisamente, ao ponto em que devem realizar o movimento infinito da resignação. Por ela renuncio a tudo; é um movimento que realizo sozinho e, se me abstenho, é razão disso a covardia, a moleza, a falta de entusiasmo; não tenho, portanto, o sentido da alta dignidade mais eminente que a do censor geral de toda a república romana. Exerço esse movimento graças ao meu próprio esforço, e a minha recompensa sou eu próprio na consciência da minha eternidade, mergulhado em uma bem-aventurada harmonia com o meu amor pelo ser eterno. Pela fé, a nada renuncio; pelo contrário, tudo recebo, e, o que é mais notável, no sentido atribuído àquele que possui tanta fé como um grão de mostarda, porque então poderá transportar montanhas. É necessária uma coragem puramente humana para renunciar a toda a temporalidade a fim de ganhar a eternidade; mas pelo menos conquisto-a e não posso, uma vez na eternidade, renunciar a ela sem contradição. Porém torna-se indispensável a humilde coragem do paradoxo para alcançar então toda a temporalidade em virtude do absurdo [o momento da viragem], e esta coragem só a dá a fé [depreende-se de toda esta exuberante palestra: o único maior que o eterno: o mundo]. Por ela, Abraão não renunciou a Isaac; por ela, ao contrário, obteve-o. Aquele jovem abastado [Novo Testamento] teria podido despojar-se de tudo o que possuía em troca de resignação; depois disso, o cavaleiro da fé poderia dizer-lhe: Reaverás cada um dos teus centavos graças ao absurdo; acreditas nisso? [Mas e o desinteresse? Não é o amante do paradoxo um cínico, venal?] E estas palavras não devem ser, de forma alguma, indiferentes ao jovem; porque, se acaso tudo deu por estar cansado, a sua resignação deixa muito a desejar. § Todo o problema reside na temporalidade, no finito. Posso, graças às minhas forças, renunciar a tudo e encontrar a paz e o repouso na dor [Bingo! Aquisição dos estóicos]. Posso enfim a tudo acomodar-me: mesmo se o cruel demônio, mais terrível do que a morte, terror dos homens, mesmo se a loucura me surgisse aos olhos no seu trajo de bufão e me fizesse compreender pelo aspecto que me era chegada a vez de o vestir, podia ainda salvar a alma, se porventura mais importasse em mim o triunfo do meu amor para com Deus do que a felicidade terrestre [finita]. Um homem pode ainda, nesse derradeiro momento, concentrar toda a sua alma num único olhar para o céu, donde emana todo o dom perfeito, e esse olhar será compreendido por ele e por aquele que procura, como sinal de que permanece, apesar de tudo, fiel ao seu amor. Vestirá então tranqüilamente o trajo da loucura. A alma, assim despida desse romantismo [secularismo; finitude], vendeu-se, quer tenha sido pelo preço dum reino quer por uma miserável moeda de prata. Não consigo porém obter pelas minhas próprias forças a mínima coisa que participe do mundo finito; porque, constantemente, emprego minha força a renunciar a tudo. Posso espontaneamente renunciar à princesa, e em lugar de me lamentar, devo alcançar a alegria, paz e repouso na dor; mas não posso por meus próprios meios voltar a obtê-la, pois utilizo toda a força a ela renunciar. Mas pela fé, diz o assombroso cavaleiro, pela fé receberás a princesa em virtude do absurdo. Ai de mim, que não posso fazer esse movimento. Quando o tento, então tudo se altera e volto a refugiar-me na dor da resignação. Sou capaz de nadar no vazio, peso todavia demasiado para realizar esse movimento místico. Não consigo existir de tal maneira que a minha oposição à existência traduza, a cada momento, a mais maravilhosa e a mais serena harmonia com ela. E, no entanto, deve ser magnífico obter a princesa. Constantemente o repito. O cavaleiro da resignação que não o diz é um mentiroso que nunca conheceu o menor desejo, nem mesmo soube guardar a juventude do desejo no seio da dor. Talvez deva felicitar-se por ter secado a fonte do desejo e ter embotado a flecha da dor: mas não é um cavaleiro [é um mundano, do pior tipo]. Uma alma bem nascida que surpreendesse em si tais sentimentos desprezar-se-ia e recomeçaria de novo, e, sobretudo, não suportaria ser o agente do seu próprio engano. E, no entanto, deve ser maravilhoso obter a princesa. Contudo, o cavaleiro da fé é o único feliz, o herdeiro direto do mundo finito, enquanto que o cavaleiro da resignação é um estranho vagabundo. O maravilhoso é obter também a princesa, viver alegre e feliz, dia após dia, com ela, (mas é concebível que o cavaleiro da resignação obtenha também a princesa; a minha alma, porém, viu claramente a impossibilidade da sua felicidade futura). O maravilhoso é viver a cada momento assim ditoso e contente em virtude do absurdo, vendo em cada instante a espada suspensa sobre a cabeça da bem-amada, encontrando não o repouso na dor da resignação, mas a alegria em virtude do absurdo. Aquele que for capaz disso é grande, é o único homem realmente grande, e só o pensar naquilo que ele realiza enche-me a alma de emoção, porque nunca recusei admirar as grandes ações. § Se agora cada um dos meus contemporâneos, ao negar-se a recorrer à fé [movimento 1 dos “especiais”], avaliou realmente o que há de terrível na vida e compreendeu Daub quando diz que um soldado, sozinho, de arma carregada, junto de um depósito de pólvora, em uma noite de tempestade, alimenta singulares pensamentos; se realmente cada um dos que se negarem a recorrer à fé tem a força de alma necessária para compreender que o desejo era irrealizável e é capaz de permanecer só com esse pensamento; se cada um dos que recusam permanecer na fé encontrou o apaziguamento na dor e através dela; se cada um conseguiu realizar, além disso, o prodigioso (e, se acaso não fez o precedente, não tem razão para se lamentar porque se trata efetivamente da fé [é possível, inconscientemente, ser fervoroso?]); se reouve as coisas deste mundo em virtude do absurdo; então estas linhas constituem o maior elogio feito aos homens do meu tempo, escrito por um deles, que somente conseguiu realizar o movimento da resignação. Mas então por que se não mantêm na fé, por que ouvimos, às vezes, dizer que as pessoas coram ao confessar que têm fé? Eis o que não posso conceber. Se alguma vez conseguisse realizar esse movimento, partiria para o futuro numa carruagem puxada por quatro cavalos. § E é assim de fato. Acaso o espírito da mesquinha burguesia que observo na vida e que não julgo pelas minhas palavras, mas pelos meus atos, não será realmente o que parece? E será ela o verdadeiro prodígio? Podemos admiti-lo, porque o nosso herói da fé oferecia uma flagrante semelhança com esse espírito; não se tratava de um humorista nem de um ironista, mas de alguma coisa de muito diferente. Em nossos dias fala-se demasiado de ironia e de humor, sobretudo aquelas pessoas que não conseguiram nunca fazer nada, mas que, apesar disso sabem explicar tudo. Pessoalmente não desconheço essas duas paixões, sei um pouco mais acerca delas do que se diz nas coleções alemãs e germano-dinamarquesas. Sei, por conseqüência, que são essencialmente diferentes da paixão da fé. A ironia e o humor refletem-se sobre si próprios e pertencem, por isso, à esfera da resignação infinita; encontram seus motivos no fato de o indivíduo ser incomensurável com a realidade. § Apesar do mais vivo desejo, não posso efetuar o último, o paradoxal movimento da fé, quer ele seja dever ou outra coisa. Tem alguém o direito de afirmar que pode fazê-lo? Cabe-lhe a ele decidir [“Has he ever tried to be happy?” Black Sabbath]; é um assunto entre ele e o ser eterno, objeto da fé, saber se pode, a esse respeito, acomodar-se. O que está ao alcance de qualquer homem é o movimento da resignação infinita e, pela minha parte, não hesitaria em acusar de covardia quem quer que se julgasse incapaz de o realizar. Porém, em relação à fé, já é uma outra questão. Não é permitido a ninguém fazer acreditar aos outros que a fé tem pouca importância ou é coisa fácil, quando é, pelo contrário, a maior e a mais penosa de todas as coisas. § A história de Abraão é interpretada de outra maneira. Celebra-se a graça de Deus que outorgou Isaac pela segunda vez; em toda a história não se vê senão uma prova. Uma prova: é dizer muito e pouco: e, no entanto, passou-se em menos tempo do que leva a contá-lo. Cavalga-se no Pégaso e, num abrir e fechar de olhos, está-se em Morija, avista-se o cordeiro; esquece-se de que Abraão fez a caminhada ao passo lento do seu burro, que levou três dias de viagem e que lhe foi necessário um pouco de tempo para acender o fogo, ligar Isaac e afiar a faca. § No entanto, faz-se o elogio de Abraão. O pregador pode dormir sossegado até o último quarto de hora que antecede o seu discurso, e o auditório pode adormecer escutando-o, porque, de um lado e de outro, tudo se passa sem dificuldades nem inconvenientes. Mas, se há na assembléia um homem atingido de insônia, talvez regresse a casa e, sentando-se no seu canto, pense: Tudo isso se resume num momento; espera apenas um minuto, verás o cordeiro e a prova terá terminado. Se o orador o surpreende nesta disposição, imagino que vai avançar para ele, muito digno, para o invectivar: Miserável! Como podes abandonar a tua alma a tal loucura! Não há milagre [prodígio] algum e toda a vida é uma prova!, e à medida que vai falando, inflama-se, sente-se cada vez mais contente consigo mesmo; e de tal maneira que, se durante o sermão sobre Abraão não se congestionara, sente agora incharem-lhe as veias da testa. E talvez acabe mesmo por perder o fôlego e a palavra, se o pecador lhe responder com tranquila dignidade: Olha que eu queria pôr em prática o teu sermão de domingo passado. § Ou nos é necessário eliminar de uma vez a história de Abraão, ou então temos que compreender o espantoso e inaudito paradoxo que dá sentido à sua vida, para que possamos entender que o nosso tempo pode ser feliz como qualquer outro [Abraão morreu e eu já não me sinto muito bem...], se possuir a fé [existem factualmente duas ou mais formas de se chegar à verdade; a fórmula anticristã pode ser considerada a verdadeira fé a qual busca esse tempo; o novo pathos; uma vez que não se depende de Deus para consumar seu próprio movimento, ou não de um só]. Se Abraão não é um zero, um fantasma, um personagem de opereta [e ele não é Filho de Deus tampouco], o pecador nunca será culpado de tentar imitá-lo; mas convém reconhecer a grandeza da sua conduta para ajuizar se tem a vocação e a coragem de afrontar uma prova semelhante. A única contradição do pregador consiste em que faz de Abraão um personagem insignificante, ao mesmo tempo que exorta a tomá-lo como exemplo. § Urge então abster-nos de pregar acerca de Abraão. Creio, no entanto, que não. Se porventura tivesse que falar sobre ele, pintaria antes de mais a dor da prova. Para terminar, sorveria como sanguessuga toda a angústia, toda a miséria e todo o martírio do sofrimento paternal para apresentar o de Abraão, fazendo notar que, no meio das suas aflições, ele continuava a crer. Recordaria que a viagem durou três dias e ainda uma boa parte do seguinte; e mesmo esses três dias e meio duraram infinitamente mais tempo que os milhares de anos que me separam do patriarca. Chegado a esse ponto, lembraria que, segundo a minha opinião, todos podem dar meia volta antes de subir a Morija, que todos podem a cada momento arrepender-se da decisão e voltar para trás. Agindo desta maneira, não corro nenhum perigo nem receio, sequer, de despertar em alguns o desejo de sofrerem a prova tal como Abraão. Mas, se alguém quer introduzir uma edição popular de Abraão convidando todos a imitá-lo, cai no ridículo. § É agora meu propósito extrair da sua história, sob forma problemática, a dialética que comporta para ver que inaudito paradoxo é a fé, paradoxo capaz de fazer de um crime um ato santo e agradável a Deus, paradoxo que devolve a Abraão o seu filho, paradoxo que não pode reduzir-se a nenhum raciocínio, porque a fé começa precisamente onde acaba a razão.


“Carecendo de estudos aprofundados e usando e abusando de certas frases, a algumas pessoas se ouve dizer que uma luz brilhante ilumina o mundo cristão, enquanto o paganismo se encontra mergulhado nas trevas.”


“como diz Boileau, um tolo encontra sempre um tolo ainda maior que o admira. A fé é justamente aquele paradoxo segundo o qual o Indivíduo se encontra como tal acima do geral, sobre ele debruçado (não em situação inferior, pelo contrário, sendo-lhe superior) [a prometida explicação do Indivíduo como conceito em letra maiúscula em Kierk.] e sempre de tal maneira que, note-se, é o Indivíduo quem, depois de ter estado como tal subordinado ao geral, alcança ser agora, graças ao geral, o Indivíduo, e como tal superior a este; de maneira que o Indivíduo como tal encontra-se numa relação absoluta com o absoluto.“A fé é este paradoxo; se assim não suceder (são estas as consequências que rogo ao leitor tenha constantemente presentes no seu espírito, porque seria fastidioso recordá-las a cada passo), se assim não suceder, jamais houve fé”



Escrito por a mosca filosófica às 19:29
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


TEMOR E TREMOR - cont.

“A história de Abraão comporta esta suspensão teleológica da moralidade.” “no lance não é, nem por um só momento, herói trágico, mas algo muito diferente: um crente ou um assassino. Falta-lhe a instância intermediária que salva o herói trágico.” “quando o áugure [oráculo] cumpre a sua tarefa e declara que o deus reclama o sacrifício de uma jovem, o pai deve então, heroicamente, efetuar tal sacrifício.” “Oh, busto encantador, oh, belas faces, cabelos loiros e doirados. (Ifigênia em Áulide, v. 687).” “Porém, todo o homem bem-nascido, toda a mulher generosa compreenderá Jefté e todas as virgens de Israel invejarão a virgem imolada; porque para que serviria a vitória assim obtida pelo voto, se Jefté não o respeitasse? Não seria ela retirada ao seu povo?” “se Jefté, sem estar ligado por um voto de que dependessem os destinos do seu povo, tivesse dito à filha: chora durante dois meses a tua breve juventude, porque te vou imolar [o mais encantador deste caso é que a promessa foi generalizada e abstrata, e a virgem foi eleita acidentalmente, ou seja, foi mais culpa de sua afoiteza ao ir receber o pai vitorioso que dele próprio]; se Brutus houvesse tido um filho irrepreensível e mesmo assim mandasse os litores executá-lo, quem os teria compreendido? Se, em resposta à pergunta: por que agiste assim? tivessem dito: é uma prova à qual fomos submetidos, tê-los-iam compreendido melhor?” “A diferença que separa o herói trágico de Abraão salta aos olhos. O primeiro continua ainda na esfera moral.” “Se pudéssemos evocar a ira da divindade, essa cólera teria unicamente por objeto Abraão, cuja conduta é assunto estritamente privado, estranho ao geral [pré, mas, também, noutro sentido, pós-pactual].” “o herói trágico renuncia ao certo pelo mais certo, e o olhar pousa nele com confiança. Mas aquele que renuncia ao geral para alcançar algo mais elevado, mas diferente, que faz?” “Não se pode chorar Abraão. Aproximamo-nos dele com um horror religiosus


“graças te sejam dadas, nobre Shakespeare, que podes dizer todas as coisas, absolutamente todas, tal como elas são!”


“Ao negar-se que esta forma se presta à repetição de tal forma que não seja o pecado, Abraão está condenado.” Uma exceção fundadora; mas não fundadora de um precedente! Pode-se até repetir Prometeu... Não seremos mais ou menos culpados que ele... Todos quereriam ser Aquiles... Contudo, ninguém quereria ser Abraão...


“Como é que, por conseguinte, o Indivíduo se assegura de que está autorizado? É muito fácil regular a vida pela idéia do Estado ou da sociedade.”


“porque se o nosso tempo tem o defeito de não produzir heróis, tem em compensação a vantagem de nos dar deles caricaturas.” “séculos, senão milênios, separam-nos das aflições da vida; não receiam que semelhantes aventuras se repitam; que diria a polícia e os jornais?”


“Se o homem que quer agir pretende chegar logo ao resultado, nunca começará nada.” “sente-se curiosidade por conhecer o resultado como se se tratasse da conclusão de um livro, nada se quer saber da angústia, da tribulação ou do paradoxo. (...) E, no entanto, não há ladrão de igrejas condenado a trabalhos forçados, que seja um criminoso tão vil como o especulador do sagrado, e Judas, que vendeu o seu mestre por trinta dinheiros, não é mais desprezível do que o traficante de ações heróicas.” “e ninguém pensa que se engrandece pelo fato de lhe ter saído o prêmio na loteria [tem certeza?].”


“Maria, indubitavelmente, deu à luz o filho graças a um milagre, mas no decorrer de tal acontecimento foi como todas as outras mulheres, e esse tempo é o da angústia, da tribulação e do paradoxo.” “No entanto, que outra mulher foi mais ofendida do que Maria?” “Ela não é, de maneira alguma, uma formosa dama que brinca com um deus-menino, e até me sinto revoltado ao dizer isto e muito mais ao pensar na afetação e ligeireza de tal concepção.”


“E [Abraão e Maria] não se tornaram grandes por terem escapado à tribulação, ao desespero e ao paradoxo, mas precisamente porque sofreram tudo isso.” “ou Abraão foi a cada momento um assassino, ou então estamos em presença de um paradoxo que escapa a todas as mediações.”


“é na paixão que toda a vida humana encontra a sua unidade, e a fé é uma paixão.”


"Se digo, segundo esta relação, que é um dever amar Deus, enuncio uma simples tautologia, sendo aqui tomado Deus no sentido totalmente abstrato [limita-se à esfera da resignação] de divino, de geral, de dever."


"já Sócrates foi mais longe, muito mais longe, enquanto que, no caso contrário, não a alcançou [a fé]. Fez o movimento infinito do ponto de vista intelectual. A sua ignorância não é outra coisa senão a resignação infinita."


"amor para com Deus pode levar o cavaleiro da fé a dar ao seu amor para com o próximo a expressão contrário do que, do ponto de vista moral, é o dever. Se assim não é, a fé não tem lugar na vida, é uma crise, e Abraão está perdido, visto que cedeu." "o pai deve amar o filho. Esta relação moral está referida ao relativo e opõe-se à relação absoluta [para além da simples resignação] com Deus."


"Um cavaleiro da fé não pode de maneira alguma socorrer um outro. Ou o Indivíduo se transforma em cavaleiro da fé, carregando ele mesmo o paradoxo, ou nunca chega realmente a sê-lo."


"< se alguém vem a mim e não odeia [aborrecer, em tradução alternativa; e ama mais do que a mim na pior e definitiva delas...] seu pai [and mother, na Bíblia anglófona], sua mulher, seus filhos, seus irmãos e irmãs e até sua própria vida, não pode ser meu discípulo. > Lucas 14:26 Esta frase é violenta; quem a poderia escutar?"


"a coragem da fé é o único ato de humildade." "O dever absoluto pode então levar à realização que a moral proibiria, mas de forma alguma pode incitar o cavaleiro da fé a deixar de amar." "É somente no instante em que o seu ato está em contradição absoluta com o seu sentimento, que ele sacrifica Isaac."


"A idéia de igreja, com efeito, não difere qualitativamente da de Estado, desde que o Indivíduo pode entrar aí pela mediação"


"Evita-se, geralmente, citar textos como este de Lucas. Receia-se libertar o homem das cadeias" "pensa-se que existir como Indivíduo é a mais fácil das coisas e por conseguinte interessa constranger os homens a alcançarem o geral." "O herói trágico renuncia a si mesmo para exprimir o geral; o cavaleiro da fé renuncia ao geral para se converter em Indivíduo." "Se supomos relativamente fácil ser Indivíduo, pode-se estar seguro de que não se é cavaleiro da fé: porque os pássaros em liberdade e os gênios vagabundos não são os homens da fé."


É fácil ser pássaro. Difícil é ter asas e não voar. Ah, Ícaro! O barato que sai caro... Desse não se pode dizer que estivesse fazendo cera aos 45 do segundo tempo...


"Para eles, é louco e não pode ser compreendido por ninguém. E no entanto, louco é o menos que se pode dizer. Se não se olha para ele deste ângulo, então considera-se hipócrita, e tanto mais cruelmente quanto mais alto trepou pelo escarpado caminho."


"somente Sara sentiu vacilar a sua fé, e induziu Abraão a tomar Agar como concubina; mas por isso teve de a expulsar."


"trata por tu o Senhor, a quem até mesmo o herói trágico não fala senão na terceira pessoa."


"Só o Indivíduo pode decidir-se se está verdadeiramente em crise ou se é um cavaleiro da fé." "Uma dezena de sectários dão-se as mãos; não compreendem absolutamente nada acerca das crises de solitude que esperam o cavaleiro da fé e às quais não pode subtrair-se porque seria ainda mais terrível abrir caminho com demasiada audácia." "sofre por não poder fazer-se compreender, mas não sente nenhuma vã necessidade de guiar os outros. A sua dor é a sua segurança; ignora o vão desejo; a sua alma é demasiado séria para isso." "O verdadeiro cavaleiro da fé é uma testemunha; nunca um mestre; nisso reside a sua profunda humanidade muito mais significativa que essa frívola participação na felicidade ou na desgraça de outrem, honrada com o nome de simpatia, quando afinal não passa de pura vaidade."


"a fé não é a primeira imediatidade, mas imediatidade ulterior. A primeira imediatidade é do domínio estético, e aqui a filosofia hegeliana pode ter razão."


"Sócrates foi o mais interessado dos homens que viveram, e a sua vida a mais interessante das vidas vividas" "O interessante é, aliás, uma categoria limite, nos confins da estética e da ética."


"um ou dois predicados podem revelar um mundo." "o pensador de há muito fatigado com a superficial onisciência dos vulgarizadores sistemáticos."


"Daí ser o efeito produzido por uma tragédia grega análogo à impressão que se recebe ao ver uma estátua de mármore à qual falta o poder do olhar. A tragédia grega é cega. (...) Um filho mata seu pai, mas só então sabe que é parricida. Uma irmã sacrifica o irmão, cujo parentesco só lhe é revelado no momento decisivo. Esse gênero de trágico não pode, de forma alguma, convir à nossa época de reflexão. O drama moderno desembaraçou-se do destino" "Se se oculta algo que não tem sentido, temos uma comédia"



Escrito por a mosca filosófica às 19:19
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


TEMOR E TREMOR - cont. - final

"a estética faz caso omisso do tempo"


"A idéia estética contradiz-se desde que tenha de ser executada na realidade."


 

"Ora, sem dúvida alguma, as lágrimas são um terrível argumentum ad hominem, e comovem por vezes aquele que nada ainda demovera."


"Amor ao deixar Psiqué, diz-lhe: Se tu guardares silêncio, darás ao mundo uma criança que será deus, mas se atraiçoares o segredo, será homem."


"Geralmente são as vicissitudes do mundo finito que se encarniçam como espíritos malignos contra os amantes, procurando separá-los; mas o amor tem o céu a seu lado e eis porque esta santa aliança triunfa de todos os inimigos."


"não sou poeta; deixo-me guiar simplesmente pela dialética." "mestre de dança com quem o poeta se confunde hoje com freqüência."


"é-lhe impossível entregar-se fielmente a uma rapariga, porque é apenas um tritão [monstro marinho]." "os sedutores até a conhecem, podemos mesmo dizê-lo, de olhos fechados, e lançam-se sobre ela como o tubarão sobre a presa." "o único recurso contra o sedutor é a inocência." "no mundo do espírito, só é enganado quem se engana a si próprio."


"Não merece a vida que dela se riam quando aos vinte anos já se alcançou a suprema sabedoria?"


"Quando se efetuou o movimento do claustro, não resta senão um, o do absurdo." "quantos têm a franqueza de reconhecer o que podem e aquilo de que não são capazes? E se acaso um se encontra, não é sobretudo entre as pessoas de menor cultura e principalmente entre as mulheres?"


"Seria de fato necessária à nossa época a ridícula aparição de um profeta para ter um motivo de riso?"


"Sara é uma jovem que nunca amou; conserva ainda essa felicidade da rapariga que constitui o seu precioso título de prioridade na vida, o seu Vollmachtbrief zum Glücke"


"quando a desgraça vem de fora, ainda se pode encontrar alguma consolação."


"Porque nunca alguém escapou ou escapará ao amor enquanto houver beleza e olhos para ver (Longi Pastoralia, Prólogo, 4)." Um cego de nascença pode amar no mesmo sentido que nós?


 

"E leia-se ainda a narração do momento das núpcias, se as lágrimas não velarem os olhos"


"O monólogo do primeiro ato de Ricardo III vale mais que todos os sistemas de moral sem sombra dos terrores da vida ou do seu significado"


"dogs bark at me, as I hait by them."


"Sempre se quis olhar para as bruxas, duendes, gnomos, etc., como se fossem monstros. Que injustiça! Melhor seria acusar a vida de haver ela própria depravado esses seres como madrasta que desnatura as crianças que não são seus filhos."


"Sabe Deus quais são as leituras dos nossos jovens poetastros! Os seus estudos consistem, na maior parte, em decorar rimas."


"cada época tem o seu Fausto" "o meu Fausto liga-se de tal forma à idéia que não pertence a esses sábios incrédulos que do alto das suas cátedras reservam uma hora por semestre para duvidar"


"Ouvem-se, por vezes, pessoas que se lamentam ao verem um excêntrico provocar o turbilhão da dúvida: Se pelo menos não tivesse dito nada!, exclamam."


"Hegel nada compreendia da ironia"


"Se as pessoas que, nos nossos dias, vão lançando palavras ao vento a respeito da idéia de comunidade se dessem somente ao trabalho de ler o Novo Testamento, talvez pensassem de outra maneira."


"Este herói trágico intelectual deve ter e guardar a última palavra, o que freqüentemente se procura dar de forma cômica. (...) Tomemos Sócrates como exemplo. (...) Se, por acaso, Sócrates se tivesse calado nessa crise de morte, haveria atenuado o efeito da sua vida" "nenhum poeta se pode aproximar de Abraão"


“cada geração recomeça como se fosse a primeira, nenhuma tem uma tarefa nova além da tarefa da anterior, e não chega mais longe, a menos que haja atraiçoado a sua obra, que se haja enganado a si própria.” “Quando as crianças, num dia feriado, esgotaram antes do meio-dia todo o ciclo dos jogos e exclamam com impaciência: não há ninguém que invente um jogo novo?, prova isso que essas crianças estão mais desenvolvidas e mais adiantadas que as da mesma geração anterior para quem os jogos conhecidos bastavam para preencher um dia?” “essa meiga seriedade, que é sempre necessário possuir para brincar”


“É preciso ir mais além, é preciso ir mais além. Esta necessidade é velha sobre a terra.” “o obscuro Heráclito disse: não se pode mergulhar duas vezes no mesmo rio. Heráclito tinha um discípulo: este não se deteve aí e por isso foi mais além acrescentando: nem mesmo uma vez o podemos fazer. Pobre Heráclito, que teve um tal discípulo! A sua frase foi, com esta correção, transformada na fórmula eleática que nega o movimento: e no entanto esse discípulo apenas desejava ser um discípulo de Heráclito, que fosse mais além que seu mestre e não regressasse àquilo que Heráclito havia abandonado.” Trágica circunferência. Como podemos ver por passagens anteriores, este movimento é deletério e pernicioso. K. fecha magistralmente sua obra, usando da arte que tanto conhece, a ironia. O defeito de nossa época é tentar ir além, e de fato ir, verborragicamente; mas sem saber do que diz. Afinal, o movimento da fé é o último e definitivo. Ele é insuperável. Teria sido melhor para o discípulo de Heráclito, neste caso, conservar o silêncio.



FIM DO LIVRO P.D. A SEGUIR, TEMOS AS NOTAS, OU DO TRADUTOR, OU DO EDITOR OU DO PRÓPRIO K.:


“Dizia-se dantes: < Desgraçadamente a vida não é como o sermão do pastor >; talvez chegue o tempo em que poderá dizer-se < Felizmente a vida não é como o sermão do pastor, porque a vida, apesar de tudo, tem algum sentido, enquanto o sermão não tem nenhum. >.”


“A mediação é uma quimera que, em Hegel, tudo deve explicar e que constitui, ao mesmo tempo, a única coisa que ele jamais tentou explicar.” Para K., a mediação, sozinha, não explica o movimento da fé.


“o nosso tempo tem, em certo sentido, demasiada saúde para morrer porque o fato de morrer constitui um dos mais notáveis saltos que existem.”


“O herói trágico renuncia ao desejo para cumprir o dever. Para o cavaleiro da fé desejo e dever são igualmente idênticos, mas encontra-se na necessidade de renunciar a um e a outro. (...) O herói trágico exprime um dever superior, mas não absoluto.


“Lessing não foi somente um dos cérebros mais compreensivos de Alemanha; não foi unicamente servido por uma rara segurança de erudição, que permite apoiar-se com toda a confiança nas suas análises, sem receio de ser enganado por citações sem sentido, por frases semicompreendidas, extraídas de coleções duvidosas, ou ser desorientado pela ruidosa publicação de novidades que os antigos haviam exposto muito melhor, ele teve ao mesmo tempo o dom extremamente raro de explicar o que havia compreendido. E nisso se manteve; nos nossos dias vai-se mais longe: explica-se o que se não compreendeu.


“Um amante enganou-se; viu a bem-amada à luz da lâmpada e supôs que tinha cabelos castanhos, mas, de dia, ela é loura e é a irmã que encarna o ideal. Eis ainda assunto para poesia. Em minha opinião, todo homem deste gênero é um Labão bastante insuportável na vida, e merece ser assobiado quando quer fazer algo de importante em poesia.”


“A estética é a mais infiel de todas as ciências. Quem quer que a tenha amado verdadeiramente, torna-se, de certa maneira, desgraçado; mas aquele que nunca foi atraído por ela é e ficará um pecus [rebanho; ovelha].”


“é preciso antes de tudo penetrar em si mesmo para descobrir a predisposição para o mal. Não é mister que [eu] aluda a Pitágoras e Sócrates, os dois representantes propriamente ditos do conhece-te a ti mesmo característico da concepção grega da vida”


“Jamais existiu gênio algum sem laivos de demência.”


“o ironista sabe que se pode ainda, por um instante, permitir à mulher esconder os olhos atrás do leque, enquanto fala, mas que ela ri por debaixo da máscara”



Escrito por a mosca filosófica às 19:15
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


NIETZSCHE & A FILOSOFIA - Deleuze

--2/1/15 a 19/4/15--


"O ser da força é o plural" "E o ponto no qual se dá a ruptura de N. com Scho. é preciso: trata-se justamente de saber se a vontade é una ou múltipla."


Eu... Eu não valho nada. Eu só... Eu só valho massacrando outros e sendo massacrado por outros.


"O pluralismo tem às vezes aparências dialéticas; ele é seu inimigo mais esquivo, o único inimigo profundo." "Dizer que a dialética é um trabalho e o empirismo um gozo basta para caracterizá-los."


À procura de um dragão. Com "d" de desafio.


"A Origem da Tragédia silenciava sobre o cristianismo, não identificara o cristianismo."


Dionísio contra o Maior Super-Herói do Mundo


"A flor é a antítese da folha, ela < refuta > a folha, eis aí uma descoberta célebre cara à dialética."


O meu pingue-pongue é irregular, você não pode me ganhar!


"a santa Trindade, o sonho prodigioso da má consciência."


E quando a tragédia bate a sua porta?


Um som cheio de brio. Um sombreiro sombrio.


Tudo que tem início, meio e fim tem uma moral.


Os meios justificam outros meios.


"A dialética, em geral, não é uma visão trágica do mundo, mas, ao contrário, a morte da tragédia"


dialética estacionária de mi'alma pela meta-de


Uma obra cheia de dobras, sobras e man-obras.


Estou tão sem fala quanto um filme de 1920.


De ti me livro para ler um livro.


"Em relação ao cristianismo os gregos são crianças. Sua maneira de depreciar a existência, seu < niilismo >, não tem a perfeição cristã." "a existência é culpada, mas são os deuses que assumem a responsabilidade da falta. Esta é a grande diferença entre a interpretação grega do crime e a interpretação cristã do pecado." "Mas esta grande diferença diminui com a reflexão."


P. 18: "Na verdade, raramente levou-se tão longe, em todas as direções, a eterna tarefa de depreciar a vida. Mallarmé é o lance de dados, mas revisto pelo niilismo, interpretado em perspectivas da má consciência e do ressentimento."


"Ressentimento não é psicologia, mas, sem o saber, toda nossa psicologia é a do ressentimento." Como as pregações do Dr. Peixoto.


válvula de escalpe

valvulva de escape

válvula de resgate centrípeta,

gravidade


dores muscular-espirituais


"Devemos compreender que o instinto de vingança é o elemento genealógico de nosso pensamento, o princípio transcendental de nossa maneira de pensar. A luta de Nie. contra o niilismo e o espírito de vingança significará, portanto, a derrubada da metafísica, fim da história como história do homem, transformação das ciências. E, na verdade, nem mesmo sabemos o que seria um homem desprovido de ressentimento. Um homem que não acusasse e não depreciasse a existência, seria ainda um homem, pensaria ainda como um homem? Já não seria algo distinto do homem, quase o super-homem?"


Por que não me mato hoje? Ora, porque quero me transformar ainda algumas vezes e fruir as diferenças e porque quero pensar no que responder para essa pergunta mais tarde, daqui 20 anos, quem sabe.


"Nenhum filósofo, ao descobrir aqui ou ali a essência da vontade, deixou de gemer sobre sua própria descoberta." "Não se deve esperar estar na infelicidade, é preciso começar na felicidade, em plena maturidade viril, no fogo desta alegria ardente" N. "< Um ser mais poderoso, um sábio desconhecido - que se chama si. Ele habita teu corpo, ele é teu corpo. > A verdadeira ciência é a da atividade, mas a ciência da atividade é também a ciência do inconsciente necessário."



Escrito por a mosca filosófica às 16:38
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


NIETZSCHE & A FILOSOFIA - Deleuze (cont.)

O eterno retorno do não-mesmo: "não é absolutamente um pensamento do idêntico, mas sim um pensamento sintético, pensamento do absolutamente diferente que exige um princípio novo fora da ciência."


A tarântula sempre me persegue, mas nunca me alcança

Um brinde ao ser, digo, ao nada, de copo cheio

Os gregos, agora posso dizer, eram fracos


"A infinidade do tempo passado significa apenas que o devir não pôde começar do devir, que ele não é algo que se tornou. Isto é, o tempo passado sendo infinito, o devir teria atingido seu estado final se tivesse um estado final. ...e não teria saído do estado inicial se tivesse algum." [para minha plaxão paitônica]


Quantos infinitos precisarão passar para você ser minha?

Quantos microssegundos?


"O instante que passa jamais poderia passar se já não fosse passado ao mesmo tempo que presente, se o presente não passasse por si mesmo"


o IDIOMALUCO que falava todas as línguas mas não entendia.


buraco do negrume, cheio de chorume

perdeu o lume

despencou do cume

levante, se arrume

pisador de estrume

afie o seu gume

escore no tapume

cuspa o azedume

não respire, só fume

assim serás imune

suas palavras serão

só perfume


"Por um lado Sócrates não compreendeu, por outro não ouviu, excessivamente animado pelo ressentimento dialético e pelo espírito de vingança. Logo ele, tão exigente para com os outros, tão minucioso quando lhe respondem..." 


tateeiaatéacharte


Genealogia da M.: "Essa necessidade de chegar à aristocracia é profundamente distinta das aspirações da alma aristocrática, é o mais eloqüente e o mais perigoso sintoma de sua ausência."



Escrito por a mosca filosófica às 16:36
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


NIETZSCHE & A FILOSOFIA - Deleuze (cont.)

VdP: "Mas a natureza superior do grande homem reside em ser diferente dos outros, incomunicável, de um outro nível."


Ecce Homo: "Em toda a minha vida não se encontra um único traço de luta, sou o oposto de uma natureza heróica"



e tchê homo, o homem-gaúcho


Vale mais o que quer morrer ou viver?

Só sei que vale menos o que quer viver para sempre


P.42: "Finalmente, com Nietzsche em relação a Kant dá-se o mesmo que com Marx em relação a Hegel. Mas essa analogia, longe de aproximar M. e N., separa-os ainda mais profundamente. Isto porque a dialética nasceu da crítica kantiana tal qual era. Nunca teria havido a necessidade de recolocar a dialética de pé, nem de modo algum < fazer dialética >, se a própria crítica não estivesse inicialmente de cabeça para baixo."


"A estranha declaração de Leibniz pesa ainda sobre a filosofia: produzir verdades novas, mas, sobretudo, < sem derrubar os sentimentos estabelecidos >"


P. 50: "A filosofia serve para entristecer. Uma filosofia que não entristece a ninguém e não contraria ninguém não é uma filosofia. Ela serve para prejudicar a tolice, faz da tolice algo de vergonhoso." "Fazer homens livres, i.e., homens que não confundam os fins da cultura com o projeto do Estado, da moral ou da religião. Vencer o negativo e seus falsos prestígios."


A escavação do reencontro


"a mistificação da filosofia começa a partir do momento em que esta renuncia a seu papel..." "Após Lucrécio, como é possível perguntar ainda: para que serve a filosofia?"


Algumas coisas noivam melhor com o silêncio. Só não casam porque o silêncio não diz "sim".


Eu preciso da tolice... em níveis homeopáticos.

Se de perto ninguém é normal, de longe todos o são.


P. 54: "Concluir-se-á imediatamente daí que nenhuma felicidade, nenhuma serenidade, nenhuma esperança, nenhum orgulho, nenhum gozo do instante presente poderiam existir sem a faculdade do esquecimento" N.


"Em N., assim como em Freud, a teoria da memória será a teoria de duas memórias."


Excelente nota de rodapé sobre a relação Nie.-Freud. O 2º teve um discípulo rebelde, Otto Rank: "sou para Freud o que N. era para Schopenh." - livro: A Vontade de Felicidade. Mais um que entendeu "o erro de Aristóteles". Vamos recrutar os tipos?

 

"o homem do ressentimento é um cão" "É [o sacerdote judeu] que concebe o amor, um novo amor, que os cristãos assumem, como a conclusão, o coroamento, a flor venenosa de um ódio inacreditável."


"sobre as falsificações de N. pelos nazistas, cf. o livro de M.P. NICOLAS, De Nietzsche a Hitler (Fasquelle, 1936)."


Excerto de Além do Bem e do Mal:

"o gosto pelo Antigo Testamento é uma pedra de toque da grandeza ou da mediocridade das almas... Ter colocado juntos, numa mesma capa, o Antigo Testamento e o Novo, que é, em todos os sentidos, o triunfo do gosto rococó, para fazer deles um único e mesmo livro, a Bíblia, o Livro por Excelência, é talvez o maior despudor e o pior pecado contra o espírito do qual a Europa literária se tornou culpada."


"Em tudo isso encontra-se a ambição de N.: mostrar que, lá onde os dialéticos vêem antíteses ou oposições, existem diferenças mais sutis para descobrir, coordenações e correlações mais profundas para avaliar"


Bergson - As Duas Fontes



P. 63: cultura para N: "Lembrar-se da promessa feita não é lembrar-se de que foi feita em tal momento passado, mas de que se deve mantê-la em tal momento futuro." [grifos meus]


"É minha culpa, este é o grito de amor com o qual, nossas sereias, atraímos os outros e os desviamos de seu caminho."


Anticristo: "A alegre mensagem foi seguida de perto pela pior de todas: a de São Paulo. Quantas coisas esse dysangéliste sacrificou ao ódio!"


VdP I 366,390: "SP < interpretou > a morte de Cristo como se Cristo morresse por nossos pecados"


- Você vai pagar pra ver?

- Eu já paguei há muito tempo.


Ainda não chegamos à neura ortográfico-sintática de Deuslize.


taedium vitae


"O que é piedade? É essa tolerância para com os estados da vida próximos do zero."


Sobre Jesus: "Dava uma nobreza ao niilismo passivo [fase 3], quando os homens ainda estavam no niilismo negativo [fase 1], quando o niilismo reativo [fase 2] apenas iniciava." Uma ordem lógico-didática do niilismo difícil de engolir. "Cristo não era judeu nem cristão, mas budista"



Escrito por a mosca filosófica às 16:28
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


NIETZSCHE & A FILOSOFIA - Deleuze (cont. - final)

Deus está morto.

O homem marxista está morto.

Um Eu qualquer está morto, e eu já me sinto muito bem.

 

"A dialética ignora os deslocamentos topológicos, as variações tipológicas." "toda sua teoria da má consciência deve ser compreendida como uma reinterpretação da consciência infeliz hegeliana"

 

"um sintoma, nada mais do que um sintoma" "Na verdade, para o olho do genealogista, o trabalho do negativo é apenas uma grosseira aproximação dos jogos da vontade de poder."

 

Arvon - Aux sources de l'existencialisme

 

"Stirner fere a verdade da dialética no próprio título de seu grande livro: O Único e sua Propriedade."

 

"Rivalizando com a teologia, a antropologia faz de mim a propriedade do Homem." "Sabemos o que significam as famosas transformações hegelianas: elas não esquecem de conservar piedosamente. A transcendência permanece transcendente no seio do imanente." "O eu não é tudo, mas destrói tudo." Stirner "A dialética gosta da história e a controla, mas ela própria tem uma história da qual sofre e a qual não controla." "sempre tratou-se, para Marx, de parar esse escorregador fatal." "um último avatar [da dialética], o avatar socialista" "A dialética tem menos aventuras do que avatares" Merleau-Ponty - Les aventures de la dialectique

 

Rei Alfa e Rei Ômega ao seu dispor. Quando estaremos no meio de nossa entrevista?

 

"o niilismo é o conceito a priori da história universal: por isso vencer o niilismo, liberar o pensamento da má consciência e do ressentimento, significa superar o homem, destruir o homem, mesmo o melhor."

 

Ênfase excessiva no agora. É, qual é o seu problema?

Não é nada!

 

"É preciso defender os fortes contra os fracos, mas sabe-se o caráter desesperado desse empreendimento. O forte pode opor-se aos fracos, mas não ao devir-fraco que é o seu, que lhe pertence sob uma solicitação mais sutil."

 

"Os visitantes de Z. não se sentem como falsos homens superiores, sentem o homem superior que são como algo falso. (...) é como objetivo atingido que ele é também objetivo falhado." "Devemos portanto recusar toda interpretação que apresente o s-h como tendo sucesso ali onde o homem superior fracassa. O s-h não é um homem que se ultrapassa e consegue se ultrapassar. Entre o s-h e o homem superior a diferença é de natureza, tanto na instância que os produz como no objetivo que eles atingem" "Não podemos também seguir uma interpretação como a de Heidegger que faz do s-h a realização e mesmo a determinação da essência humana." O s-h é o contrário do h-s. Cuidado na travessia da ponte!

 

P. 76: "Não acreditemos que o s-h de N. seja um sobrelanço: difere do homem, do eu, por natureza." "nova maneira de sentir" ad infinitum... Não existe quem diga: "Olá! Hoje eu sou um ex-tolo!" Já se nasce com a MARCA. Para ser um Rbn. ou Rf. Estava na natureza do Luan ler mal e ter voz grossa. Certas vezes "sempre soubemos" de algo. O tempo só traz carimbos e confirmações. Nossa preciosa arma contra todas as Lvs. do mundo! É como se todo esse tempo se tratasse de desvendar minhas próprias biografias... autorizadas com certeza. Eu autorizei amanhã.

O poetanalista que escreve coisas lindas pra família. De mordacidade adormecida  e invisível, inigualável. Portal honra devo ser agraciado. Um dia. O tímido imoral, sedentário corredor de uma cidade só. Que não pára num engarrafamento para comprar um carro. Negro por dentro. Semi-árido por dentro. Nada de São nem Seu Francisco. Ouvidos muito talentosos os meus, que sabem (in)filtrar (con)t(e)údo. Tudo cone. Come tudo sem contenção.

 

A armadilha dos h-s no livro IV: "Deus sentiu piedade pelo homem, essa piedade foi a causa de sua morte; a piedade pelo homem superior é a tentação de Z. que o faria morrer por sua vez."

 

"Aproximar-nos-emos de uma solução à medida que compreendermos por que a transmutação constitui o niilismo acabado. A crítica dos valores conhecidos até este dia só será uma crítica radical e absoluta, que exclua todos os compromissos, se for conduzida em nome de uma transmutação, a partir de uma transmutação." "< Até este dia > designa o dia da transmutação."

 

P. 80: o que quer morrer: "pai e ancestral do s-h." "Ponto supremo focal ou transcendente, Meia-noite" Na práxis, o último dos homens é só o penúltimo homem.

 

Resumo do aprendizado de ontem (18/4): Super-homem, o ser novamente falível.

Pân-tanatos, a vontade de morrer em todo canto, fazendo o homem-animal chafurdar. Ninguém ouve seu eco, a vegetação espessa é uma barreira sonora. Ignora-se um Tarzan. Ignora-se. Sagra-se macaco-gênioso.

 

O bom fumante nunca deixa a cinza cair como peteca.

 

"afirmar nada mais é [para o asno] que carregar, assumir. Aquiescer ao real tal qual é, assumir a realidade tal qual é." Contra Prof. Rodrigo Dantas.

 

"O mundo não é verdadeiro, nem real, mas vivo." "Viver é avaliar."

 

"Enquanto a mulher ama o homem, enquanto é mãe, irmã, esposa do homem, mesmo que seja do homem superior, ela é apenas a imagem feminina do homem: o poder feminino permanece acorrentado na mulher."

 

Ah, pô, Dite cu!

 

"Zaratustra inteiro é afirmativo: Mas Z. não é a afirmação inteira, nem o mais profundo da afirmação."

 

"Não há compromisso possível entre Hegel e Nie."

 

"O asno sob a pele do leão é o que Nie. chama < o homem deste tempo >."



Escrito por a mosca filosófica às 16:23
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


AS MULHERES E O FOOTBALL

É bem verdade que muita mina gosta de futebol. Mas elas ainda estão na pré-História nisso se comparadas com os homens.


Só existem 2 classes de mulher: as que não acompanham/não sabem nada/odeiam futebol e as completamente fanáticas, que perdem as estribeiras.


Elas não sabem ser um meio-termo, não aprenderam ainda a "naturalizar" o gosto pelo esporte bretão.


Eu não gostaria de namorar uma mina assim: deixa o namorado chupando o dedo e adia todos os compromissos, enverga sua camisa de time europeu e, pra ela, durante aquelas 2h, só existe aquele canal de TV. Ou é isso ou ela desiste de vez de acompanhar. Não é capaz de ser casual.



Escrito por a mosca filosófica às 16:18
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


PASSADO PROFÉTICO

30/3/15

 

tudo nele é ativo ou acionado...

embora pareça e pereça um escravo

eu escrevo

quando se vingar é o outro vingar,

já não há mais sentido, só vagar

quem se vinga da pinga só bebe ressaca

quem ressente a emoção só empalidece de raiva

quem reinassopra, não morde

rês sem timento

sem a coisa

timorato tímido

morra, mito!

 

Alerta vermelho da minha cabeça. Não pede minha opinião para emitir a sua. O alerta diz: desperta, eles não são quem dizem que são! Você vai sofrer as chagas, pagar por se misturar com a gentalha. Retalhar suas amizades. Vai engordar, enfeiar, deformar, até reencontrar o seu caminho. Vai sofrer a punição que a promessa encerrava no reverso da moeda, como um adorno a uma escultura tosca já chegou a insinuar. Tremeliques e risinhos, cruel demais de suportar. Rafael com RÁ! de rabisco. Obelisco. Basilisco. Manda rezar o bispo. Olha o que você fez: a tua obra! Lembre-se que enquanto você não vir um ônibus, sempre se mantém fiel a si mesmo. Dá uma pausa de vez em quando, pra desfrutar do ambiente, da promessa.

 

A superficialidade não me favorece.

Dê-me um lago negro em que me enterrar.

Pra ficar irreconhecível e no meu terreno

auferir vantagens, finalmente

Ao ferir os sentimentos

de quem olha torto desdenhoso

porque não estou na moda

porque minha barba é rota

barba-ruiva

bárbara ruiva



Escrito por a mosca filosófica às 20:25
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


A GENEALOGIA DO GOL

duplamente renitente

bate de frente, não há quem agüente

 

A vontade de nada é o limite último daquele universo regido pela vontade, onde não cabe nenhum nada, a não ser o da vontade, o patrocinado pelo querer, o querido.

 

Só o reativo pode vencer o reativo. Guerra de espelhos.

 

Só o reativo pode vencer o ativo. Ironia.

 

Como o homem-bomba que se suprime para vencer

o establishment morre sentado no vaso, de bobeira

ou porque aciona sem querer a bomba atômica -

ele venceu!

 

Sufocado pela minha própria glória, eu sigo escravo.

Nos bastidores é que se entende o universo.

No universo em si, já não se sabe mais onde está, e quais são as regras.

Pedi bangu e fui com tudo até a minha meta.

Pedi bangu e fui, contudo, até a minha meta (gol contra)

Pedi bangu e fui conde volta

tragou o gol contra - estragou



Escrito por a mosca filosófica às 20:15
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


POEMA DO PSEUDO AD ETERNUM

Desdo infinito estou aqui nessa poltrona, cagando pra vida

Significa que ou minha bunda de caveira está mui dura e dormente,

ou já estive aqui antes mas hoje não mais, só não sei disso,

embora saiba, isto é,

só não sei o meu aqui agora, mas na verdade teria que ser lugar nenhum, porque não é nenhum outro lugar

Coopreendeu? Comptou?

Por que eu? E não uma [ma]ria[na] ou um[a] car[olin]a estranho?


               [E]d[u]ardo na testa do Inferno


É claro, é manifesto

se estive aqui já produzi os efeitos necessários

bem antes de nascer qualquer coisa, dragão, eu ou homem

e se fizeram sentir antes de existir sentimento, eu lamento

frustrar suas expectativas

de vivas autonomias

Não há conflito, só um rito sumário

que se repete desde a época dos sumérios

ou pensando bem de povos vários

Por que me odeias tanto, chama sem chão?

Não ia chegar ao fundo do seu ódio nem sob empurrões

Escuto trovões, são sua consciência querendo se redimir de si mesma.

Peça qualquer prato como última refeição,

pode ser qualquer carne, qualquer suco, detox ou sujo.

 

 

Não é legal quando pensamos com eles, segundo eles, lá fora?

Sobre essa coisa toda, essa crise dos 20 anos,

chamada Verdade? Descobrir que se é vapor de carne, ondulando nas raias e freqüências de rádio misteriosas

sintonizadas em círculo? Rebelde comigo próprio, in-expulso, de boina, prestes a ir comprar sua maior alforria francesa para a cabeça?

Ir ao shopping e à cabeleireira

Tudo podia ser indireta indispensável da grande despensa chamada dispensa das obrigações. Você é o homem indiscreto mais indicado

 

Meu alarme, meu relógio, meu opróbrio

Minha música, seu dilúvio, minha culpa

Na ordem lógica meditamos primeiro para crer depois.

Pois assim é mais metafísico,

menos enjoativo

 

Pluriversos poema sempre em aberto

Duvido você viver sem um ciclo

mergulhando de cabeça e de ponta- pera... que ponta?


Ex-tou ex-aureolado, exaltado, autuado, exaurido



Escrito por a mosca filosófica às 00:35
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


O PORQUÊ DE ESTE MUNDO NÃO SER MELHOR - De Mulher para Mulher // GERADOR DE LERO-LERO INFINITO: Em busca do moto perpétuo movido a excremento. Um incremento para a inteligência do prosador prolixo.

Cara Tonide S. Silva,

 

                Venho por meio desta carta pública tergiversar sobre o primeiro capítulo de seu livro - cujo título é bastante sugestivo - "O porquê de este mundo não ser melhor - Políticos, Religiosos, Empresários.". O que tenho a dizer é de grande importância para mim (um(a) não-mulher), mas nada mudará quanto às perspectivas, esperanças e modos de ser das mulheres-leitoras de todas as condições (a empregada doméstica, figura em extinção; a dona de casa tradicionalista, talvez "a machista" de hoje em dia; a emancipada, feminista clássica ou eu diria pós-moderna, em voga no momento). E, antes que minhas palavras sejam mal-interpretadas, informo que aquilo que eu tenho a dizer também nada mudará na perspectiva dos "homens dos séculos XX e XXI", foco desta reflexão. Não sei se consigo subdividi-los, por minha parte, em garanhões-vitoriosos, fracassados, intermediários, homens-feministas e expurgados do jogo (os homossexuais), como a senhora parece querer fazer em dado momento (ainda que por vezes utilizando-se do simples silêncio e das entrelinhas, como veremos). Arrisco-me, entretanto, a abordar diversos assuntos que eu não vi contemplados nas páginas de "O porquê". É esse o porquê de eu decidir finalmente avançar, mais metódico e, como logo ficará claro, mais intransigente.

                O livro chegou as minhas mãos por uma nossa amiga em comum que, porquanto não foi consultada sobre a possibilidade de ser aqui evocada, prefiro manter em anonimato. As circunstâncias precisas não importam: ganhei este livro de presente; posto que sou escritor amador, fico contente em conhecer materiais de colegas do ramo, obras do submundo, arduamente concebidas e levadas a cabo, e às vezes capazes de emanar ao círculo do mainstream, atingindo alguma notoriedade. Nunca a de um best-seller, o que revoltaria minhas narinas e me demoveria da idéia de entrar em contato com o autor felizardo, tornado então profissional - ainda assim, como negar que nossa meta, nós, os escritores de qualquer estirpe, é a do êxito ideológico e comercial, a despeito do perigo de que ele assassine nossa promissora carreira?

                Em conversa com esta mesma amiga que me regalou o livro, após ter iniciado a leitura, eu disse que discordava veementemente de tudo o que a autora afirmara até então. Mas que ao mesmo tempo não poderia deixar de reconhecer estar usufruindo, durante a tarefa, de uma experiência extremamente agradável, em decorrência de uma certa hilaridade predominante nas linhas. Deliberado ou não, esse efeito hilariante causado pelo texto é digno de elogios e engrandece sua autora. São poucos os livros que insistimos em ler mesmo quando não cessam de nos renegar, humilhar, espezinhar, insultar, menosprezar, estereotipar e, na pior das pontas, adular.

                Fato é que eu poderia proceder a uma crítica avassaladora sem sequer minha intervenção direta, apenas citando os trechos que se contradizem incessantemente aqui e ali, bancar o deus literário imparcial. Todavia, considero este método muito cruel e “desumano” (vocábulo muito corriqueiro no livro “O porquê”). Por isso, assim será a minha crítica: uma carta-resposta à Sra. Tonide, em tom franco e sincero, que tanto dialoga com ela quanto se abre aos infindáveis leitores do meu blogue. Acabo de explicar, sem minúcias excessivas mas também sem ligeirezas e varridas indelicadas e superficiais, minhas razões para esta estranha comunicação.

                Em primeiro lugar, quanto ao conteúdo linear do livro, deixe-me dizer-lhe que a prosa ensaística é um gênero literário morto. Já nada se pode provar ou argumentar com base em textos da espessura do Romantismo, ou de um Neo-classicismo ou Enciclopedismo pré-revolucionários. Esta carta mesmo é suicida, embora quem assina não vá se matar após consumá-la. É que, se eu quisesse realmente chegar a algum lugar, instruir alguém, mexer com o âmago do espírito de um ser pensante, moralizar, teria escolhido a modalidade dos aforismos. Frases soltas e enxutas, a única forma de ser verdadeiro e não-paradoxal hoje em dia. Tudo o mais é floreio e vaidade.

                 Como a senhora Tonide escolheu a prosa e o ensaio, meu trabalho foi facilitado. Não me acomodarei, achando que a batalha já esteja ganha. Se é que há batalha, neste caso. O que há é um sermão: admoestador, mas puro em sua sinceridade de ouro. Estou me referindo à minha carta. Quanto ao objeto de meu discurso, o discurso alheio, se a oradora fosse mais enxuta, certamente ganharia em coesão e coerência. Contudo, o capítulo se estende desmesuradamente e todas as construções de seu “feminismo hippie-revolucionário avant-garde” são desconstruídas pelos poderes coercitivo, reacionário e arcaico de seu próprio pensamento, que é uno e redondo, inconfundível. Um estilo trágico de auto-desmonte argumentativo. Todo o edifício é demolido e desmantelado pelo próprio pedreiro, pelo próprio artífice. A diferença entre o feminismo e o machismo inerentes da autora consiste tão-só no Tempo. Basta passar de uma página à outra para virar a chave e se estontear com o pêndulo semovente de sua dialética de cordinha, sem sair do lugar. Pensando bem, será mesmo difícil para mim: o trabalho já está todo realizado, o que posso fazer além de ligar todos os pontos que se oferecem à vista?

                Eu sugeriria, por exemplo, a inclusão de um Glossário na segunda edição da obra. Uma das primeiras expressões de Tonide, jamais explicada no decurso de sua sabatina, é o “Ser Superior”. Não careceria de definição se se tratasse de um livro religioso. Porém, a autora é atéia demais para admitir que estejamos falando do Deus cristão ou qualquer outro autocrata monoteísta. E, ao mesmo tempo, cri-cri demais para aceitar uma deidade pagã, a-moralista. De qualquer forma, ela não poderia querer uma entidade que não estabelecesse desde já as regras de convivência a não ser que remetesse a um politeísmo, procedimento que não se divisa nem de longe em “O porquê”. Mas este ser cuja identidade ignoramos, o "Ser Superior", permeia de cabo a rabo a "análise social" da mestra Tonide. O porquê da presença dessa forma de se referir a uma divindade ou a uma causa original, causa que não podemos compreender ou decifrar em momento algum, o último recurso de sua retórica, nós ignoramos, neste tímido começo. Talvez no decorrer dos parágrafos fique mais clara a associação: falar de Deus quando o assunto são o homem e a mulher (antes de colapsar para um emaranhado de caos e redundâncias adjacentes) - um belo subterfúgio para não concluir nada; afinal, no frigir dos ovos, "só Deus é que sabe".

                Por enquanto, voltemos ao homem e à mulher. A linha de raciocínio inicial de Tonide é irrepreensível, para uma feminista classificada aquém da ortodoxia, do xiitismo ou do radicalismo supremo do movimento. Ela prega a igualdade homem-mulher em detrimento de um conflito feroz capaz de provar, após "algumas baixas", que a mulher é o "sexo excelente". Teria sido um péssimo começo para um ensaio que não se propõe a ser de ficção científica dar ouvidos a essas minorias e correntes mais degradantes e nefastas, muitas delas com ativistas marginalizados socialmente e, ao mesmo tempo, patrocinados pelos recursos de reputadas universidades federais e estaduais; em suma, órgãos do governo orientados para a esquerda que desejam um fato novo na questão do gênero, isto é, o "aperfeiçoamento" das últimas conquistas do movimento; o aperfeiçoamento até o seu último grau. Resta saber se ele é exeqüível sem deitar por terra todos os sérios esforços da ala moderada que trouxeram a mulher até aqui. Felizmente, Tonide evitou esse passo em falso e enveredou pelas chamadas feministas moderadas, as que pregam a igualdade absoluta e na verdade a dissolução paulatina do conceito de "gênero", que perderia o sentido. Haverá ainda um grupo de conformistas, as "vítimas alienadas do patriarcado", mas este grupo só será citado no livro para ser denegrido - ou será que possivelmente poderíamos empreender cross-overs; rumo ao um feminismo de coalizão, consensual e unido, forte para... subjugar o homem? igualar as coisas um pouco mais do que já estão igualadas? continuar a grande mulher por detrás de um grande homem, se possível liberando-a do fardo de ter de procurar empregos e deixar o lar às moscas, como não sucede desde a era de ouro? Ainda não sabemos, precisamos ir mais a fundo.



Escrito por a mosca filosófica às 22:43
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


O PORQUÊ DE ESTE MUNDO NÃO SER MELHOR - parte 2

               É aí que a confusão mental da autora mescla elementos impensáveis tentando encontrar o eldorado, o santo graal, a pedra filosofal das curas das chagas do mundo. Uma sintetizadora ousada, eu diria! Como feminista inicialmente identificada com o grupo das moderadas - em que pese estar claro que ela não segue musas e ídolas, está sozinha nessa cruzada e cultiva, no máximo, simpatias difíceis de rastrear, considerando-se inclusive a cabeça de um novo movimento anódino de renovação espiritual da humanidade -, seria natural que a reivindicação "mercado de trabalho para as trabalhadoras" fosse inaugural em sua exposição. É um belo slogan, sem embargo também o ponto fraco do núcleo das moderadas. Logo ficará claro por que o hiperdimensionamento de um conceito pode perturbar o raciocínio mais bem-intencionado: a palavra "trabalho", ou todas as derivativas do substantivo, que, na obra, comparecem sempre em negrito. Nem o Ser Superior mereceu tamanha honraria!

                Se a autora fosse um representante do reino animal (como tantos enumerados em seu livro, ao lado das páginas mais sérias, com jocosos poemas "entoados" por animais - mas isso é assunto para outro parágrafo) e eu fosse uma sábia dona de casa, ela seria o rato e eu já teria armado a ratoeira com um suculento queijo às portas de sua toca, e... pimba! a arapuca em si, isto é, o prendedor de queijo (e de rabos de rato), eu chamaria de “mercado de trabalho”. E o animal foi domesticado! Não que houvesse qualquer alternativa: não existe o mundo selvagem. A resposta para o enigma é simples: quando a mulher não trabalhava não existia trabalho, nem para Marx nem para Rosa Luxemburgo. Posso parecer muito obscuro ou pretensioso, a depender do(a) leitor(a), mas veja se a declaração abaixo, de Tonide, não é o sumo do ingênuo: "Depois de tantas lutas e humilhações, temos que ser mais cautelosas e observadoras para nos infiltrarmos no mercado de trabalho que, egoisticamente, até há pouco tempo era direcionado somente aos homens." Exatamente: cauteloso ou não, observador ou não, o rato, a ratazana, se se quiser, sempre morde o queijo.

                Para Tonide, a marcha da igualdade entre os sexos, com fé no "Ser Superior", já está na sua reta de chegada. Talvez Tonide pense que no que dependesse da bravura das mulheres o panorama hoje já seria outro. Viveríamos o paraíso da comunhão mulherhomem, homemmulher, onde ninguém é primeiro, ninguém é segundo. O problema está no atual rei da cocada, o Homem, que como um rei francês do século XVIII, recusa-se a ver a realidade: a derrocada é inevitável. Este rei se chama machão. É quando Tonide generaliza muitas condutas masculinas, hipostasia ou mesmo fabrica algumas de nossas características que a destemida autora perde o fio da meada. O que ela não pode compreender de longe (ou de fora) ela julga muito mais dramático e brutal. Seu raciocínio seria apenas digno de pena e de boas risadas sarcásticas, se não prejudicasse inteiramente a causa feminista que ela advoga com ardor e insuspeição. Normalmente, por pensar conhecer bem o homem, Tonide termina por desconhecer a mulher, após muito tempo que o é. Quando um homem é óleo (mas será mesmo óleo?), ela sente a necessidade de designar a mulher água. Porque hoje, segundo ela, estamos em guerra, e não nos misturamos, verdadeiramente. Homens são de Marte, mulheres de Vênus, etc., etc. Mas o que poderia acontecer, neste inocente joguinho de dicotomias, se qualquer um dos sexos ficasse isento de instrumentos para buscar sua sonhada igualdade (doravante, pelo bem do desvelar argumentativo do texto, sempre pensaremos com a cabeça de Tonide, e não a nossa)?

                A teoria histórico-psicológica de Tonide Silva é fenomenal (não confundir com fenomenológica): 1) o homem nunca acreditou na ascensão feminina; essa é a típica afirmação encontrada nesta obra, em todas as suas páginas, sem qualquer verossimilhança com os relatos da História e do estudo da mente humana; 2) < o lado mais aguçado que temos, que é a parte sentimental > O quadro do homem frio e calculista, opressor histórico, uno e múltiplo, desta mesma mulher, a sempre esperançosa, que desejava e lutava pela "mudança", em todos os tempos. Sua virtude é a sensibilidade; antes da mulher, ela só poderia ser encontrada no macaco em sua forma mais aperfeiçoada (o mamífero mais complexo antes da raça humana). Mas a mulher elevou este princípio à enésima potência, em que pese ter nascido das costelas de Adão, o frio; ou então, em outra versão, mais científica, a despeito de ter vivido sempre com ele, seu par perfeito desde os tempos das cavernas. O que nos leva a considerar que macacas devem ser as únicas portadoras de sentimento. Macacos machos são apenas primatas embotados - não me mordam!

               Ok, Tonide, a senhora pode estar empregando apenas uma figura de linguagem, enfatizando um talento superior de cada metade. O nosso, a soberba do tirano; o seu, tudo o que toca e faz tocar o coração de si e dos outros. Independentemente da dificuldade de se conceber um estado de harmonia perpétua entre estes dois seres tão diferentes, continuemos comprando a idéia...

                Conforme meu texto desce rumo a outra e outra página, rumo a outra e outra tela da barra de rolagem, não posso deixar de perder o tom grave e sereno, distanciado, e inflamar-me aos poucos, chegando às raias do sardônico e, quiçá, do desrespeitoso, tumultuador impiedoso que eu sou. Pareço ser a prova viva de que a senhora Tonide é bem-vivida, e não falou, até a página 14 de seu libelo, nenhuma besteira considerável. Mas não pense que esta matreira escritora não acorra, em seu mal-disfarçado ressentimento, a gracinhas condecorativas, ou seja, trechos ríspidos, ou simplesmente chistosos, que reforçam, pacientemente, paulatinamente, o ponto principal: o homem é um fracassado, pois não obedece os desígnios do trabalho, a criação máxima do "Ser Superior". A singela < cuidados com o companheiro, que mais parece um inválido > é uma das primeiras sentenças deste filão. Ela serve para justificar a jornada dupla de trabalho da mulher como um martírio causado pelo homem: já que ele não sabe nem quer aprender a limpar a casa, só o belo sexo poderá atuar nesta frente, sem abdicar da outra, recém-aberta (provavelmente porque lá, também, os homens não dão conta do recado).

                Atenção para a continuação: < a crise de invalidez deles só 'ataca' quando estão em seus lares, porque fora de suas casas tem (sic) uma energia inesgotável, praticam variados esportes e sexualmente são uns verdadeiros garanhões. > Deve ser graças à energia inesgotável do homem no trabalho que a mulher não consegue boas colocações. Percebe-se quando a megalomania da oprimida autora de saias começa a prejudicar a própria causa.

                Tonide, uma autoproclamada defensora da liberdade, não lida muito bem com a liberdade concedida ao solteiro (e à solteira) em nenhuma das seguintes duas hipóteses (que basicamente são todas as possíveis): quando ele é o ser-sozinho esclarecido; e quando ele se transforma no estar-em-busca-de-alguém, ou seja, quer abandonar a solteirice. Segundo ela, os machos não deveriam usar a ultrapassada retórica da esposinha boazinha que vai cuidar deste babaca desatento sujeito a tantos perigos por aí. Ela preferiria as seguintes palavras na boca de um homem que vai à caça: < Preciso me casar e compartilhar tudo com a minha companheira, ajudando-nos mutuamente. Que gracinha! >. A menos que as aspas tenham sido inseridas no lugar errado ou trate-se de um erro tipográfico, o < Que Gracinha! > faz mesmo parte do discurso.

                É conhecida a predileção do intelectual de esquerda pelo termo < companheiro > e seu feminino, o < companheira >, para se referir a membros da classe trabalhadora, os homens e mulheres inocentes do devir histórico, ou pelo menos da formação capitalista, oprimidos pela máquina. Não que, pela necessidade de demarcar o trabalho burguês com tanta pompa, Tonide possua amplas ou mesmo razoáveis noções de Karl Marx, mas entre alguns de seus seguidores e entre os comunistas (marxistas, antimarxistas ou nenhum dos dois) este termo é correntíssimo. Veremos a seguir o uso contínuo mais chulo que esse tipo de expressão tornada antiquada e ridícula pelos opositores do comunismo poderia comportar:

                Já que as companheiras aprenderam a trabalhar fora, < os companheiros, desempregados, podem usar nossos tanques, lavando, passando roupas >. É nessa toada que a pobre Tonide, na ânsia de apontar culpados, começa a ferir os seus: < os serviços de uma auxiliar doméstica raramente são satisfatórios >. E, para quem não achou tão torpe até agora, aqui vem mais uma ilação aleatória, incluindo o sempre bem-escolhido termo < companheiro >, acerca da inclinação do homem à esbórnia e ao jogo, ilação que termina em bravata: < Outro fato a ser considerado é que, com as mulheres trabalhando fora de casa, o dinheiro de seus companheiros sempre sobra para gastar longe de suas famílias; mas não pensem os homens que as verdadeiras mulheres irão voltar à submissão. >.

                Mas, como o homem é um bicho bruto, quando usa a arma da sedução carinhosa torna-se imbatível, não importa quão hábil e perspicaz seja a < companheira >: < Geralmente, os homens nos dão pouco carinho e afeto. Quando tomam tal atitude, cedemos e fazemos tudo o que querem. > De fato, tentando contemporizar, Tonide chega a bajular o sexo ex-viril: < Grande parte dos homens é sutil, sagaz, fala pouco e observa muito. > Mas cuidado para, tentando agradar gregos e troianos, não perder os dois. Pode ser tarde demais para conseguir adeptos a suas teorias quando este efeito bajulador tiver produzido todo seu impacto.



Escrito por a mosca filosófica às 22:42
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


O PORQUÊ DE ESTE MUNDO NÃO SER MELHOR - parte 3

                Desafio, pois, as feministas mais concisas e avançadas a não se sentirem ultrajadas por esta "lição de beleza" para a qual a palavra presunção não faz ainda justiça: < Quase todas as mulheres trazem consigo idéias deturpadas a respeito da beleza feminina e se preocupam em demasia com ela, usando recursos desnecessários, como: maquiagem, anéis, brincos, colares, sapatos de salto alto, diversos tipos de presilhas para colocar nos cabelos, unhas compridas e pintadas em cores variadíssimas e uma infinidade de tipos de cintos com fivelas enormes, chegando ainda à extravagância de colocar lentes de contato só para mudar a cor dos olhos perdendo muito tempo com toda essa indumentária. > Desde tempos imemoriais esses artigos foram empregados, de variadas formas, com múltiplas freqüência e intensidade, não só pelo sexo feminino como pelo masculino, que muitas vezes foi o lançador da tendência (como o célebre exemplo do salto-alto do Rei-Sol nos atesta). Mesmo sem esse precedente impossível de ignorar, Tonide, a senhora deveria se preocupar, talvez, em tentar convencer todos os homens que ainda não aderiram à metrossexualidade a aderirem ao expediente da maquiagem, já que o hábito entre os dotados-de-pênis cresceu assustadoramente e o das mulheres jamais regredirá. Além disso, a maquiagem pode servir como protetor solar, o que a autora certamente chamaria de "fútil preocupação", uma vez que é necessário valorizar a natureza... Muitos autores - falo agora de gente séria - defendem o abandono de artigos como perfumes, que desorientam o sexo oposto quanto a sua preferência e instinto sexual e estandardizam as escolhas, por exemplo, mas seria utópico esperar por uma modificação no quadro ainda que estivesse evidente que a utilização de essências só acarreta prejuízos ao corpo humano ou ao sentido do olfato. Por isso, qualquer autor deveria ignorar estas celeumas e procurar substância para seus livros em outros assuntos.

                Tonide Silva dirá que a inculcação da crença no Papai Noel é perniciosa, mas ela própria tem suas convicções retiradas de contos de fadas e certa dificuldade em enxergar sua rigidez conceitual "ao espelho": < Espelho meu, produzida e enfeitada como fiquei, para aonde (sic) irei? A resposta vai ser taxativa: Para um picadeiro. Temos que ter a mente mais aberta, procurando adquirir mais conhecimento para ampliar nossa beleza interior, essa sim, é importantíssima para nós >. O que é mais grosseiro, acreditar na "beleza interior" (talvez exista, para os arquitetos e decoradores) ou humilhar palhaços (outro exemplo de homem que se maquia para ganhar a vida)? Quando se trata de duas opções que nos são facultadas pelo ódio e ressentimento da Sra. Tonide Silva, nunca temos tempo demais para meditar.

                Contudo, incrivelmente, a autora consegue voltar atrás um parágrafo à frente e deixar seu leitor atônito, caso ainda se trate, por milagre, de uma alma sedenta por aderir às conclusões da escritora e trilhar um caminho na questão do feminismo: < Devemos nos preocupar em conservar a beleza exterior, que o nosso Ser Superior nos deu, muito importante e exclusiva. > Como é possível notar, o Ser Superior vem para preencher lacunas que a autora achou por bem não permitir na versão final de seus escritos. Um dos cernes da dissertação é manifestado na mesma passagem: < Temos que ter muito bom senso para não confundirmos, de forma nenhuma, liberdade com libertinagem. Não podemos colaborar com a desestruturação da família. Ela sempre foi, e continuará sendo, o alicerce de tudo. > A família, obviamente. A instituição burguesa. Mesmo quando estamos diante de um autodeclarado revolucionário, o velho atavismo irrompe, mais forte do que nunca. < Mulheres casadas ou concubinadas estão sempre lamentando sobre a infidelidade de seus companheiros (...) No sexo, não pode haver competição. No desfecho, todos sairão perdendo: homens, mulheres e filhos. Esses últimos, coitados, nem fazem parte dela e saem prejudicados > A demonização do sexo extra-conjugal é muito mais antiga que o próprio casamento, eu diria. Tonide soube se livrar de muitos preconceitos em sua trajetória de mulher sofrida, mas seguiu cega para alguns dos principais. O moralismo da autora terminará por infectar o seu partido também na questão das relações amorosas extra-maritais, como já vimos acontecer há algumas páginas: < Eram raríssimos os casos de mulheres que mantinham relações sexuais paralelas ao casamento. Hoje, esse tipo de procedimento aumentou assustadoramente. (...) É necessário que as mulheres percebam que lhes faltam condições emocionais, nessas situações, para se igualarem aos homens que se portam de maneira irracional. > Nem parece que um dos baluartes defendidos pela autora era o da liberdade incondicional! Outro paradoxo que chama bastante atenção: o homem é o irracional par excellence, mas a mulher é a única emotiva do par. Subitamente, quando adentra-se o terreno do pecado, a irracionalidade do hominídeo se torna vantajosa, pois ele, a-emotivo, não sofre com seus atos libidinosos. A mulher, então, perde a capacidade de raciocinar ao se sentir traída; e também ao trair, já que a culpa (e quem muito pensa muito fabrica culpas) se abaterá sempre mais sobre ela, o ser mais responsável do conjunto.

                < Grande parte dos homens machões [Não sabemos de onde foram extraídos estes parâmetros estatísticos um pouco vagos, por assim dizer; mas talvez a saída da autora seja justificar que "homem machão" é com efeito apenas uma minoria dentre os homens casados] agem (sic) como se fossem garanhões. > Lembremos que, quase no início de seu livro, Tonide acusou os homens explicitamente de esbanjarem energia fora de casa, ou seja, de serem ipsis litteris garanhões. Não apenas simularem ou pretenderem ser. Deixemos mais esta inconciliação pelo caminho ou seria impraticável terminarmos isto ainda hoje.

                Foucault Tonide ainda atribuirá ao passado remoto a "imutabilidade cafajestosa" do homem: < Na verdade, de tão cegos, são dignos de pena, porque isso é uma espécie de amnésia hereditária e crônica. > Foi também uma enfermidade inventada no momento mesmo da confecção da obra. Os filhos do casal ocuparão boa parte das próximas reflexões da autora, já que tocamos no termo "hereditariedade": < todos querem ter pênis grande [por causa da criação que receberam]. Aqueles que o têm pequeno sentem-se humilhados, pois acham que é o tamanho do pênis que os tornam (sic) mais cobiçados pelas mulheres. Quanto ao tamanho, não influi em nada, e sim como está sendo elaborada a relação sexual. Se homem e mulher alcançarem carinhosamente (ou brutalmente) os pontos eróticos um do outro, satisfeitos ficarão. > O mito mais antigo da humanidade reexplorado pela original feminista que quer um mundo melhor. Mas, admito, a inserção do < brutalmente > salvou o parágrafo do completo fiasco. Aumentou o nível de serotonina no meu organismo.

                Mas não demora muito até que Tonide volte a nos deprimir e decepcionar, subestimando a sabedoria popular de pais e mães no tocante às futuras relações sexuais de seus filhos: < Principalmente o pai machão, (sic) tece comentários usando expressão vulgar na presença do filho, dizendo: Quando este menino crescer, vai comer ou transar com todas as meninas do bairro, não vai escapulir nenhuma ... Entretanto, jamais prega que sua filhinha irá fazer o mesmo. § Ao mesmo tempo, não percebe [nunca percebe; apenas a autora percebe todos os fenômenos sociais] que outros pais machões, no mesmo bairro, estão colocando na cabecinha de seus filhos [esponjas meramente receptoras] as mesmas idéias. E então, seus machões, (sic) vão comer quem? § Não conseguem enxergar a extensão do mal [só a autora] (...) Não é um potrinho que vai nascer. O homem não tem o mesmo privilégio de um garanhão. Seu filho só tem uma mãe, a biológica. Os pais precisam da união para suprir a mãe-natureza. > Confesso que ainda não terminei de interpretar este trecho final. Ele deve ter sido redigido intencionalmente polissêmico e intrincado!

                O show de horrores prossegue com um elencamento das diferenças da menina e do menino na educação caseira. A menina é instruída a se sentir inferior ao garoto, obviamente, por mais que saibamos que a mãe-natureza (o < Ser Superior >) as privilegie como mais precoces; porém, o lobo do homem, que é o machão, corrompe esta natureza rousseauniana. Até que se chega ao ponto de deturpar a arte. Não qualquer arte, mas a própria arte da escrita, que, imagino, prega a autora, deveria se restringir às mulheres, favorecidas com um talento inato para algo tão sensível e fora do alcance de simples garanhões irracionais: < comumente a mulher associa sexo com sentimento. Os machões só vêem na mulher o sexo, e quando mantêm um relacionamento amoroso dão tudo de si, são carinhosos, gentis, se tornam até poetas para ela sentir o máximo de prazer sexual. Agem desse modo não é pensando na mulher, mas em si mesmos, porque pensam que assim se tornarão uns machões irresistíveis, cobiçados e disputados. > Se tornam até poetas, estes garanhões! Eu, com minha vida sexual movimentadíssima, sou o exemplo perfeito. Afinal, escrever para mim está em segundo plano: o que vale é atrair peitos e bundas para o meu blog. Ainda que eu não saiba como estes me poderiam ser úteis já que não se enviam comentários com estas partes do corpo. Não existe poeta masculino desinteressado. E disparou-se a maior blasfêmia da história da Literatura. Quem diria que seria num livro de punhos candangos? < sem nenhum motivo aparente [seria conseqüência da ditadura da beleza interior?], somos trocadas por outra e aí ficamos sozinhas com os filhos pequenos, ou no ventre, sofrendo, lamentando e nos questionando. (...) Mas ele me ama! Tenho certeza que me ama! É sempre assim quando vai embora um machão boêmio e egoísta. Lá se foi ele a persuadir outras e outras, usando o mesmo artifício. Estamos vivendo um momento de transição com a evolução da mulher. > Ignorem a última frase, que está mais sem sentido como desfecho do parágrafo do que o trânsito de uma megalópole depois de uma pane de semáforos. Atenhamo-nos ao que vem antes: quase posso adivinhar a história de vida de Tonide Silva, muito embora não consiga conferir os detalhes no Google. Depois deste desabafo quase pessoal (pressentimos que seja), Tonide não pode se segurar: soltará outra das suas bravatas e invectivas ferozes: < Os homens que são machões tem (sic) que ter cuidado para não aumentarem o número de mulheres revoltadas [infelizmente eles sempre aumentarão, já que estão sempre fornicando e tendo filhos indesejáveis], ou crescer a revolta das que já o são. A revolta é semente plantada, e dela nasce a vingança [!]. > Às vezes a guarda baixa, um autor se descuida e despe a máscara, no que, ato contínuo, se arrepende. Mas era tarde: o livro já tinha ido para a gráfica. Podemos ver as veias de Tonide S. Silva dilatando-se em sua fronte, enquanto espuma de repulsa e rancor pela metade maldita e maligna da humanidade, estes Adões desumanos de micro-instrumento totalmente coberto pela folhagem (embora eles sejam uns exibicionistas incorrigíveis), tão tiranos, ah, tão tiranos!



Escrito por a mosca filosófica às 22:40
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


O PORQUÊ DE ESTE MUNDO NÃO SER MELHOR - parte 4

               Apesar do designativo feminino para o animal, "a águia", em prosas-poemas fechadas espalhadas em torno da argumentação central do capítulo sobre a situação das mulheres (como se fossem boxes informativos em revistas semanais), Tonide se utiliza do pássaro como metáfora do irracionalismo machista. Logo à abertura de seu "percurso aéreo" (e eu diria que lunar e louco) de uma página, a autora deixa claro mais uma vez que a arte das Musas também é permeada pela guerra dos sexos: < Vamos viajar pelo mundo nas asas da poesia, semeando bons instintos. > Como acabamos de ver, poetizar com honestidade e castidade no coração é um privilégio feminino. Por sorte, ela é uma autora. Mas, ambígua e ávida por utilizar contrastes em seu estilo, nem sempre bem-matizados, ela deixa claro que quem discursa é um homem, através de sua caneta: < Sou irracional e impulsionada pelos instintos. Nós, águias, acasalamos para toda a vida. Os casais de minha espécie são fiéis uns aos outros e se mantêm unidos até que a morte os separe. > A indireta atingiu em cheio a cupidez masculina. Estou dorido, inclusive. Mas não parou ainda: < Nós não abandonamos os nossos filhos, e sim os educamos com carinho, de forma equilibrada (...) E vocês, desumanos (que pensam que são racionais), já não estão raciocinando por se considerarem racionais. [Aqui o meu cérebro deu um nó - as especulações ganharão um ar sociológico absolutamente desconcertante, acompanhe:] (...) Só há pobres porque existem ricos. Ou são semelhantes só na forma física? > Infelizmente, deste trecho em diante Tonide investirá cada vez mais na parte social do problema, que diz pouco respeito ao homem e a mulher em sua conflituosa relação microscópica (uma vez que a miséria não distingue o sexo), e descairá em lugares-comuns acerca da origem da pobreza, o que irá prejudicar um pouco a temática e a fluidez de seu capítulo, e também o andamento de minha carta.

                Cedo ou tarde, Tonide abordaria o já polêmico (sem necessidade de que ela force e polemize) tema da fertilização in vitro, que eu prefiro chamar, neste contexto, de "linha de montagem do garanhão anônimo". < com essa tal produção independente querem menosprezá-los [as mulheres deveriam combater os homens com mais inteligência, não fazendo pouco caso deles e sendo tão explícitas no ato do desprezo], fazendo deles somente reprodutores [mas a própria autora já afirmou categoricamente que é isso mesmo]. Independente da nossa vontade, a função deles com seus filhos [que eles sempre abandonam] não é só essa [ejaculá-los enquanto ainda gametas], embora ajam como se fosse [então na verdade o Ser Superior ainda não ejaculou essa verdade transcendental em nossas cabeças; deve ser um lapso temporário; o problema é que 1000 anos para nós podem ser só 1 segundo para o Ser]. Não podemos nos esquecer da criança que faz parte desse plano diabólico, sem opção. > Tudo que contrarie a instituição familiar é obra satânica.

                Não podia faltar o "poema do garanhão", à página 23: < (é o cavalo quem fala) (...) Sou garanhão boêmio de linhagem, despreocupado do futuro. Nem a escuridão de uma noite sem luar me impede de farejar uma égua no cio. [Infelizmente nós, homens desumanos e irracionais, não temos esta capacidade] (...) tenho o privilégio de os meus filhos terem duas mães (a mãe biológica e a mãe natureza) para protegê-los. >.

                Rompendo minha promessa inicial, e me consagrando como um ser vil e pusilânime, em quem o convívio com este livro me transformou em meia hora, devo agora citar várias passagens e comentá-las jocosamente na sequência, em formato quase-aforismático, com o fito de não desperdiçar a oportunidade de deixar a misantropia um pouco de lado e compartilhar os prazeres sociais (as risadas) com os outros. Por fim, me dou conta: como sou fraco, não resisto à tentação de humilhar os meus próprios colegas de profissão!

 

 

"Homens e mulheres devem se colocar em suas reais posições, de macho e de fêmea." Supernaturalização das genitálias?

 

"Não é errando que vamos acertar" Talvez o Ser Superior seja dotado desta intensa capacidade...

 

"Seria necessário que todos fizéssemos uma auto-análise para aprendermos a dominar os instintos irracionais." Uma frase para refundar a Psicanálise! Devo iniciar meu tratamento me postulando: o que me faz ler um livro da senhora? "Esses instintos nos homens são tão fortes que boa parte quer ser pai só para provar, para si mesmos e para a sociedade, a sua masculinidade, não assumindo, posteriormente, nenhuma responsabilidade ou participação na educação de seus próprios filhos; e no caso de dar alguma ajuda financeira, o fazem sob coação jurídica." Realmente uma prova de ferro. Mas o macho exemplar não tem receio da cadeia (por falta de depósito da P.A.). Ele se tornará o alfa em qualquer bando. "São raríssimos os casos em que a mulher não assume seus filhos sozinha." 0,2% dos casos, talvez.

 

"Nós, mulheres, viemos ao mundo com uma tarefa maior do que a dos homens. Para os homens, conceber um filho é sempre momento de prazer. Nesse ato, a grande maioria deles está despreocupada, relaxada e traz na consciência apenas a irresponsabilidade aplicada pelos pais" Todo mundo diz que homem não entra em trabalho de parto, mas conheço homens que foram paridos tantas vezes quanto as mulheres!

 

"É impossível querer mudar a natureza feminina; precisamos nos auto-valorizar e ficar felizes por sermos tão sensíveis" Mas nada de perfume ou unha feita!

 

"Costumamos comentar que os homens são mulherengo (sic), e que só pensam em sexo. Embora tenhamos de admitir que realmente sejam assim, estamos sendo injustas com eles, pois não realizam o ato sozinhos." Decida-se, madame!

 

"Pode-se comparar o sexo com a água. (...) Sem ela não há vida, mas também pode nos matar."

 

"A natureza [poxa, logo a mãe!] não foi generosa com as mulheres, deixando-nos com a menstruação, a menopausa, a gestação, o parto, a amamentação, todos os cuidados em geral com o filho." E a poesia, não se esqueça. Mas talvez se a amamentação fosse transferida para os homens, aliviássemos vossa carga... Imagine o casal com crianças de colo do amanhã: enquanto o pai amamenta os filhos em seu seio másculo, a mãe dá as costas para lavar a louça!

 

"Nós, mulheres, temos uma maior parcela de culpa por omitirmos que a raiz do machismo sempre esteve e está em nossas mãos." Dê mais destaque a essa sua declaração. Ela está perdida no meio do capítulo, sem conectores, sem continuar ou iniciar um assunto, num parágrafo isolado!

 

"Os pais devem entender que na cabecinha dos bebês ficará o que eles colocarem." Se o brasileiro soubesse que éramos todos tábulas rasas, faltaria calculadora nas lojas de R$1,99 e seríamos o paraíso dos engenheiros. E, claro, engenheiras.

 

"As mães têm que ir < aparando as asas dos meninos >, a fim de que estes cresçam com sensibilidade" Eis que temos novos eufemismos para a castração edipiana; e a mãe, a mais nova igual sobre a terra, também cumpre a função de carrasco nesse novo esquema.

 

"E, ainda, aparecem uns gaiatos que, sem se dar conta do que falam, dizem que < por trás de um grande homem existe uma grande mulher >."

 

"Todos nós somos filhos de um só pai, nosso Ser Superior. Assim sendo, ninguém é de ninguém." Assinado: pessoa que acredita no casamento. O mais chocante é que menos de 20 linhas depois... "Se viemos ao mundo um dependendo do outro, querendo ou não, forma-se uma família."

 

"Vamos analisar: se os pais morrem na hora do nascimento do seu filho, mesmo assim ele vai ser criado. Se o filho não levar seus pais até a sepultura, estes serão sepultados. [Se eu não escrever essa carta, ela será escrita.] (...) e sempre haverá alguém que faça por nós o que não fizemos." Os ecologistas anseiam que sim!


"Todos nós, seres < desumanos > deste planeta, temos que nos tornar mais observadores e enxergar que de tudo o que existe no mundo nada se acaba, mas transforma-se, renova-se, multiplica-se." Eu achava que apenas se conservava. "Nosso Ser Superior nos deixou de tudo, e de uma forma adequada para que não exista egoísmo [Deus deve ser tão bom quanto alguns livros...]. No entanto, a grande maioria dos pais vem passando esse egoísmo de geração para geração (...) É por isso que a cada dia que passa está ficando insuportável a convivência entre as pessoas." Mas os livros, ah, esses são obras-primas sempre! Bom, deixa eu ver se entendi a Genealogia do Mal: 1º) Deus criou tudo; 2º) Erradicou o Egoísmo; 3º) Os seres < desumanos > (ou seria DEUS-humanos?) tiraram o Egoísmo e o Nada da cartola. Assim, somos perpetuamente ególatras mas estamos sempre carentes de alguma coisa.



Escrito por a mosca filosófica às 22:39
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


O PORQUÊ DE ESTE MUNDO NÃO SER MELHOR - parte 5

"Os pais têm idéia fixa de preparar os filhos só para terem cursos superiores e, com isso, ganharem muito dinheiro." Ouvi dizer que os parentes do pessoal da pedagogia andaram lotando a secretária eletrônica de Dona Tonide com perguntas...

 

"A natureza é sábia, nos dá horário para tudo que existe em nosso planeta: na hora certa nasce o Sol" 6:00, 6:01 ou 6:02? "Como podemos enxergar, não há vida sem hora precisa, e muito menos sem trabalho." Um inglês do século XIX já havia aprendido essa lição.

 

"Como a grande maioria sabe, todos nós temos metade masculina e metade feminina" Ah, é? Agora a senhora também é uma machorra?

 

"quando nos entendemos por gente já estamos aqui no planeta." "Os idosos sofrem com a deformação de seu físico, mas só tem (sic) que aceitar."

 

"por quê (sic) não aceitar o homossexualismo? (...) Essa rejeição absurda que os heterossexuais carregam consigo contra o homossexualismo só nos traz graves problemas, com a revolta dos homossexuais com seus gestos desengonçados e modo extravagante de ser, rebolando em excesso ao andar, desafinando a voz etc. Tudo isso é uma forma de agredir os heterossexuais, mas, inconscientemente, estão prejudicando a si mesmos." Tonide finalmente toca no assunto da homossexualiDADE, que eu pensei, até a p. 28, ter sido expurgado do debate. Mas se essa é a forma com que ela defende os homossexuais, deixemos para lá, realmente... "leis mundiais para com o homossexualismo super tardias (...) Em nosso país é preciso, com urgência urgentíssima, que sejam feitas - estou falando em leis, mas os legisladores podem querer criar emendas, no lugar do que nunca existiu (nas leis), e aí é preciso cuidado, para que < a emenda não fique pior do que o soneto >." A piada do pavê que não poderia faltar.

 

"Voltando ao esquema montado pelo nosso Ser Superior, dentro dele o dinheiro só nos dá conforto físico." Poxa, e tanta gente deixando de pagar o seu Pilates...

 

PÉROLAS SOBRE AS CRIANÇAS

 

"É nas crianças que está a esperança de um mundo melhor. Temos que ajudá-las a desenvolver seu lado humano" Não sei por onde começar, já que sou um garanhão. "É uma crueldade o que fazemos com as crianças. Se  a criança nos faz perguntas, a resposta é sempre mentirosa." Eu tentei explicar Relatividade Especial para o meu filho de 3 anos. É claro que consegui. Eu disse que a Luz que emana do Ser Superior é o único Absoluto. "São tratadas como se fossem umas dementes." Deve ser por isso que dizem que tenho a idade mental de um garoto de 5 anos. "Temos que fazê-las entender que a escola é uma extensão de sua casa. O professor tem que ser respeitado e ser chamado pelo seu nome, ou de professor, pois realmente é o que ele é." Achei que o tio visitasse a extensão de nossa casa. "As crianças são presenteadas com brinquedos que estimulam o lado mau, porém inocente, que está dormindo dentro delas. (...) Temos que presenteá-las com algo que lhes mostre a importância do trabalho. [Você ouviu: não dê armas de brinquedo para as crianças, providencie umas de verdade: jamais minta!] (...) principalmente quando perdem horas e horas em frente a uma TV, iguais a uns tolinhos [dementes], assistindo a filmes e desenhos mentirosos, que apresentam criaturas físicas horríveis, caindo a todo instante das alturas, sem morrer, dando rajadas de tiros umas contra as outras sem sofrerem nenhum arranhão [E o pior: desenhos que apresentam mulheres bonitas sem maquiagem!]. Sem falar nos homens que voam: homens nunca voam e não voarão jamais." Quero dizer que neste ponto não pude me conter e verti lágrimas. Minha última ilusão foi desfeita; mas Goku continuará acalentando meu coração em minhas tristes lembranças... "Pode-se dizer, por unanimidade, que não aceitariam que os cueiros de um menino fossem bordados com flores violetas. Mas, com um girassol ou um elefante podem. Violetas, margaridas, abelhinhas e formiguinhas são para as meninas. Para os meninos, os brinquedos são máquinas agrícolas, caminhões, aviões etc. as meninas ficam com fogão, panelinhas, armário de cozinha, boneca e carrinho de boneca [mas elas sempre batem o carrinho de boneca, essas barbieiras de cueiros!]. Temos que embaralhar tudo isso, deixando as crianças livres para brincar, acabando com esses preconceitos infundados." Eu sugeriria a implementação de quinas duras e facas com ponta. "Por excesso de afeição com os filhos [É uma crueldade!] (...) As mães, principalmente, se pudessem, mastigariam os alimentos para que os filhos se esforçassem só para engolir." "A vida não pode ser vivida só de trabalho. As mães, principalmente, passam a viver a vida dos filhos, sufocando-os e esquecendo a sua." Ué, então é melhor viver só de trabalho! "...e nos tornamos, na visão dos filhos, uns coitadinhos." Uns tolinhos que assistem TV. "Por exemplo, o normal é todo ser vivo ter apetite, alimentar-se, mas, vejam só a incoerência da grande maioria dos pais: comumente, as mães dão comida na boca do filho de onze ou doze anos de idade, como se este não fosse gente, e sim um periquito. A criança, desde que já tenha condições de segurar o talher, deve se alimentar com suas próprias mãozinhas." Ou um ou outro: talheres ou as mãos! "A corredeira da água de uma cachoeira, por mais que quiséssemos, não inverte o seu curso para trás. [Isso porque você não gosta de desenho animado japonês...]. Por falta de observação, querem inverter a natureza de seus filhos. (...) Se começam a namorar e ter uma vida sexual aos catorze anos, não pode porque está precoce. Se deixam para começar aos quarenta, também é motivo de preocupação, porque está tardio, e assim por diante. Não existe um tempo exato [mas se até o Sol tem a hora certa!]" Vamos convir que 14-40 para perder a virgindade é um intervalo bem razoável. "o que faz a grande maioria dos pais? (...) Querem moldá-los, fabricá-los como se fabrica uma lingüiça." Escreverei uma tese de (a)mestrado (o obediente antiacadêmico) sobre as profundas raízes das analogias freudianas em nossas vidas. "Os pais, sejam de classe rica, média ou pobre, desde os primeiros passos de seus filhos, têm que ensiná-los a independência, que só se consegue através do trabalho." ABAIXO O ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE! "Os pais têm o dever de fazer seus filhos perceberem que eles chegaram a este mundo como todos os seus semelhantes. Chegaram só com a vida. Os (sic) que encontraram feito foi resultado do trabalho de alguém. E deixá-los livres para que suas mentes possam flutuar em busca de novas descobertas." Exceto quando estiverem TRABALHANDO. Aí eles têm que viver a REALIDADE e TRABALHAR. Porque HOMEM NÃO VOA e MENTE NÃO FLUTUA. "Os pais têm que ser realistas e aceitarem (sic) que o filho nasce deles [é melhor fazer um exame de DNA primeiro], mas a partir do momento em que é cortado o cordão umbilical, é mais um ser único, que temos que respeitar como tal. Já que é um ser especial, só ele mesmo saberá como satisfazer seus desejos." Nem que ele só dê TRABALHO aos outros. (E aqui os amigos marxistas reconhecerão o duplo sentido da frase - pode ser o futuro patrão!) "Os pais tem (sic) que se tornarem (sic!) soltos, para que possam dar aos seus filhos o melhor de si. O que seria o melhor?" O melhor pai é o Tio João, soltinho, soltinho... "Grande parte das crianças e adolescentes de hoje não sabe distinguir um porco de um jabuti [acho que você quis dizer javali], uma galinha de um ganso, uma beterraba de uma folha de alface... Seriam capazes de confundir um filé mignon de vaca com um bucho de cabrito." "A incoerência dos pais é tamanha que dão aos filhos que têm saúde perfeita o mesmo tratamento dados (sic) aos deficientes. E analisem bem o procedimento de quase todos os pais: levam e buscam seus filhos do colégio, do cinema, das festas etc. são moças e rapazes com um metro e setenta, um metro e oitenta de altura, respectivamente, não depositando o mínimo de crédito nos filhos [mas eles usam o cartão de débito], na sua infância e adolescência."

 

"Precisamos de pessoas com idéias novas e criativas para desvendar os mistérios do nosso universo e multiplicar as riquezas infinitas, que o nosso Ser Superior nos deixou." A NASA co-financiou apocrifamente esse projeto (o livro de Tonide).

 

"A natureza se encarregará de tudo. Cada um é cada um." Cada um por si e o Ser Superior por ninguém.


"Nascemos nus, porém, completos; mas só com a vida." Experimentemos dizer tudo ao revés e continuará fazendo sentido! MORREMOS VESTIDOS E INCOMPLETOS; ALÉM DE TAMBÉM SEM A MORTE. "não sabemos a hora em que vamos passar para o andar de cima, ou de baixo" Eu saio pontualmente às 7:30.



Escrito por a mosca filosófica às 22:38
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


O PORQUÊ DE ESTE MUNDO NÃO SER MELHOR - parte 6

ÊNFASE TRABALHISTA

 

"nós, racionais, não encontramos nossos alimentos prontos, temos que trabalhar constantemente e descobrir cada vez mais a melhor forma de nos alimentar física e espiritualmente." Em breve virão os agrotóxicos para a alma. "O trabalho em nada influencia a virilidade sexual." Chaplin chegava pronto pra dar umazinha na esposa. "Demônios do além não existem. Os demônios somos nós mesmos com o nosso egoísmo e, principalmente, aqueles que os pais não fizeram criar o hábito do trabalho [O Anjinho da Mais-Valia]. Eles passam a usar de todas as artimanhas para roubar, matar e sugar o suor dos trabalhadores." Assim não precisaríamos mais de toalhas, pense bem! "Ainda no reino animal, os pais ensinam seus filhotes a caçar para comer; depois de aprenderem, os deixam e cada um vai cuidar de sua própria vida. Não existe volta, nunca acontece de um filhote voltar à toca dos pais e ficar esperando que cacem para ele." Ainda bem que a família é o mais imp... OPA! "Mas o que faz a maioria dos pais? Dão de tudo aos filhos na infância e adolescência, sem receber nada em troca. Não podemos nos esquecer que, querendo ou não, para manter nossas vidas em equilíbrio, só o conseguimos através da troca." A Ética do Desinteresse "Vamos comparar o trabalho com o adubo." TRABALHO é uma merda! "Não se aduba uma planta depois de adulta. Para que cresça forte e cheia de vida, temos que adubá-la ao plantar, ainda em forma de mudinha [quando a criança se tornar falante poderá passar o dia trabalhando], caso contrário ela vai crescer fraca e pode até morrer." "Pode-se dizer que quase cem por cento das pessoas consideram o trabalho doméstico inferior [inclusive a senhora, numa de suas frases preconceituosas já citadas]. As próprias mulheres o subestimam, e não percebem que estão compactuando com os homens, fortalecendo cada vez mais o preconceito contra elas mesmas. (...) É uma pena não terem consciência de que < dona-de-casa > é um trabalho importantíssimo e de grande responsabilidade. Infelizmente, nós mulheres, sempre trocamos os valores." Falar o quê... "O fato de a grande maioria das pessoas falarem (sic) com desdém que mal sabem (sic) fritar um ovo [nunca me orgulhei disso], e pensando que isso as (sic) torna importantes e charmosas (sic), demonstra, na verdade, o seu despreparo e a sua ignorância. Acham é que nem de arte-culinária, pressupostamente, deveríamos entender bem, ignorando que preparar um alimento nutritivo e delicioso é também uma arte" Está aí o Master Chef que não nos deixa mentir. Desculpe pelo excesso de (sic)'s, mas não suporto falta de concordância no texto dos outros! "Geralmente, quando querem agredir alguém, uma de suas tiradas mais comuns e freqüentes, com o intuito de aniquilar seu agressor (sic!), é mandá-lo lavar roupas ou pilotar um fogão." "somos incapazes de criar algo novo para substituir o que o nosso Ser Superior nos deixou: o trabalho." Ué, e todo aquele papo de idéias novas e criativas? Tonide, a última palavra em materialismo histórico! Tô achando que esse Ser Superior é o Muricy!... "Temos que colaborar com os cientistas, pois eles não conseguirão descobrir tanto remédio para curar infinidades de doenças, que (sic) a maior parte delas (sic) vem sendo criada por nós mesmos, pela nossa imensa falta de higiene." Viu, seus mentes-sujas! "As atrizes e os atores sobem em cima das camas e dos assentos, como sofás etc. Calçados com os sapatos sujos, passam para a humanidade pouca higiene, ou nenhuma. Que incoerência! Que horror!" Que horror! "Os filmes policiais, dramas, faroestes, novelas, etc. surtem um efeito de auto-ensinamento para a < desumanidade > de como roubar, matar, ludibriar, em alto estilo."

 

"Se estão vivos no momento, é porque escaparam das fatalidades, mas estão caminhando para o fim." Leu Sartre.

 

REATA O FIO DE RACIOCÍNIO ORIGINAL, AINDA QUE POR POUCO TEMPO

 

"Nós, as mulheres, sentimo-nos desoladas por falta de cavalheirismo dos homens, que por sua vez, tratam com ironia o fato de estarmos buscando igualdade. Pensam eles: Querem ser iguais? Que sejam em tudo." Apologia ao Travequismo!

 

"todos os conflitos interpessoais são criados por nós mesmos. Eles no fundo, não existem." Achei que só o Ser Superior tinha brevê de criador.

 

"Boa parte dos homens está sempre falando com menosprezo: < Isso é coisa de mulher! > Como se fôssemos todas um bando de desequilibradas. E o pior é que em várias ocasiões eles estão cobertos de razão. Muitas se portam de forma deprimente quando vão assistir a qualquer tipo de apresentação de artistas. Por exemplo: arrancam os cabelos, choram, dão chiliques, atiram seus pertences no palco, inclusive calcinhas, muitas delas até cheirando mal. Querem abraçá-los e beijá-los. Parece que são extra-terrestres. Os homens não se comportam assim, pois, percebem que é muita pobreza de espírito das pessoas que agem dessa maneira" "os artistas são obrigados a andar com segurança a tiracolo para protegê-los da loucura das mulheres." "Assediar os artistas, ou qualquer pessoa considerada famosa, pedindo autógrafo, é perda de tempo de quem pede e de quem dá. Não traz nenhuma utilidade e só supervaloriza o outro e, automaticamente, diminui quem faz tal pedido." Pois eu quero muito o seu autógrafo, Tonide S. Silva!

 

"como fazer uma boa política? Basta reduzir os gastos e dar incentivo à produção." Começou a aula de Teoria Política Moderna e vocês nem me acordaram!

 

CASAMENTO

 

"Temos que ter uma visão ampla, acabando com esse conservadorismo de se vestir de noiva, usando todos aqueles penduricalhos, vestindo-se toda de branco. Por quê (sic) branco? Simboliza pureza? Poderia ser roxo, preto ou vermelho. Branca foi a cor que veio à cabeça do inventor de tudo isso." Freud (cor branca - sêmen) mais uma vez ou estou exagerando? "Nunca existiu um motivo real no passado, e muito menos no presente, para alguém que se casa precisar de um acontecimento tão cerimonioso." Toma aqui uns livros de Antropologia, gata! "Podemos nos casar vestidos com uma roupa de nosso dia-dia (sic), mesmo porque não tem lógica que seja diferente." "Grande parta das pessoas saudáveis é especialista em usar artifícios para pedir ajuda às outras, deixando-as em situações delicadas, como chá-de-berço, chá-de-panela e bodas de centenas de espécies. No nascimento de uma criança, o termo usado é < beber o xixi do bebê >. Em aniversários, a hipocrisia também predomina. Das listas de convidados, os que não têm o hábito, por um motivo ou outro, de não levar presentes, são excluídos." Então ninguém não tem o hábito.

 

 

                Só para não dizer que não apreciei uma ideiazinha sequer da senhora, Tonide, apóio sua causa quanto a não sustentar para as crianças a existência do Papai Noel. Vou até pedir a “iluminação infantil universal” de presente no próximo Natal! Seremos uma nação de Alan Kardecs não-voadores...

 

Com meus estimados cumprimentos,


Rafael Cila Aguiar



Escrito por a mosca filosófica às 22:36
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


SERES HUMANOS NÃO SÃO VULCÕES

Um vulcão precisa acumular energia muito tempo para enfim haver uma erupção. E em seguida vem o repouso absoluto. Uma lição de economia e administração.

 

Já no ser humano, dupla hélice: sempre há espaço e energia para mais explosões, em cadeia, uma após a outra; e sempre há espaço e energia para mais... ...calma, além da própria calma.

 

Não seguimos qualquer lei ou lógica natural. Irritar-me vivamente todo dia não me impediria de padecer de um grande surto em qualquer deles e promover uma matança no shopping. E, em paralelo, não é necessariamente verdadeiro que o não-colérico é um vingativo, que explodirá mais tarde, em grande escala. Posso manter-me quieto, frio e resoluto uma existência inteira. E não vivemos milênios, então essa reflexão dificilmente sofreria uma contraprova de um Gandhi, de um Dalai Lama, subitamente bélicos, pois antes que perdessem o prumo estariam já findados. Tampouco de um Hulk, pacificado e manso com o suceder das gerações. Não, não, não somos naturais... artificializar é o nosso verbo!



Escrito por a mosca filosófica às 23:24
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


AMBOS OS TESTAMENTOS CRISTÃOS [dividido em 19 partes]

AMBOS OS TESTAMENTOS CRISTÃOS

 

 

04/08/14 a 01/04/15

 

Li o Antigo Testamento em 6 meses e 1 dia e o Novo Testamento em pouco mais de 20 dias

 

 

Gênese

 

4:19: “Lameque tomou para si 2 mulheres: o nome duma era Ada, e o nome da outra Zila.”

 

4:24: “Se Caim há de ser vingado 7x, com certeza Lameque o será 77x.” -- o próprio

 

VampirAdão viveu 930 anos.

 

5:31: “Todos os dias de Lameque foram 777 anos; e morreu.”

 

"No sétimo mês, no dia 17 do mês, repousou a arca sobre os montes de Arará."

 

8:21: “Sentiu o Sr. o suave cheiro e disse em seu coração: Não tornarei mais a amaldiçoar a terra por causa do homem; porque a imaginação do coração do homem é má desde a meninice; nem tornarei mais a ferir todo vivente, como acabo de fazer.”

 

9:4: “A carne, porém, com sua vida, i.e., com seu sangue, não comereis.”

 

Quem derramar sangue de homem, pelo homem terá o seu sangue derramado; porque Deus fez o homem a sua imagem.”



Escrito por a mosca filosófica às 23:03
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


AMBOS OS TESTAMENTOS CRISTÃOS [cont.]

Noé Sem Cão sem dono

 

E Cão, pai de Canaã, viu a nudez de seu pai, e o contou a seus dois irmãos que estavam fora.”

 

10:8: “Cuche também gerou a Ninrode, o qual foi o primeiro a ser poderoso na terra.”

 

Nas linhas só nascem varões.

 

se puder ser contado o pó da terra, então também poderá ser contada a tua descendência.”

 

15:13: “Então disse o Senhor a Abrão: Sabe com certeza que a tua descendência será peregrina em terra alheia, e será reduzida à escravidão, e será afligida por 400 anos; sabe também que eu julgarei a nação à qual ela tem de servir; e depois sairá com muitos bens.”

 

todo varão dentre vós será circuncidado. Circuncidar-vos-eis na carne do prepúcio; e isto será por sinal de pacto entre mim e vós. À idade de 8 dias, todo varão dentre vós será circuncidado, por todas as vossas gerações”

 

não mais será chamado Abrão, mas Abraão teu nome; pois por pai de muitas nações te hei posto (…) Quanto a Sarai, tua mulher, não lhe chamarás mais Sarai, porém Sara será o seu nome.”

 

Abraão tinha 99 anos, quando lhe foi circuncidada a carne do prepúcio; E Ismael, seu filho, tinha 13, quando lhe foi [idem].”

 

Destruirás também o justo com o ímpio?”

 

Eis agora, meus senhores, entrai, peço-vos em casa de vosso servo, e passai nela a noite, e lavai os pés”

 

Çodoma, com “c” de cego.

 

Tinha saído o sol sobre a terra, quando Ló entrou em Zoar.”

 

Go! morra! sem maiores esclarecimentos!

 

Grécia: “Mas a mulher de Ló olhou para trás e ficou convertida em uma estátua de sal.”

 

...e habitou Ló numa caverna, ele e as suas duas filhas.”

 

Ló, o Perdoado – Gên. 19:31-2: “Então a primogênita disse à menor: Nosso pai é já velho, e não há varão na terra que entre a nós, segundo o costume de toda a terra; vem, demos a nosso pai vinho a beber, e deitemo-nos com ele, para que conservemos a descendência de nosso pai.”

 

Então pôs o servo a sua mão debaixo da coxa de Abraão seu senhor, e jurou-lhe sobre este negócio.”

 

Isaque, filho do profeta Abraão, casou-se com sua sobrinha Rebeca. Nasceram Esaú e Jacó.”

 

Isaque amava a Esaú, porque comia da sua caça [que singelo amor de pai!]; mas Rebeca amava a Jacó.”

 

Estou enojado. Sou casto demais para a Bíblia!

 

Concebendo Léia outra vez, deu a Jacó um sexto filho.”

 

Não se acenda a ira nos olhos de meu senhor, por eu não me poder levantar na tua presença, pois estou com o incômodo das mulheres.”

 

Vaquinha, estais malhada de pancada ou é só o sol que vos abrasa?

 

Gên. 32:28: “Não te chamarás mais Jacó, mas Israel; porque tens lutado com Deus e com os homens e tens prevalecido.”

 

Por isso os filhos de Israel não comem até o dia de hoje o nervo do quadril, que está sobre a juntura da coxa, porquanto o homem tocou a juntura da coxa de Jacó no nervo do quadril.”

 

Não podemos fazer isto, dar a nossa irmã a um homem incircunciso; porque isso seria uma vergonha para nós.”

 

Ao terceiro dia, quando os homens estavam doridos [o pós-operatório!], 2 filhos de Jacó [- Israel], Simeão e Levi, irmãos de Diná, tomaram cada um a sua espada, entraram na cidade com toda a segurança e mataram todo varão.”

 

Assim morreu Raquel, e foi sepultada no caminho de Efrata (esta é Bete-Leém).”

 

Irão é descendente de Esaú.

 

eles comerão comigo ao meio-dia.” José do Egito a seus onze irmãos. “porque os egípcios não podiam comer com os hebreus, porquanto é isso abominação aos egípcios.”

 

Lendo os jornais Dane-se-il-som percebe que fatos acontecem com o decurso do tempo – ó! Como os ponteiros do relógio ao se deslocar. Porém uma hora – precisamente! -, um dia – arre! - o ponteiro dá uma volta e volta a seu lugar. E o mundo continua a ser mundo... Cheio de relógios e jornais, lentos apressados redundantes inéditos novatos

 

Não publicarei meu livro para eles – é-di-são-os-tais.

 

SOU O QUE SOU” o auto-referente Deuseska-Popozuda

 

 

Êxodo

 

Êxo. 6:2-3: Falou mais Deus a Moisés, e disse-lhe: Eu sou Jeová. Apareci a Abraão, a Isaque e a Jacó, como o Deus Todo Poderoso; mas pelo meu nome Jeová, não lhes fui conhecido.”

 

Deus adora esquecer. O que será isso de “olvidar” fora do tempo?

 

Eis que os filhos de Israel não me têm ouvido: como, pois, me ouvirá Faraó a mim, que sou incircunciso de lábios?” Moisés não era bom orador.

 

Ora, Anrão tomou por mulher a Joquebede, sua tia”

 

e haverá sangue por toda a terra do Egito, assim nos vasos de madeira como nos de pedra.”

 

O poder da mágica é grande como o do Senhor.

 

se não deixares ir o meu povo, eis que enviarei enxames de moscas sobre ti, e sobre os teus servos, e sobre o teu povo, e nas tuas casas; e as casas dos egípcios se encherão destes enxames, bem como a terra em que eles estiverem.”

 

Êxo. 2:10: “e lhe chamou Moisés, dizendo: Porque das águas o tirei.”



Escrito por a mosca filosófica às 22:59
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


AMBOS OS TESTAMENTOS CRISTÃOS [cont.]

Assim farei distinção entre o meu povo e o teu povo; amanhã se fará este milagre.”

 

Mas o Sr. endureceu o coração de Faraó”

 

Êxo. 9:24: “Havia, pois, saraiva misturada com fogo, saraiva tão grave qual nunca houvera em toda a terra do Egito, desde que veio a ser uma nação.”

 

Êxo. 12:12: “e sobre todos os deuses do Egito executarei juízos; eu sou o Senhor.”

 

Da dieta pascoalina: “Por 7 dias comereis pães ázimos [crus]; logo ao 1º dia tirareis o fermento das vossas casas, porque qualquer que comer pão levedado, entre o 1º e o 7º dia, esse será cortado de Israel.” Banido da linhagem dos Banidos do Paraíso!

 

Dois dias na semana em que o único trabalho será cozinhar e comer.

 

Ora, o tempo que os filhos de Israel moraram no Egito foi de 430 anos, naquele mesmo dia, todos os exércitos do Sr. saíram da terra do Egito.”

 

Êxo. 14:16: “E tu, levanta a tua vara e estende a mão sobre o mar e fende-o, para que os filhos de Israel passem pelo meio do mar em seco.”

 

assim o Sr. derribou os egípcios no meio do mar.”

 

e escolheu Moisés homens capazes dentre todo o Israel, e os pôs por cabeças sobre o povo: chefes de 1000, chefes de 100, chefes de 50 e chefes de 10.”

 

3 meses entre o Egito e o Sinai.

 

Arão, o Robin do Batman Moisés.

 

O mandamento completo – Êxo. 20:17: “Não cobiçarás a casa do teu próximo, não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo.”

 

deuses de prata, ou deuses de ouro, não os farei para vós.”

 

Se comprares um servo hebreu, 6 anos servirá; mas ao 7º sairá forro de graça.”

 

Se alguém ferir a seu servo ou a sua serva com pau e este morrer debaixo da sua mão, certamente será castigado; mas se sobreviver 1 ou 2 dias, não será castigado; porque é dinheiro seu.” [!]

 

se resultar dano, então darás vida por vida, olho por olho, dente por dente, mão por mão, pé por pé, queimadura por queimadura, ferida por ferida, golpe por golpe.”

 

Se alguém ferir o olho do seu servo ou o olho da sua serva e o cegar, deixá-lo-á ir forro por causa do olho.” “Da mesma sorte se tirar o dente do seu servo”

 

Se um boi escornear um homem ou uma mulher e este morrer, certamente será apedrejado o boi e a sua carne não se comerá; mas o dono do boi será absolvido. Mas o seu dono será morto se o boi dantes era escorneador, e ele, advertido, não o guardou” Digamos que todos sejam assim na Espanha!

 

O marido pagava o dote, a não ser que o sogro não concordasse com o casamento: neste caso, o último é quem pagava!

 

Êxo. 22:18-19: “Não permitirás que viva uma feiticeira. Todo aquele que se deitar com animal, certamente será morto.”

 

Ao estrangeiro não maltratarás, nem o oprimirás; pois vós fostes estrangeiros na terra do Egito.”

 

três vezes no ano me celebrarás festa”

 

no mês de abibe saíste do Egito”

 

Na tua terra não haverá mulher que aborte, nem estéril”

 

Aos Domingos não lerás a Bíblia.

 

"Então o Sr. se arrependeu do mal que dissera que havia de fazer ao seu povo." cf. Gên. 8:21

 

"tu conheces o povo, como ele é inclinado ao mal" Arão

 

Os filhos de Levi mataram 3 mil hereges

 

"porquanto és povo de cerviz dura"

 

LOST Deus virava uma coluna de nuvem.

 

Rei-Sol: "homem nenhum pode ver a minha face e viver."

 

As primeiras tábuas divinas Moisés irado as quebrou.

 

Auto-intitulado Jeová misericordioso que guarda o rancor contra o pai até sua quarta geração.

 

"Tudo o que abre a madre é meu" Deus Ganância

 

"Não cozerás o cabrito no leite de sua mãe."

 

Quanta baboseira de decoração de interiores neste irregular Êxodo!

 

 

Levítico

 

E a baboseira continua!

 

Agora, das imundícies, como as dos proscritos indianos.

 

DIC: tinha - doença cutânea que ataca o couro cabeludo e o pêlo

 

"imundo é; habitará só"

 

Lv. 19:19: "Não permitirás que se cruze o teu gado com o de espécie diversa"

 

Lv. 19:27: "Não cortareis o cabelo, arredondando os cantos da vossa cabeça, nem desfigurareis os cantos da vossa barba." "nem no vosso corpo imprimireis qualquer marca." "Não vos voltareis para os que consultam os mortos"

 

Moloque, o Deus rival que aceita sacrifícios humanos.

 

Apedrejar é a melhor forma de matar o proscrito porque deve-se evitar tocá-lo ao máximo.

 

"Se um homem tomar uma mulher e a mãe dela, é maldade; serão queimados no fogo, tanto ele quanto elas, para que não haja maldade no meio de vós."

 

"homem que tiver defeito (...) cego, coxo, de nariz chato, ou de membros demasiadamente compridos" "ou for corcunda" "ou que tiver testículo lesado" "não se chegará para oferecer o pão do seu Deus."

 

"Também não se venderá a terra em perpetuidade, porque a terra é minha"

 

"se teu irmão empobrecer ao teu lado, e lhe enfraquecerem as mãos, sustentá-lo-ás; como estrangeiro, e peregrino viverá contigo."

 

"Ora, Moisés era homem mui manso, mais do que todos os homens que havia sobre a terra." Casou-se com uma estrangeira.



Escrito por a mosca filosófica às 22:53
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


AMBOS OS TESTAMENTOS CRISTÃOS [cont.]

Números

 

Nm. 22 (vários trechos):

 

"Veio, pois, D. a Balaão, de noite, e disse-lhe: já que esses homens te vieram a chamar, levanta-te, vai com eles; todavia, farás somente aquilo que eu te disser. Então levantou-se Balaão pela manhã, albardou a sua jumenta, e partiu com os príncipes de Moabe.

 

"A ira de D. [o bipolar] se acendeu, porque ele ia, e o anjo do Sr. pôs-se-lhe no caminho por adversário. (...) A jumenta viu o anjo do Sr. parado no caminho, com a sua espada desembainhada na mão e, desviando-se do caminho, meteu-se pelo campo; pelo que Balaão espancou a jumenta para fazê-la tornar ao caminho.

 

"Mas o anjo do Sr. pôs-se numa vereda entre as vinhas, havendo uma sebe de um e de outro lado. Vendo, pois, a jumenta o anjo do Sr., coseu-se com a sebe, e apertou contra a sebe o pé de Balaão; pelo que ele tornou a espancá-la.

 

"Então o a.doSr. passou mais adiante, e pôs-se num lugar estreito, onde não havia caminho para se desviar nem para a direita nem para a esquerda. (...) e a ira de Balaão se acendeu, e ele espancou a jumenta com o bordão.

 

"Nisso abriu o Sr. a boca da jumenta, a qual perguntou a Balaão: Que te fiz eu, para que me espancasses estas 3x? (...) Porque zombaste de mim. (...) Porventura não sou a tua jumenta, em que cavalgaste toda a tua vida até hoje? Porventura tem sido o meu costume fazer assim para contigo? E ele respondeu: Não.

 

"Então o Sr. abriu os olhos a Balaão, e ele viu o anjo do Sr. parado no caminho, e a sua espada desembainhada na mão; pelo que inclinou a cabeça, e prostrou-se com o rosto em terra. (...)

 

"se ela não se tivesse desviado de mim, na verdade que eu te haveria matado, deixando a ela com vida. (...) vai com estes homens, mas somente a palavra que eu te disser é que falarás. Assim Balaão seguiu com os príncipes de Balaque."

 

Moisés bisneto de Levi.

 

Nm. 31:17-18: "Agora, pois, matai todos os meninos entre as crianças, e todas as mulheres que conheceram homem, deitando-se com ele. Mas todas as meninas, que não conheceram homem, deitando-se com ele, deixai-as viver para vós."

 

"escolhereis para vós 6 cidades que vos sirvam de refúgio para que se refugie ali o homicida que tiver matado alguém involuntariamente."

 

Nm. 35:30: "Todo aquele que matar alguém, será morto conforme o depoimento de testemunhas; mas 1 só testemunha não deporá contra alguém, para condená-lo à morte."

 

 

Deuteronômio

 

4:7-8: "Pois que grande nação há que tenha deuses tão chegados a si como o é a nós o Sr. nosso Deus todas as vezes que o invocamos?

 

"E que grande nação há que tenha estatutos e preceitos tão justos como toda esta lei que hoje ponho perante vós?"

 

"e para que não suceda que, levantando os olhos para o céu, e vendo o sol, a lua e as estrelas, todo esse exército do céu, sejais levados a vos inclinardes perante eles, prestando culto a essas coisas que o Sr. vosso D. repartiu a todos os povos debaixo de todo o céu."

 

4:27-28: "E [se pecardes] o Sr. vos espalhará entre os povos, e ficareis poucos em número entre as nações para as quais o Sr. vos conduzirá. Lá servireis a deuses que são obra de mãos de homens, madeira e pedra, que não vêem, nem ouvem, nem comem, nem cheiram."

 

"Mas de lá buscarás ao Sr. teu D. e o acharás, quando o buscardes de todo o coração e de toda a tua alma."

 

"então nos últimos dias voltarás para o Sr., e ouvirás a sua voz."

 

"porquanto o SrtD é miseric(o)r(dioso)"

 

"Agora, pois, pergunta aos tempos passados que te precederam desde o dia em que D. criou o homem sobre a terra, desde 1 extremidade do céu até a outra, se aconteceu jamais coisa tão grande como esta, ou se jamais se ouviu coisa semelhante?"

 

"o Sr. é Deus; nenhum outro há senão ele."

 

déjà vu: "Não farás para ti imagem esculpida, nem figura alguma do que há em cima no céu, nem embaixo na terra, nem nas águas debaixo da terra"

 

Não odiarás meu filho, ó Único e Ciumento!

 

"hoje vimos que D. fala com o homem, e este ainda continua vivo."

 

"E o Sr. desviará de ti toda enfermidade; não porá sobre ti nenhuma das más doenças dos egípcios, que bem conheces; no entanto as porá sobre todos os que te odeiam."

 

Dt. 8:5: "Saberás, pois, no teu coração que, como um homem corrige a seu filho, assim te corrige o SrtD."

 

"Não é por causa da tua justiça, nem pela retidão do teu coração que entras a possuir a sua terra, mas pela iniqüidade destas nações o SrtD as lança fora de diante de ti, e para confirmar a palavra que o SrtD jurou a teus pais, Abraão, Isaque e Jacó."

 

Dt. 10:16-17: "Circuncidai, pois, o prepúcio do vosso coração, e não mais endureçais a vossa cerviz. Pois o Sr. vosso Deus, é o Deus dos deuses, e o Sr. dos senhores, o Deus grande, poderoso e terrível, que não faz acepção de [bajula] pessoas, nem recebe peitas [subornos]."

 

"Vede que hoje eu ponho diante de vós a bênção e a maldição" Moisés, em seu último dia.

 

"Emprestarás a muitas nações, mas não tomarás empréstimos; e dominarás sobre muitas nações, porém elas não dominarão sobre ti." Genealogia dos banqueiros. Dt. 15:11: "Pois nunca deixará de haver pobres na terra"

 

"nem levantarás para ti coluna, coisa que o SrtD detesta."

 

DEUS de Desista de Existir, Última Sabedoria.

DEus de DEtesta-se a vida, nestas imediações.

 

"não multiplicarás para si cavalos"

 

"Não se achará no meio de ti quem faça passar pelo fogo o seu filho ou sua filha (...) nem encantador (...) nem mágico"

 

"Do meio de seus irmãos lhes suscitarei um profeta semelhante a ti; E de qualquer que não ouvir as minhas palavras, que ele falar em meu nome, eu exigirei contas."

 

Onde 2 ou 3 são 20 ou 30

 

"aquele que é pendurado é maldito de Deus"

 

"Este nosso filho é contumaz e rebelde; não dá ouvidos a nossa voz; é comilão e beberrão." Dt. 21:20-21: "Então todos os homens da sua cidade o apedrejarão, até que morra; assim exterminarás o mal do meio de ti; e todo o Israel, ouvindo isso temerá."

 

"Não haverá traje de homem na mulher, e não vestirá o homem vestido de mulher (...) é abominação"

 

"Quando edificares uma casa nova, farás no terraço um parapeito, para que não tragas sangue sobre a tua casa, se alguém dali cair." "Não te vestirás de estofo misturado, de lã e linho juntamente."



Escrito por a mosca filosófica às 22:48
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


AMBOS OS TESTAMENTOS CRISTÃOS [cont.]

"Não achei na tua filha os sinais da virgindade" "fez loucura em Israel, prostituindo-se na casa de seu pai." "Se um homem achar uma moça virgem não desposada e, pegando nela, deitar-se com ela, e forem apanhados, o homem que se deitou com a moça dará ao pai dela 50 siclos de prata, e porquanto a humilhou, ela ficará sendo sua mulher"

 

"Aquele a quem forem trilhados os testículos, ou for cortado o membro viril, não entrará na assembleia do Sr." Como "nenhum bastardo".

 

"não trarás o salário da prostituta nem o aluguel do sodomita para a casa do SrtD por qualquer voto"

 

"carta de divórcio"

 

"Quando um homem for recém-casado não sairá à guerra, nem se lhe imporá cargo público; por 1 ano inteiro ficará livre na sua casa, para se regozijar com a sua mulher, que tomou [no cu]."

 

"No mesmo dia lhe pagarás o seu salário, e isso antes que o sol se ponha; porquanto é pobre e está contando com isso"

 

"Não se farão morrer os pais pelos filhos, nem os filhos pelos pais; cada qual morrerá pelo seu próprio pecado."

 

"Até 40 açoites lhe poderá dar"

 

"dever de cunhado": comer a viúva do irmão falecido

 

Dt. 27:23: "Maldito aquele que se deitar com a sogra. E todo o povo dirá: Amém."

 

“por 1 caminho sairão contra ti, mas por 7 caminhos fugirão da tua presença”

 

“Apalparás ao meio-dia como o cego apalpa nas trevas”

 

“Desposar-te-ás com uma mulher, porém outro homem dormirá com ela” “as tuas ovelhas serão dadas aos teus inimigos” “Estarão sobre ti estas maldições por sinal e por maravilha, como também sobre a tua descendência para sempre.”

 

“eis que, vivendo eu ainda hoje convosco, rebeldes fostes contra o Senhor; e quanto mais depois da minha morte!”

 

“Ele é a Rocha; suas obras são perfeitas”

 

“O seu vinho é veneno de serpentes, e peçonha cruel de víboras.”

 

“Moisés morreu (…) e ninguém soube até hoje o lugar da sua sepultura. Tinha Moisés 120 anos quando morreu; não se lhe escurecera a vista, nem se lhe fugira o vigor.”

 

 

“E nunca mais se levantou em Israel profeta como Moisés, a quem o Sr. conhecesse face a face.”

 

 

Josué

 

5:2: “Naquele tempo disse o Sr. a Josué: Faze facas de pederneira, e circuncida 2ª vez aos filhos de Israel.”

 

Js. 10:13-14: “E o sol se deteve, e a lua parou, até que o povo se vingou de seus inimigos. Não está isto escrito no livro de Jasar? O sol, pois, se deteve no meio do céu, e não se apressou a pôr-se, quase um dia inteiro. E não houve dia semelhante a esse, nem antes nem depois dele, atendendo o Sr. assim a voz dum homem; pois o Sr. pelejava por Israel.”

 

“Assim Josué os feriu desde Cades-Barnéia até Gaza, como também toda a terra de Gósem, até Gibeão. E de uma só vez tomou Josué todos esses reis e a sua terra, porquanto o Sr., o Deus de Israel, pelejava por Israel.”

 

Js. 21:45: “Palavra alguma falhou de todas as boas coisas que o Sr. prometera à casa de Israel; tudo se cumpriu.”

 

 

Juízes

 

Jz. 1:7-8: “Então disse Adoni-Bezeque: 70 reis, com os dedos polegares das mãos e dos pés cortados, apanhavam as migalhas debaixo da minha mesa; assim como eu fiz, assim Deus me pagou. E o trouxeram a Jerusalém, e ali morreu. Ora, os filhos de Judá pelejaram contra Jerusalém e, tomando-a, passaram-na ao fio da espada e puseram fogo à cidade.”

 

Jz. 3:16-ss: “E Eúde fez para si uma espada de 2 gumes, de um côvado de comprimento, e cingiu-a à coxa direita, por baixo das vestes. E levou aquele tributo a Eglom, rei de Moabe. Ora, Eglom era muito gordo. Quando Eúde acabou de entregar o tributo, despediu a gente que trouxera. (…) Disse o rei: Silêncio! E todos os que lhe assistiam saíram da sua presença. (…) Então Eúde [o Canhoto], estendendo a mão esquerda, tirou a espada de sobre a coxa direita, e lhe cravou no ventre. O cabo também entrou após a lâmina, e a gordura encerrou a lâmina, pois ele não tirou a espada do ventre: Então Eúde, saindo ao pórtico, cerrou as portas do quarto e as trancou. Tendo ele saído vieram os servos do rei; e olharam, e eis que as portas do quarto estavam trancadas. Disseram: sem dúvida ele está aliviando o ventre na privada do seu quarto. Assim esperaram até ficarem alarmados, mas ainda não abria as portas do quarto. Então, tomando a chave, abriram-nas, e eis seu sr. estendido  morto por terra.”

 

Jael, mulher de Heber

 

Jz. 5:25: “Água pediu ele, leite lhe deu ela; em taça de príncipes lhe ofereceu coalhada.”

 

11º mandamento: Não dividirás por 0.

 

Jz. 9:53-4: “Gideão teve 70 filhos, que procederam da sua coxa, porque tinha muitas mulheres.”

 

Jz. 11:24-8: “Nisso a mulher lançou a pedra superior de um moinho sobre a cabeça de Abimeleque, e quebrou-lhe o crânio. Então ele chamou depressa o moço, seu escudeiro, e disse-lhe: Desembainha a tua espada e mata-me, para que não se diga de mim: uma mulher o matou. E o moço o traspassou e ele morreu.”

 

“Não possuirias tu o território daquele que Quemós, teu deus, desapossasse de diante de ti? Assim possuiremos nós o território de todos quantos o SrnD desapossar de diante de nós. [Bíblia Politeísta] Agora, és tu melhor do que Balaque, filho de Zipor, rei de Moabe? ousou ele jamais contender com Israel, ou lhe mover guerra? Enquanto Israel habitou 300 anos em Hesbom e nas suas vilas, em Aroer e nas suas vilas em todas as cidades que estão ao longo do Arnom, por que não as recuperaste naquele tempo? Não fui eu que pequei contra ti; és tu, porém, que usas de injustiça para comigo, fazendo-me guerra. O Sr., que é juiz, julgue hoje entre os filhos de Israel e os amonitas. Contudo o rei dos amonitas não deu ouvidos à mensagem que Jefté lhe enviou. (…) E Jefté fez um voto ao Sr., dizendo: Se tu me entregares na mão os amonitas, qualquer que, saindo da porta de minha casa, me vier ao encontro, quando eu, vitorioso, voltar dos amonitas, esse será do Sr.; eu o oferecerei em holocausto. (…) Quando Jefté chegou a Mizpá, a sua casa, eis que a sua filha lhe saiu ao encontro com adufes e com danças; e era ela a filha única; além dela não tinha outro filho nem filha. Logo que ele a viu, rasgou as suas vestes, e disse: Ai de mim, filha minha! muito me abateste; és tu a causa da minha desgraça! pois eu fiz um voto ao Sr., e não posso voltar atrás. Ela lhe respondeu: Meu pai, se fizeste um voto ao Sr., faze de mim conforme o teu voto, pois o Sr. te vingou dos teus inimigos, os filhos de Amom. Disse mais a seu pai: Concede-me somente isto: deixa-me por 2 meses para que eu vá, e desça pelos montes, chorando a minha virgindade com as minhas companheiras. Disse ele: Vai. E deixou-a ir por 2 meses; então ela se foi com as suas companheiras, e chorou a sua virgindade pelos montes. E sucedeu que, ao fim dos 2 meses, tornou ela para seu pai, o qual cumpriu nela o voto que tinha feito; e ela não tinha conhecido varão. Daí veio o costume em Israel, de irem as filhas de Israel de ano em ano lamentar por 4 dias a filha de Jefté, o gileadita.”



Escrito por a mosca filosófica às 22:35
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


AMBOS OS TESTAMENTOS CRISTÃOS [cont.]

Jz. 12: “Então os homens de Efraim se congregaram, passaram para Zafom e disseram a Jefté: Por que passaste a combater contra os amonitas, e não nos chamaste para irmos contigo? Queimaremos a fogo a tua casa contigo. (…) Depois ajuntou Jefté todos os homens de Gileade, e combateu contra Efraim, e os homens de Gileade feriram a Efraim; porque este lhes dissera: Fugitivos sois de Efraim, vós gileaditas que habitais entre Efraim e Manassés. E tomaram os gileaditas aos efraimitas os vaus do Jordão; e quando algum dos fugitivos de Efraim dizia: Deixai-me passar; então os homens de Gileade lhe perguntavam: És tu efraimita? E dizendo ele: Não; então lhe diziam: Dize, pois, Chibolete; porém ele dizia: Sibolete, porque não o podia pronunciar bem. Então pegavam dele, e o degolavam nos vaus do Jordão. Caíram de Efraim naquele tempo 42 mil.”

 

Jz. 13:24: “Depois teve essa mulher um filho, a quem pôs o nome de Sansão; e o menino cresceu, e o Sr. o abençoou.”

 

“Com a queixada de um jumento matei mil homens.”

 

“Respondeu Sansão a Dalila: Se me amarrassem com 7 cordas de nervos, ainda não secados, então me tornaria fraco, e seria como qualquer outro homem.” “E ele quebrou as cordas de nervos, como se quebra o fio da estopa ao lhe chegar o fogo.” “Eis que zombaste de mim, e me disseste mentiras” “como podes dizer: Eu te amo! não estando comigo o teu coração? Já 3x zombaste de mim” [3x o galo cantou] “Então os filisteus pegaram nele, arrancaram-lhe os olhos e, tendo-o levado a Gaza, amarraram-no com duas cadeias de bronze; e girava moinho no cárcere. Todavia o cabelo da sua cabeça, logo que foi rapado, começou a crescer de novo.” “Abraçou-se pois, Sansão com as 2 colunas do meio, em que se sustinha a casa, arrimando-se numa com a mão direita e na outra com a esquerda. E bradando: Morra eu com os filisteus! Inclinou-se com toda a sua força, e a casa caiu sobre os chefes e sobre todo o povo que nela havia.”

 

Jz. 19:24: “Aqui estão a minha filha virgem e a concubina do homem; fá-las-ei sair; humilhai-as a elas, e fazei delas o que parecer bem aos vossos olhos; porém a este homem não façais tal loucura.”

 

“Quando chegou em casa, tomou um cutelo e, pegando na sua concubina, a dividiu, membro por membro, em 12 pedaços, que ele enviou por todo o território de Israel.”

 

Os 26.700 de Gibeá, hereges devotos de Belial (benjamitas)

 

VS.

 

400.000 de toda Israel

 

baixas:

dia 1 – 22.000 (apenas israelitas)

dia 2 – 18.000 (apenas israelistas)

dia 3 – 30.000 israelitas

                       SALDO ISRAELITA: 330.000

           26.100 benjamitas

                       SALDO BENJAMITA: 600 conseguiram fugir para o deserto

 

“E os filhos de Israel tiveram pena de Benjamin, seu irmão, e disseram: Hoje é cortada de Israel uma tribo.” “Arrecadaram” 400 virgens de uma vila traidora e chamaram outra vez os 600 sobreviventes do massacre.

 

Jz. 21:25 epílogo: “Naqueles dias não havia rei em Israel; cada um fazia o que parecia bem aos seus olhos.”

 

 

Rute

 

Rt. 1:20: “Não me chameis Noêmi; chamai-me Mara, porque o Todo Poderoso me encheu de amargura." Rute, bisavó do Rei Davi.

 

"São estas as gerações de Pérez: Pérez gerou a Hezrom, Hezrom gerou a Rão, Rão gerou a Aminadabe, Aminadabe gerou a Nasom, Nasom gerou a Salmom, Salmom gerou a Boaz, Boaz gerou a Obede, Obede gerou a Jessé, e Jessé gerou a Davi."

 

 

Samuel

 

...E no princípio, era tudo decadência... eis que eu nasci.

 

"Até quando estarás tu embriagada? Aparta de ti o teu vinho, Ana."

 

"E a palavra do Sr. era muito rara naqueles dias; as visões não eram freqüentes."

 

"Josué, o bete-semita" Bete-Semes

 

"Mas pareceu mal aos olhos de Samuel, quando disseram: Dá-nos um rei para nos julgar. Então Samuel orou ao Sr."

 

E lá se vão mais tábuas desperdiçadas...

 

"O povo, porém, não quis ouvir a voz de Samuel."

 

"Saul, jovem e belo (...) desde os ombros para cima sobressaía em altura a todo o povo."

 

Sam. 9:9: "(Antigamente em Israel, indo alguém consultar a Deus, dizia assim: Vinde, vamos ao vidente; porque ao profeta de hoje, outrora se chamava vidente.)"

 

"Maldito o homem que comer pão antes da tarde, antes que eu me vingue de meus inimigos."

 

Sam. 15:22: "Tem, porventura, o Sr. tanto prazer em holocaustos e sacrifícios, como em que se obedeça a voz do Sr.? Eis que o obedecer é melhor do que o santificar, e o atender, do que a gordura de carneiros."

 

"Ora, Samuel nunca mais viu a Saul até o dia da sua morte, mas Samuel teve dó de Saul. E o Sr. se arrependeu de haver posto a Saul rei sobre Israel."

 

Quando os laços religiosos eram fortes, o miserável e desgraçado não se matava com medo da danação eterna no inferno. Hoje esse papel de temor e chantagem cabe exclusivamente aos seguros de vida. A saúde financeira!

 

"E quando o espírito maligno da parte de Deus vinha sobre Saul, Davi tomava a harpa, e a tocava com a sua mão; então Saul sentia alívio, e se achava melhor, e o espírito maligno se retirava dele."

 

Sam. 17:4: "Então saiu do arraial dos filisteus um campeão, cujo nome era Golias, de Gate, que tinha de altura 6 côvados e 1 palmo."

1 côvado = 66cm, 1 palmo = 22cm; 3,96m + 0,22m = 4,18m



Escrito por a mosca filosófica às 22:30
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


AMBOS OS TESTAMENTOS CRISTÃOS [cont.]

"Trazia na cabeça um capacete de bronze, e vestia uma couraça escameada, cujo peso era de 5.000 siclos de bronze." = 57kg; 1 siclo = 11,4g

 

DIC - siclo: do latim siclus, do hebraico shekel

 1. Unidade de peso oriental; 2. moeda.

 

Um-contra-um para decidir Israel x Filisteus.

Davi era o caçula de 8 filhos.

A batalha foi curta: Sam. 17:49: "E Davi, metendo a mão no alforje, tirou dali uma pedra e com a funda lha atirou, ferindo o filisteu na testa; a pedra lhe cravou na testa, e ele caiu com o rosto em terra." "e não havia espada na mão de Davi." Golias foi degolado.

 

"O rei não deseja dotes, senão 100 prepúcios de filisteus, para que seja vingado dos seus inimigos."

 

"E Saul, depois que veio o espírito maligno da parte do Sr., procurou encravar a Davi na parede, porém ele se desviou de diante de Saul, que fincou a lança na parede. Então Davi fugiu, e escapou naquela mesma noite."

 

E o Faraó não quis ser mau...

 

"Faltam-me a mim doidos, para que trouxésseis a este para fazer doidices diante de mim? há de entrar este na minha casa?"

 

"E chegou no caminho a uns currais de ovelhas, onde havia uma caverna; e Saul entrou nela para aliviar o ventre. Ora, Davi e os seus homens estavam sentados na parte interior da caverna."

 

"Davi tomou também Ainoã de Jizreel; e ela e Abigail foram suas mulheres."

 

 

"Saul pagou uma nigromante para fazer Samuel subir dos ínferos." "E o Sr. entregará também a Israel contigo na mão dos filisteus. Amanhã tu e teus filhos estareis comigo, e o Sr. entregará o arraial de Israel na mão dos filisteus." "Saul feriu os seus milhares, mas Davi os seus dez milhares."

 

Sam. 12:

 

"Havia numa cidade 2 homens, 1 rico e 1 pobre. O rico tinha rebanhos e manadas em grande número; mas o pobre não tinha coisa alguma, senão uma pequena cordeira que comprara e criara; ela crescera em companhia dele e de seus filhos; do seu bocado comia, do seu copo bebia, e dormia em seu regaço; e ele a tinha como filha. Chegou 1 viajante à casa do rico; e este, não querendo tomar das suas ovelhas e do seu gado para guisar para o viajante que viera a ele, tomou a cordeira do pobre e a preparou para seu hóspede. (...)

       Vive o Sr., que digno de morte é o homem que fez isso. Pela cordeira restituirá o quádruplo. (...) Então disse Natã a Davi: Esse homem és tu! (...) A Urias, o heteu, mataste a espada, e a sua mulher tomaste para ser tua mulher."

 

"Assim diz o Sr.: Eis que suscitarei da tua própria casa o mal sobre ti, e tomarei tuas mulheres perante os teus olhos, e as darei ao teu próximo, o qual se deitará com tuas mulheres à luz deste sol. Pois tu o fizeste em oculto; mas eu farei este negócio perante todo o Israel e à luz do sol."

 

"Que é isso que fizeste? pela criança viva jejuaste e choraste; porém depois que a criança morreu te levantaste e comeste. Respondeu ele: Quando a criança ainda vivia, jejuei e chorei, pois dizia: Quem sabe se o Sr. não se compadecerá de mim, de modo que viva a criança? Todavia, agora que é morta, por que ainda jejuarei eu? Poderei eu fazê-la voltar? Eu irei para ela, porém ela não voltará para mim. Então consolou Davi a Bete-Sabá, sua mulher, e entrou, e se deitou com ela. E teve ela um filho, e Davi lhe deu o nome de Salomão. E o Sr. o amou; e mandou, por intermédio do profeta Natã, dar-lhe o nome de Jedidias, por amor do Sr."

 

Sam. 14:26: "E quando [Absalão] cortava o cabelo, o que costumava fazer no fim de cada ano, porquanto lhe pesava muito, o peso do cabelo era de 200 siclos, segundo o peso real [~2kg?]." Absalão, filho de Davi, traiu-o e quis a Coroa.

 

Sam. 21: Golias teve 4 filhos, da raça dos gigantes, todos eles abatidos por servos de Davi.

 

"Houve ainda também outra peleja em Gate, onde estava um homem de alta estatura, que tinha 6 dedos em cada mão, e 6 em cada pé, 24 por todos"

 

 

Reis

 

Rs. 4: "A sabedoria de Salomão era maior do que a de todos os do Oriente e do que toda a sabedoria dos egípcios. Proferiu ele 3.000 provérbios, e foram os seus cânticos 1.005. Dissertou a respeito das árvores, desde o cedro que está no Líbano até o hissopo que brota da parede; também dissertou sobre os animais, as aves, os répteis e os peixes. De todos os povos vinha gente para ouvir a sabedoria de Salomão, e da parte de todos os reis da terra que tinham ouvido da sua sabedoria."

 

"e ali estão até o dia de hoje."

 

Minhas maiores chances de êxito são emulando suas características - uma vez que o principal em vocês é a dita falsidade. Em suma: errar mais, errar feito um bebê, até algo proveitoso acontecer!

 

"não havia nenhum vaso de prata, porque nos dias de Salomão a prata não tinha estimação alguma."

 

"Tinha ele 700 mulheres, princesas, e 300 concubinas; e suas mulheres lhe perverteram o coração."

 

"Salomão seguiu a Astarote, deusa dos sidônios [fenícios], e a Milcom [Moloch], abominação dos amonitas."

 

"Meu dedo mínimo é mais grosso do que os lombos de meu pai. Meu pai vos castigou com açoites; eu, porém, vos castigarei com escorpiões."

 

"Assim Israel se rebelou contra a casa de Davi até o dia de hoje."

 

"Quanto ao restante dos atos de Reboão [filho de Salomão], e a tudo quanto fez, porventura não estão escritos no livro das crônicas dos reis de Judá?" "Quanto ao restante dos atos de Baasa, e ao que fez, e ao seu poder, porventura não estão escritos no livro das crônicas dos reis de Israel?"

 

Rs. 16:31: "E [Onri], como se fosse pouco andar nos pecados de Jeroboão, filho de Nebate, ainda tomou por mulher a Jezabel, filha de Etbaal, rei dos sidônios, e foi e serviu a Baal e o adorou"

 

"E os corvos lhe [Elias, o tisbita] traziam pão e carne pela manhã, como também pão e carne à tarde; e ele bebia do ribeiro."

 

"Até quando coxeareis entre dois pensamentos?"

 

"Ah, Baal, responde-nos! Porém não houve voz; ninguém respondeu."

 

"Levantou-se, pois, e comeu e bebeu; e com as forças desse alimento caminhou 40 dias e 40 noites até Horebe, o monte de Deus."

 

"Também acerca de Jezabel falou o Senhor, dizendo: Os cães comerão Jezabel junto ao antemuro de Jizreel."

 

"Sucedeu, pois, que Acabe, ouvindo estas palavras, rasgou as suas vestes, cobriu de saco a sua carne, e jejuou; e jazia em saco, e andava humildemente. Então veio a palavra do Sr. a Elias, o tisbita, dizendo: Não viste que Acabe se humilha perante mim? Por isso, porquanto se humilha perante mim, não trarei o mal enquanto ele viver, mas nos dias de seu filho trarei o mal sobre sua casa."

 

"há justo que perece na sua justiça, e há ímpio que prolonga os seus dias na sua maldade."

 

"E eu achei uma coisa mais amarga do que a morte, a mulher cujo coração são laços e redes, e cujas mãos são grilhões"

 

"exalto a alegria, porquanto o homem nenhuma coisa melhor tem debaixo do sol do que comer, beber e alegrar-se" "Vai, pois, come com alegria o teu pão e bebe o teu vinho com coração contente"

 

"Este é o mal que há em tudo quanto se faz debaixo do sol: que a todos sucede o mesmo."

 

"melhor é o cão vivo do que o leão morto."

 

"Goza a vida com a mulher que amas, todos os dias da tua vida vã; porque este é o teu quinhão"

 

"no Seol, para onde tu vais, não há obra, nem projeto, nem conhecimento, nem sabedoria alguma."



Escrito por a mosca filosófica às 22:26
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


AMBOS OS TESTAMENTOS CRISTÃOS [cont.]

Os anjos são as gossip girls de deus.

 

"Alegra-te, mancebo, na tua mocidade"

 

"As palavras dos sábios são como aguilhões; e como pregos bem fixados são as palavras coligidas dos mestres, as quais foram dadas pelo único pastor."

 

 

"de fazer muitos livros não há fim; e o muito estudar é enfado de carne."

 

 

Ester

 

 

"Harbona, um dos eunucos, disse ao rei: A forca preparada por Amã para Mardoqueu, cuja denúncia em favor do rei tinha sido tão salutar, acha-se levantada na casa de Amã, alta de cinqüenta côvados. Que o suspendam nela!, exclamou o rei. E suspenderam Amã na forca que tinha preparado para Mardoqueu. Isso acalmou a cólera do rei."

 

 

 

Jó, 3 (o livro mais belo até agora):

1. Então Jó abriu a boca e amaldiçoou o dia de seu nascimento.

2. Jó falou nestes termos:

3. Pereça o dia em que nasci e a noite em que foi dito: uma criança masculina foi concebida!

4. Que esse dia se mude em trevas! Que Deus, lá do alto, não se incomode com ele; que a luz não brilhe sobre ele!

5. Que trevas e obscuridade se apoderem dele, que nuvens o envolvam, que eclipses o apavorem,

6. que a sombra o domine; esse dia, que não seja contado entre os dias do ano, nem seja computado entre os meses!

7. Que seja estéril essa noite, que nenhum grito de alegria se faça ouvir nela.

8. Amaldiçoem-na aqueles que amaldiçoaram os dias, aqueles que são hábeis para evocar Leviatã!

9. Que as estrelas de sua madrugada se obscureçam, e em vão espere a luz, e não veja abrirem-se as pálpebras da aurora,

10. já que não fechou o ventre que me carregou para me poupar a vista do mal!

11. Por que não morri no seio materno, por que não pereci saindo de suas entranhas?

12. Por que dois joelhos para me acolherem, por que dois seios para me amamentarem?

13. Estaria agora deitado e em paz, dormiria e teria o repouso

14. com os reis, árbitros da terra, que constroem para si mausoléus;

15. com os príncipes que possuíam o ouro, e enchiam de dinheiro as suas casas.

16. Ou então, como o aborto escondido, eu não teria existido, como as crianças que não viram o dia.

17. Ali, os maus cessam os seus furores, ali, repousam os exaustos de forças,

18. ali, os prisioneiros estão tranqüilos, já não mais ouvem a voz do exator.

19. Ali, juntos, os pequenos e os grandes se encontram, o escravo ali está livre do jugo do seu senhor.

20. Por que conceder a luz aos infelizes, e a vida àqueles cuja alma está desconsolada,

21. que esperam a morte, sem que ela venha, e a procuram mais ardentemente do que um tesouro,

22. que são felizes até ficarem transportados de alegria, quando encontrarem o sepulcro?

23. Ao homem cujo caminho é escondido e que Deus cerca de todos os lados?

24. Em lugar do pão tenho meus suspiros, e os meus gemidos se espalham como a água.

25. Todos os meus temores se realizam, e aquilo que me dá medo vem atingir-me.

26. Não tenho paz, nem descanso, nem repouso; só tenho agitação.

 

Jó (outros capítulos):

 

Jo 4:10-11: "Urra o leão, e seu rugido é abafado; os dentes dos leõezinhos são quebrados. A fera morreu porque não tinha presa, e os filhotes da leoa são dispersados." Cf. Jo 4:10 (outra tradução): "Os leões podem rugir e rosnar, mas até os dentes dos leões fortes se quebram."

 

"Ouvi uma débil voz: Pode um homem ser justo na presença de Deus, pode um mortal ser puro diante de seu Criador?"

 

"Ele não confia nem em seus próprios servos; até mesmo em seus anjos encontra defeitos, quanto mais em seus hóspedes das casas de argila que têm o pó por fundamento! São esmagados como uma traça"

 

Jo 6:6: "Come-se uma coisa insípida sem sal? Pode alguém saborear aquilo que não tem gosto algum?" // Cf. "Come-se sem sal uma comida insípida? E a clara do ovo, tem algum sabor?"

 

Jo 7:4: "Apenas me deito, digo: Quando chegará o dia? Logo que me levanto: Quando chegará a noite? E até a noite me farto de angústias."

 

Jo 7:13-14: "Se eu disser: Consolar-me-á o meu leito, e a minha cama me aliviará, tu me aterrarás com sonhos, e me horrorizarás com visões."

 

Jo 7:17-19: "O que é um homem para fazeres tanto caso dele, para te dignares ocupar-te dele, para visitá-lo todas as manhãs, e prová-lo a cada instante? Quando cessarás de olhar para mim, e deixarás que eu engula minha saliva?" // Cf. Jo 7:19: "Nunca desviarás de mim o teu olhar? Nunca me deixarás a sós, nem por um instante?"

 

Jo 14:7: "Para a árvore pelo menos há esperança: se é cortada,

torna a brotar, e os seus renovos vingam."

 

Jo 15:14: "Como o homem pode ser puro? Como pode ser justo quem nasce de mulher?"

 

Jo 19:25: "Eu sei que o meu Redentor vive e que no fim se levantará sobre a terra."

 

Jo 31:9-10: "Se o meu coração foi seduzido por mulher, ou se fiquei à espreita junto à porta do meu próximo, que a minha esposa moa cereal de outro homem, e que outros durmam com ela."

 

Jo 31:26-28: "se contemplei o sol em seu fulgor e a lua a mover-se esplêndida, e em segredo o meu coração foi seduzido e a minha mão lhes ofereceu beijos de veneração, esses também seriam pecados merecedores de condenação, pois eu teria sido infiel a Deus, que está nas alturas."

 

"Que homem existe como Jó, que bebe zombaria como água?"

 

Jo 42:13-16: "Também teve ainda sete filhos e três filhas. À primeira filha deu o nome de Jemima, à segunda o de Quézia e à terceira o de Quéren-Hapuque. Em parte alguma daquela terra havia mulheres tão bonitas como as filhas de Jó, e seu pai lhes deu herança junto com os seus irmãos. Depois disso Jó viveu 140 anos; viu seus filhos e os descendentes deles até a quarta geração."

 

 

Salmos

 

"Certamente que os filhos de Adão são vaidade, e os filhos dos homens são desilusão; postos na balança, subiriam; todos juntos são mais leves do que um sopro."

 

"Deus faz que o solitário viva em família"

 

"Mas Deus esmagará a cabeça de seus inimigos, o crânio cabeludo daquele que prossegue em suas culpas."

 

"Não entregues às feras a alma da tua rola"



Escrito por a mosca filosófica às 22:19
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


AMBOS OS TESTAMENTOS CRISTÃOS [cont.]

"Porque na mão do Senhor há um cálice, cujo vinho espuma, cheio de mistura, do qual ele dá a beber; certamente todos os ímpios da terra sorverão e beberão as suas fezes."

 

"Poderá Deus porventura preparar uma mesa no deserto? Acaso fornecerá carne para o seu povo?"

 

"Tu os alimentaste com pão de lágrimas, e lhes deste a beber lágrimas em abundância."

 

"Porque vale mais um dia nos teus átrios do que em outra parte mil."

 

"A benignidade e a fidelidade se encontraram; a justiça e a paz se beijaram."

 

"Serão conhecidas nas trevas as tuas maravilhas, e a tua justiça na terra do esquecimento?"

 

"Porque mil anos aos teus olhos são como o dia de ontem que passou, e como uma vigília da noite."

 

"A duração da nossa vida é de 70 anos; e se alguns, pela sua robustez, chegam a 80 anos, a medida deles é canseira e enfado; pois passa rapidamente, e nós voamos."

 

"ajoelhemos diante do Senhor, que nos criou. Porque ele é o nosso Deus, e nós povo do seu pasto e ovelhas que ele conduz."

 

Sou semelhante ao pelicano no deserto; cheguei a ser como a coruja das ruínas. Vigio, e tornei-me como um passarinho solitário no telhado.”

 

Quanto o oriente está longe do ocidente, tanto tem ele afastado de nós as nossas transgressões.”

 

tua mocidade se renova como a da águia.” (?)

 

Sl. 109:8-12: "Sejam poucos os seus dias, e outro tome o seu ofício! Fiquem órfãos os seus filhos, e viúva a sua mulher! Andem errantes os seus filhos, e mendiguem; esmolem longe das suas habitações assoladas. O credor lance mão de tudo quanto ele tenha, e despojem-no os estranhos do fruto do seu trabalho! Não haja ninguém que se compadeça dele, nem haja quem tenha pena dos seus órfãos!"

 

Sl. 109:18: "Assim como se vestiu de maldição como dum vestido, assim penetre ela nas suas entranhas como água, e em seus ossos como azeite!"

 

"Por que perguntariam as nações: Onde está o seu Deus?"

 

 

"A tua mulher será como a videira frutífera, no interior da tua casa; os teus filhos como plantas de oliveira, ao redor da tua mesa."

 


Provérbios

 

Rei Salomão:

 

"Porque os lábios da mulher licenciosa destilam mel, e a sua boca é mais macia do que o azeite; mas o seu fim é amargoso como o absinto, agudo como a espada de dois gumes.

 

Seja bendito o teu manancial; e regozija-te na mulher da tua mocidade [ecos de Afrodite perdida; ainda sou moço?]. Como corça amorosa, e graciosa cabra montesa saciem-te os seus seios em todo o tempo; e pelo seu amor sê encantado perpetuamente

 

E por que, filho meu, andarias atraído pela mulher licenciosa, e abraçarias o seio da adúltera?"

 

 

Cantares

 

O tal "cântico dos cânticos"

 

"Não repareis em eu ser morena, porque o sol crestou-me a tez; os filhos de minha mãe indignaram-se contra mim, e me puseram por guarda de vinhas; a minha vinha, porém, eu não guardei."

 

"A uma égua dos carros de Faraó eu te comparo, ó amada minha." "os teus olhos são como pombas" "O meu amado é para mim como um saquitel de mirra, que repousa entre os meus seios."

 

É impossível ser sábio sem ser oriental.

 

"Eu sou a rosa de Sarom, o lírio dos vales." "Sustentai-me com passas, confortai-me com maçãs, porque desfaleço de amor." "O meu amado é semelhante ao gamo, ou ao filho do veado"

 

Ct. 2:15: "Apanhai-nos as raposas, as raposinhas, que fazem mal às vinhas; pois as nossas vinhas estão em flor."

 

"Vem comigo do Líbano, noiva minha, vem comigo do Líbano." "Jardim fechado é minha irmã, minha noiva, sim, jardim fechado, fonte selada." "Abre-me, minha irmã, amada minha, pomba minha, minha imaculada; porque a minha cabeça está cheia de orvalho, os meus cabelos das gotas da noite. Já despi a minha túnica; como a tornarei a vestir?"

 

"Encontraram-me os guardas que rondavam pela cidade; espancaram-me, feriram-me; tiraram-me o manto os guardas dos muros."

 

"Que é o teu amado mais do que outro amado? (...) O meu amado é cândido e rubicundo, o primeiro entre 10.000. A sua cabeça é como o ouro mais refinado, os seus cabelos são crespos, pretos como o corvo. (...) O seu falar é muitíssimo suave; sim, ele é totalmente desejável."

 

"Há 60 rainhas, 80 concubinas, e virgens sem número. Mas uma só é a minha pomba."

 

"Temos uma irmã pequena, que ainda não tem seios; que faremos por nossa irmã, no dia em que ela for pedida em casamento?"

 

 

Isaías

 

"Criei filhos, e os engrandeci, mas eles se rebelaram contra mim."

 

"De que me serve a mim a multidão de vossos sacrifícios? diz o Sr. Estou farto dos holocaustos de carneiros, e da gordura de animais cevados; e não me agrada sangue de novilhos, nem de cordeiros, nem de bodes."

 

"As vossas luas novas, e as vossas festas fixas, a minha alma as aborrece."

 

"Acontecerá nos últimos dias que (...) uma nação não levantará espada contra outra nação, nem aprenderão mais a guerra."

 

"a sua terra está cheia de cavalos, e os seus carros não têm fim."

 

"dar-lhes-ei meninos por príncipes, e crianças governarão sobre eles."

 

"e, como Sodoma, publicam os seus pecados sem os disfarçar. Ai da sua alma!"

 

"Ai dos que se levantam cedo para correrem atrás da bebida forte e continuam até a noite, até que o vinho os esquente!"

 

Is. 10:22: "Porque ainda que o teu povo, ó Israel, seja como a areia do mar, só um resto dele voltará. Uma destruição está determinada, transbordando de justiça."

 

"Morará o lobo com o cordeiro, e o leopardo com o cabrito se deitará; e o bezerro, e o leão novo e o animal cevado viverão juntos; e um menino pequeno os conduzirá."  "...e o leão comerá palha como o boi."

 

Fala-se dum segundo recuo do mar, prometido.

 

"E suas crianças serão despedaçadas perante os seus olhos; as suas casas serão saqueadas, e as suas mulheres violadas." "E Babilônia nunca mais será habitada" "As hienas uivarão nos seus castelos, e os chacais nos seus palácios de prazer"



Escrito por a mosca filosófica às 22:14
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


AMBOS OS TESTAMENTOS CRISTÃOS [cont.]

Is. 23:16-17: "Toma a harpa, rodeia a cidade, ó prostituta, entregue ao esquecimento; toca bem, canta muitos cânticos, para que haja memória de ti. No fim de 70 anos o Sr. visitará a Tiro e ela tornará a sua ganância de prostituta, e fornicará com todos os reinos que há sobre a face da terra."

 

Is. 29:15: "Ai dos que escondem profundamente o seu propósito do Sr., e fazem as suas obras às escuras, e dizem: Quem nos vê? e quem nos conhece? Vós tudo perverteis! Acaso o oleiro há de ser reputado como barro, de modo que a obra diga do seu artífice: Ele não me fez; e o vaso formado diga de quem o formou: Ele não tem entendimento?"

 

"Ora, os egípcios são homens, e não Deus; e os seus cavalos carne, e não espírito"

 

"Então o juízo habitará no deserto, e a justiça morará no campo fértil."

 

"Os jovens se cansarão e se fatigarão, e os mancebos cairão, mas os que esperam no Sr. renovarão as suas forças; subirão com asas como águias; correrão e não se cansarão; andarão, e não se fatigarão."

 

"antes de mim Deus nenhum se formou, e depois de mim nenhum haverá. Eu, eu sou o Sr., e fora de mim não há salvador."

 

"esse povo que formei para mim, para que publicasse o meu louvor. Contudo tu não me invocaste a mim, ó Jacó; mas te cansaste de mim, ó Israel."

 

"Quem há como eu? (...) Acaso há outro Deus além de mim? Não, não há Rocha; não conheço nenhuma."

 

"Eu sou o Sr. que faço todas as coisas, que sozinho estendi os céus, e espraiei a terra (quem estava comigo?)"

 

"Ai daquele que diz ao pai: Que é o que geras? e à mulher: Que dás tu a luz?"

 

"Agora pois ouve isto, tu que és dada a prazeres, que habitas descuidada, que dizes no teu coração: Eu sou, e fora de mim não há outra; não ficarei viúva, nem conhecerei a perda de filhos.

Mas ambas estas coisas virão sobre ti num momento, no mesmo dia, perda de filho e viuvez"

 

"levantem-se pois agora e te salvem os astrólogos, que contemplam os astros, e os que nas luas novas prognosticam o que há de vir sobre ti."

 

"Saí de Babilônia, fugi de entre os caldeus."

 

Is. 50:1: "Assim diz o Sr.: Onde está a carta de divórcio de vossa mãe pela qual eu a repudiei?"

 

"quem, pois, és tu, para teres medo dum homem, que é mortal, ou do filho do homem que se tornará como feno"

 

O Messias? Is. 53:6: "Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas, cada um se desviava pelo seu caminho; mas o Sr. fez cair sobre ele a iniquidade de todos nós."

 

"Todavia, foi da vontade do Sr. esmagá-lo, fazendo-o enfermar; quando ele se puser como oferta pelo pecado, virá a sua posteridade, prolongará os seus dias, e a vontade do Sr. prosperará nas suas mãos."

 

"sim, vinde e comprai, sem dinheiro e sem preço, vinho e leite."

 

"nem tampouco diga o eunuco: Eis que eu sou uma árvore seca." Não deixa de ser a castração uma espécie de super-circuncisão.

 

"porque a minha casa será chamada casa de oração para todos os povos."

 

"Mas os ímpios são como o mar agitado; pois não pode estar quieto, e as suas águas lançam de si lama e lodo. Não há paz para os ímpios, diz o meu Deus."

 

"Eis que para contendas e rixas jejuais, e para ferirdes com punho iníquo!"

 

"As suas teias não prestam para vestidos; nem se poderão cobrir com o que fazem"

 

"Todos nós bramamos como ursos, e andamos gemendo como pombas; esperamos a justiça, e ela não aparece"

 

"E virá um Redentor a Sião"

 

Is. 64:4: "Porque desde a antiguidade não se ouviu, nem com ouvidos se percebeu, nem com os olhos se viu um Deus além de ti, que opera a favor daquele que por ele espera."

 

Is. 66:1: "Assim diz o Senhor: O céu é o meu trono, e a terra o escabelo dos meus pés. Que casa me edificaríeis vós? e que lugar seria o do meu descanso?"

 

Is. 66:3: "Quem mata um boi é como o que tira a vida a um homem; quem sacrifica um cordeiro, como o que quebra o pescoço a um cão; quem oferece uma oblação, como o que oferece sangue de porco; quem queima incenso, como o que bendiz a um ídolo."

 

"vem o dia em que ajuntarei todas as nações e línguas; e elas virão, e verão a minha glória."

 

 

Jeremias


Jr. 2:11: "Acaso trocou alguma nação os seus deuses, que contudo não são deuses? Mas o meu povo trocou a sua glória por aquilo que é de nenhum proveito."

 

Jr. 2:21: "Todavia eu mesmo te plantei como vide excelente, uma semente inteiramente fiel; como, pois, te tornaste para mim uma planta degenerada, de vida estranha?"

 

Jr. 2:26-28: "Como fica confundido o ladrão quando o apanham, assim se confundem os da casa de Israel; eles, os seus reis, os seus príncipes, e os seus sacerdotes, e os seus profetas, que dizem ao pau: Tu és meu pai; e à pedra: Tu me geraste. Porque me viraram as costas, e não o rosto; mas no tempo do seu aperto dir-me-ão: Levanta-te, e salva-nos. Mas onde estão os teus deuses que fizeste para ti? Que se levantem eles, se te podem livrar no tempo da tua tribulação; porque os teus deuses, ó Judá, são tão numerosos como as tuas cidades."

 

Jr. 2:32-33: "Porventura esquece-se a virgem dos seus enfeites, ou a esposa dos seus cendais? todavia o meu povo se esqueceu de mim por inumeráveis dias. Como ornamentas o teu caminho, para buscares o amor! de sorte que até às malignas ensinaste os teus caminhos."

 

Jr. 3:6-10: "Disse-me mais o Senhor nos dias do rei Josias: Viste, porventura, o que fez a apóstata Israel, como se foi a todo monte alto, e debaixo de toda árvore frondosa, e ali andou prostituindo-se? E eu disse: Depois que ela tiver feito tudo isso, voltará para mim. Mas não voltou; e viu isso a sua aleivosa irmã Judá. Sim, viu que, por causa de tudo isso, por ter cometido adultério a pérfida Israel, a despedi, e lhe dei o seu libelo de divórcio, que a aleivosa Judá, sua irmã, não temeu; mas se foi e também ela mesma se prostituiu. E pela leviandade da sua prostituição contaminou a terra, porque adulterou com a pedra e com o pau. Contudo, apesar de tudo isso a sua aleivosa irmã Judá não voltou para mim de todo o seu coração, mas fingidamente, diz o Senhor."

 

Jr. 3:23: "Certamente em vão se confia nos outeiros e nas orgias nas montanhas; deveras no Senhor nosso Deus está a salvação de Israel."

 

Jr. 4:30-31: "Agora, pois, ó assolada, que farás? Embora te vistas de escarlate, e te adornes com enfeites de ouro, embora te pintes em volta dos olhos com antimônio [s.m., Elemento químico sólido, símbolo Sb, de número atômico 51, de um branco-azulado, quebradiço, cuja densidade é 6,7, aproximadamente, que funde a 630°C e que o aproxima do arsênio], debalde te farias bela; os teus amantes te desprezam, e procuram tirar-te a vida."

 

"Pois ouvi uma voz, como a de mulher que está de parto, a angústia como a de quem dá a luz o seu primeiro filho; a voz da filha de Sião, ofegante, que estende as mãos, dizendo: Ai de mim agora!"

 

Irei (a) você com todas as minhas forças!

 

"Como cavalos de lançamento bem nutridos, andaram rinchando cada um a mulher do seu próximo."



Escrito por a mosca filosófica às 22:09
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


AMBOS OS TESTAMENTOS CRISTÃOS [cont.]

DIC - nédio: De pele lustrosa por efeito de gordura

 

"os profetas profetizam falsamente, e os sacerdotes dominam por intermédio deles; e o meu povo assim o deseja. Mas que fareis no fim disso?"

 

 

Jr. 14:22: "Há, porventura, entre os deuses falsos das nações, algum que faça chover? Ou podem os céus dar chuvas? Não és tu, ó Senhor, nosso Deus? Portanto em ti esperaremos; pois tu tens feito todas estas coisas."

 

"E quando te perguntarem: Para onde iremos? dir-lhes-ás: Os que para a morte, para a morte; e os que para a espada, para a espada; e os que para a fome, para a fome; e os que para o cativeiro, para o cativeiro."

 

"4 gêneros de destruidores" João, o Apocalíptico, se inspirou lá atrás

 

espada, cães, aves, animais da terra

 

"As suas viúvas mais se me têm multiplicado do que a areia dos mares"

 

 

"Portanto, eis que dias vêm, diz o Sr., em que não se dirá mais: Vive o Sr., que fez subir os filhos de Israel da terra do Egito; mas sim: Vive o Sr., que fez subir os filhos de Israel da terra do norte, e de todas as terras para onde os tinha lançado"

 

Jr. 23:28: "O profeta que tem um sonho conte o sonho; e aquele que tem a minha palavra, fale fielmente a minha palavra. Que tem a palha com o trigo? diz o Sr."

 

Jr. 30:6-7: "Perguntai, pois, e vede, se um homem pode dar a luz. Por que, pois, vejo a cada homem com as mãos sobre os lombos como a que está de parto? Por que empalideceram todos os rostos? Ah! porque aquele dia é tão grande, que não houve outro semelhante! É tempo de angústia para Jacó; todavia, há de ser livre dela."

 

Jr. 31:31-32: "Eis que os dias vêm, diz o Sr., em que farei um pacto novo com a casa de Israel e com a casa de Judá, não conforme o pacto que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito, esse meu pacto que eles invalidaram, apesar de eu os haver desposado, diz o Sr."

 

"E não ensinarão mais cada um a seu próximo, nem cada um a seu irmão, dizendo: Conhecei ao Sr.; porque todos me conhecerão, desde o menor deles até o maior"

 

"Se esta ordem estabelecida falhar diante de mim, deixará também a linhagem de Israel de ser uma nação diante de mim para sempre."

 

O dia em que deus mandou que se embriagassem de vinho.

 

Eu não conheci o querer pelo Outro Mundo!

 

Jr. 50:2-3: "Anunciai entre as nações e publicai, arvorando um estandarte; sim publicai, não encubrais; dizei: Tomada está Babilônia, confundido está Bel, caído está Merodaque, confundidos estão os seus ídolos, e caídos estão os seus deuses. Pois do Norte sobe contra ela uma nação que fará da sua terra uma desolação, e não haverá quem nela habite; tanto os homens como os animais já fugiram e se foram."

 

"contigo despedaçarei o homem e a mulher; contigo despedaçarei o velho e o moço; contigo despedaçarei o mancebo e a donzela"

 

Jr. 51:34: "Nabucodonosor, rei de Babilônia, devorou-me, esmagou-me, fez de mim um vaso vazio, qual monstro tragou-me, encheu o seu ventre do que eu tinha de delicioso; lançou-me fora."

 

Jr. 51 42-43: "O mar subiu sobre Babilônia; coberta está com a multidão das suas ondas. Tornaram-se as suas cidades em ruínas, terra seca e deserta, terra em que ninguém habita, nem passa por ela filho de homem."

 

Jr. 51:49: "Babilônia há de cair pelos mortos de Israel, assim como por Babilônia têm caído os mortos de toda a terra."

 

Jr. 51:53-54: "Ainda que Babilônia subisse ao céu, e ainda que fortificasse a altura da sua fortaleza, contudo de mim viriam destruidores sobre ela, diz o Senhor. Eis um clamor de Babilônia! de grande destruição da terra dos caldeus!"

 

 

Jr. 52:28-33: "Este é o povo que Nabucodonosor levou cativo: no sétimo ano 3.023 judeus; no ano décimo oitavo de Nabucodonosor, ele levou cativas de Jerusalém 832 pessoas; no ano 23 de Nabucodonosor, Nebuzaradão, capitão da guarda, levou cativas, dentre os judeus, 745 pessoas; todas as pessoas foram 4.600. No ano trigésimo sétimo do cativeiro de Joaquim, rei de Judá, no mês duodécimo, aos 25 do mês, Evil-Merodaque, rei de Babilônia, no primeiro ano do seu reinado, levantou a cabeça de Joaquim, rei de Judá, e o tirou do cárcere; e falou com ele benignamente, e pôs o trono dele acima dos tronos dos reis que estavam com ele em Babilônia; e lhe (sic) fez mudar a roupa da sua prisão; e Joaquim comia pão na presença do rei continuamente, todos os dias da sua vida."



Lamentações


"É esta a cidade que denominavam a perfeição da formosura, o gozo da terra toda?"


Lm. 3:15-16: "Encheu-me de amarguras, fartou-me de absinto. Quebrou com pedrinhas de areia os meus dentes, cobriu-me de cinza."


"Até os chacais abaixam o peito, dão de mamar aos seus filhos; mas a filha do meu povo tornou-se cruel como os avestruzes do deserto."



Ezequiel


Ez. 12:22: "Dilatam-se os dias, e falha toda a visão"


Ezequiel 16 inteiro! Grande livro - Israel e a metáfora da bela e humilde menina que cresce e se consagra a maior das prostitutas.


Ezequiel 16:

1. E veio a mim outra vez a palavra do Sr., dizendo:

2. Filho do homem, faze conhecer a Jerusalém as suas abominações.

3. E dize: Assim diz o Senhor Deus a Jerusalém: A tua origem e o teu nascimento procedem da terra dos cananeus. Teu pai era amorreu, e tua mãe hetéia.

4. E, quanto ao teu nascimento, no dia em que nasceste não te foi cortado o umbigo, nem foste lavada com água para te limpar; nem tampouco foste esfregada com sal, nem envolta em faixas.

5. Não se apiedou de ti olho algum, para te fazer alguma coisa disto, compadecendo-se de ti; antes foste lançada em pleno campo, pelo nojo da tua pessoa, no dia em que nasceste.

6. E, passando eu junto de ti, vi-te a revolver-te no teu sangue, e disse-te: Ainda que estejas no teu sangue, vive; sim, disse-te: Ainda que estejas no teu sangue, vive.

7. Eu te fiz multiplicar como o renovo do campo, e cresceste, e te engrandeceste, e chegaste à grande formosura; avultaram os seios, e cresceu o teu cabelo; mas estavas nua e descoberta.

8. E, passando eu junto de ti, vi-te, e eis que o teu tempo era tempo de amores; e estendi sobre ti a aba do meu manto, e cobri a tua nudez; e dei-te juramento, e entrei em aliança contigo, diz o Senhor D., e tu ficaste sendo minha.

9. Então te lavei com água, e te enxuguei do teu sangue, e te ungi com óleo.

10. E te vesti com roupas bordadas, e te calcei com pele de texugo, e te cingi com linho fino, e te cobri de seda.

11. E te enfeitei com adornos, e te pus braceletes nas mãos e um colar ao redor do teu pescoço.

12. E te pus um pendente na testa, e brincos nas orelhas, e uma coroa de glória na cabeça.

13. E assim foste ornada de ouro e prata, e o teu vestido foi de linho fino, e de seda e de bordados; nutriste-te de flor de farinha, e mel e azeite; e foste formosa em extremo, e foste próspera, até chegares a realeza.

14. E correu de ti a tua fama entre os gentios, por causa da tua formosura, pois era perfeita, por causa da minha glória que eu pusera em ti, diz o Senhor.

15. Mas confiaste na tua formosura, e te corrompeste por causa da tua fama, e prostituías-te a todo o que passava, para seres dele.

16. E tomaste dos teus vestidos, e fizeste lugares altos pintados de diversas cores, e te prostituíste sobre eles, como nunca sucedera, nem sucederá.



Escrito por a mosca filosófica às 22:03
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


AMBOS OS TESTAMENTOS CRISTÃOS [cont.]

17. E tomaste as tuas jóias de enfeite, que eu te dei do meu ouro e da minha prata, e fizeste imagens de homens, e te prostituíste com elas.

18. E tomaste os teus vestidos bordados, e as cobriste; e o meu azeite e o meu perfume puseste diante delas.

19. E o meu pão que te dei, a flor de farinha, e o azeite e o mel com que eu te sustentava, também puseste diante delas em cheiro suave; e assim foi, diz o Senhor.

20. Além disto, tomaste a teus filhos e tuas filhas, que me tinhas gerado, e os sacrificaste a elas, para serem consumidos; acaso é pequena a tua prostituição?

21. E mataste a meus filhos, e os entregaste a elas para os fazerem passar pelo fogo.

22. E em todas as tuas abominações, e nas tuas prostituições, não te lembraste dos dias da tua mocidade, quando tu estavas nua e descoberta, e revolvida no teu sangue.

23. E sucedeu, depois de toda a tua maldade (ai, ai de ti! diz o Senhor),

24. Que edificaste uma abóbada, e fizeste lugares altos em cada rua.

25. A cada canto do caminho edificaste o teu lugar alto, e fizeste abominável a tua formosura, e alargaste os teus pés a todo o que passava, e multiplicaste as tuas prostituições.

26. Também te prostituíste com os filhos do Egito, teus vizinhos grandes de carne, e multiplicaste a tua prostituição para me provocares à ira.

27. Por isso estendi a minha mão sobre ti, e diminuí a tua porção; e te entreguei à vontade das que te odeiam, das filhas dos filisteus, as quais se envergonhavam do teu caminho depravado.

28. Também te prostituíste com os filhos da Assíria, porquanto eras insaciável; e prostituindo-te com eles, nem ainda assim ficaste farta.

29. Antes multiplicaste as tuas prostituições na terra de Canaã até Caldéia, e nem ainda com isso te fartaste.

30. Quão fraco é o teu coração, diz o Senhor, fazendo tu todas estas coisas, obras de uma meretriz imperiosa!

31. Edificando tu a tua abóbada ao canto de cada caminho, e fazendo o teu lugar alto em cada rua! Nem foste como a meretriz, pois desprezaste a paga;

32. Foste como a mulher adúltera que, em lugar de seu marido, recebe os estranhos.

33. A todas as meretrizes dão paga, mas tu dás os teus presentes a todos os teus amantes; e lhes dás presentes, para que venham a ti de todas as partes, pelas tuas prostituições.

34. Assim que contigo sucede o contrário das outras mulheres nas tuas prostituições, pois ninguém te procura para prostituição; porque, dando tu a paga, e a ti não sendo dada a paga, fazes o contrário.

35. Portanto, ó meretriz, ouve a palavra do Senhor.

36. Assim diz o Senhor D.: Porquanto se derramou o teu dinheiro, e se descobriu a tua nudez nas tuas prostituições com os teus amantes, como também com todos os ídolos das tuas abominações, e do sangue de teus filhos que lhes deste;

37. Portanto, eis que ajuntarei a todos os teus amantes, com os quais te deleitaste, como também a todos os que amaste, com todos os que odiaste, e ajuntá-los-ei contra ti em redor, e descobrirei a tua nudez diante deles, para que vejam toda a tua nudez.

38. E julgar-te-ei como são julgadas as adúlteras e as que derramam sangue; e entregar-te-ei ao sangue de furor e de ciúme.

39. E entregar-te-ei nas mãos deles; e eles derrubarão a tua abóbada, e transtornarão os teus altos lugares, e te despirão os teus vestidos, e tomarão as tuas jóias de enfeite, e te deixarão nua e descoberta.

40. Então farão subir contra ti uma multidão, e te apedrejarão, e te traspassarão com as suas espadas.

41. E queimarão as tuas casas a fogo, e executarão juízos contra ti aos olhos de muitas mulheres; e te farei cessar de ser meretriz, e paga não darás mais.

42. Assim satisfarei em ti o meu furor, e os meus ciúmes se desviarão de ti, e me aquietarei, e nunca mais me indignarei.

43. Porquanto não te lembraste dos dias da tua mocidade, e me provocaste à ira com tudo isto, eis que também eu farei recair o teu caminho sobre a tua cabeça, diz o Senhor, e não mais farás tal perversidade sobre todas as tuas abominações.

44. Eis que todo o que usa de provérbios usará contra ti este provérbio, dizendo: Tal mãe, tal filha.

45. Tu és filha de tua mãe, que tinha nojo de seu marido e de seus filhos; e tu és irmã de tuas irmãs, que tinham nojo de seus maridos e de seus filhos; vossa mãe foi hetéia, e vosso pai amorreu.

46. E tua irmã, a maior, é Samaria, ela e suas filhas, a qual habita à tua esquerda; e a tua irmã menor, que habita à tua mão direita, é Sodoma e suas filhas.

47. Todavia não andaste nos seus caminhos, nem fizeste conforme as suas abominações; mas como se isto fora mui pouco, ainda te corrompeste mais do que elas, em todos os teus caminhos.

48. Vivo eu, que não fez Sodoma, tua irmã, nem ela, nem suas filhas, como fizeste tu e tuas filhas.

49. Eis que esta foi a iniqüidade de Sodoma, tua irmã: Soberba, fartura de pão, e abundância de ociosidade teve ela e suas filhas; mas nunca fortaleceu a mão do pobre e do necessitado.

50. E se ensoberbeceram, e fizeram abominações diante de mim; portanto, vendo eu isto as tirei dali.

51. Também Samaria não cometeu a metade de teus pecados; e multiplicaste as tuas abominações mais do que elas, e justificaste a tuas irmãs, com todas as tuas abominações que fizeste.

52. Tu, também, que julgaste a tuas irmãs, leva a tua vergonha pelos pecados, que cometeste, mais abomináveis do que elas; mais justas são do que tu; envergonha-te logo também, e leva a tua vergonha, pois justificaste a tuas irmãs.

53. Eu, pois, farei voltar os cativos delas; os cativos de Sodoma e suas filhas, e os cativos de Samaria e suas filhas, e os cativos do teu cativeiro dentre elas;

54. Para que leves a tua vergonha, e sejas envergonhada por tudo o que fizeste, dando-lhes tu consolação.

55. Quando tuas irmãs, Sodoma e suas filhas, tornarem ao seu primeiro estado, e também Samaria e suas filhas tornarem ao seu primeiro estado, também tu e tuas filhas tornareis ao vosso primeiro estado.

56. Nem mesmo Sodoma, tua irmã, foi mencionada pela tua boca, no dia da tua soberba,

57. Antes que se descobrisse a tua maldade, como no tempo do desprezo das filhas da Síria, e de todos os que estavam ao redor dela, as filhas dos filisteus, que te desprezavam em redor.

58. A tua perversidade e as tuas abominações tu levarás.

59. Porque assim diz o Sr.: Eu te farei como fizeste, que desprezaste o juramento, quebrando a aliança.

60. Contudo eu me lembrarei da minha aliança, que fiz contigo nos dias da tua mocidade; e estabelecerei contigo uma aliança eterna.

61. Então te lembrarás dos teus caminhos, e te confundirás, quando receberes tuas irmãs maiores do que tu, com as menores do que tu, porque tas darei por filhas, mas não pela tua aliança.

62. Porque eu estabelecerei a minha aliança contigo, e saberás que eu sou o Senhor;

63. Para que te lembres disso, e te envergonhes, e nunca mais abras a tua boca, por causa da tua vergonha, quando eu te expiar de tudo quanto fizeste, diz Deus.

64. Tu és o 7 a 1 diante do Maracanaço!



Escrito por a mosca filosófica às 21:58
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


AMBOS OS TESTAMENTOS CRISTÃOS [cont.]

MAS RAFAEL, VOCÊ NÃO É ATEU?

 

Diante dos crentes, sou ateu.

Sou religioso, diante dos ateus.

Esse foi o dom que Deus me deu

ter essa vaidade de ser deus.

 

 

"Ah Sr. Deus. eles dizem de mim: Não é este um fazedor de alegorias?"

 

"Um comete abominação com a mulher do seu próximo, outro contamina abominavelmente a sua nora, e outro humilha no meio de ti a sua irmã, filha de seu pai."

 

Ez. 23:

 

"houve 2 mulheres, filhas da mesma mãe. Estas se prostituíram no Egito; prostituíram-se na sua mocidade; ali foram apertados os seus peitos, e ali foram apalpados os seios da sua virgindade. E os seus nomes eram: Aolá, a mais velha, e Aolibá, sua irmã; Samaria é Aolá, e Jerusalém é Aolibá."

 

"Aolibá enamora-se dos filhos da Assíria, dos governadores e dos magistrados seus vizinhos, vestidos com primor, cavaleiros que andam montados em cavalos, todos mancebos cobiçáveis."

 

"ela multiplicou as suas prostituições, lembrando-se dos dias de sua mocidade, apaixonando-se dos seus amantes, cujas carnes eram como as de jumentos, e cujo fluxo era como o de cavalos."

 

"Tirar-te-ão o nariz e as orelhas; e o que te ficar de resto cairá à espada." "Beberás o cálice de tua irmã, o qual é fundo e largo; servirás de riso e escárnio; o cálice leva muito." "do cálice de espanto e assolação" "Bebê-lo-ás e esgotá-lo-ás, e roerás os seus cacos, e te rasgarás teus próprios peitos"

 

"adúlteras são, e sangue há nas suas mãos."

 

Ez. 28:9: "Acaso dirás ainda diante daquele que te matar: Eu sou um deus? mas tu és um homem, e não um deus, na mão do que te traspassas."

 

 

É pavê ou pra defender?

O Mar Morto se adocicaria

mas Deus está Salgado!

último pio do pio:

"...e o nome da cidade desde aquele dia será Jeová-Samá."

 

"Quanto a vós, ó ovelhas minhas, assim diz o SrD: Eis que eu julgarei entre ovelhas e ovelhas, entre carneiros e bodes. Acaso não vos basta fartar-vos do bom pasto, senão que pisais o resto de vossos pastos aos vossos pés? e beber as águas limpas, senão que sujais o resto com os vossos pés? Vós, ovelhas minhas, ovelhas do meu pasto, sois homens, e eu sou o vosso D., diz o SrD."

 

"Quando a terra toda se alegrar, a ti te farei uma desolação."

 

"Tu, pois, ó filho do homem, toma um pau, e escreve nele: Por Judá e pelos filhos de Israel, seus companheiros. Depois toma outro pau, e escreve nele: Por José, vara de Efraim, e por toda a casa de Israel, seus companheiros" "e nunca mais serão 2 nações, nem de maneira alguma se dividirão para o futuro em 2 reinos

 

"Comereis da gordura até vos fartardes, e bebereis do sangue até vos embebedardes, da gordura e do sangue do sacrifício que vos estou preparando."

 

"Não raparão a cabeça, nem deixarão crescer o cabelo; tão-somente tosquiarão as cabeças. Nenhum sacerdote beberá vinho quando entrar no átrio superior; não se casarão nem com viúva, nem com repudiada; mas tomarão virgens da linhagem da casa de Israel, ou viúva que for viúva de sacerdote."



Escrito por a mosca filosófica às 21:53
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


AMBOS OS TESTAMENTOS CRISTÃOS [cont.]

Daniel


Quem vive de passado é muslin(m).


Dn. 6:16: na cova dos leões.


Várias alusões e profecias a eras futuras. Primeiro a "glória sempiterna" de Nabucodonosor, o reino de ouro. Depois um de prata. Depois, outro de bronze, fungível mas nobre. Por fim, o quarto governo já implica decadência: Dn. 7:23-: "O quarto animal será um quarto reino na terra, o qual será diferente de todos os reinos; devorará toda a terra, e a pisará aos pés, e a fará em pedaços. Quanto aos 10 chifres, daquele mesmo reino se levantarão 10 reis; e depois deles se levantará outro, o qual será diferente dos primeiros, e abaterá a 3 reis. Proferirá palavras contra o Altíssimo, e consumirá os santos do Altíssimo; cuidará em mudar os tempos e a lei; os santos lhe serão entregues na mão por um tempo, e tempos e metade de um tempo. Mas o tribunal se assentará em juízo para o destruir."


"Eis que te farei saber o que há de acontecer no último tempo da ira; pois isso pertence ao determinado tempo do fim. Aquele carneiro que viste, o qual tinha 2 chifres, são estes os reis da Média e da Pérsia. Mas o bode peludo é o rei da Grécia; e o grande chifre que tinha entre os olhos é o primeiro rei. O ter sido quebrado, levantando-se 4 em lugar dele, significa que 4 reinos se levantarão da mesma nação, porém não com a força dele. Mas, no fim do reinado deles, quando os transgressores tiverem chegado ao cúmulo, levantar-se-á um rei, feroz de semblante e que entende enigmas. (...) destruirá terrivelmente, e fará o que lhe aprouver; e destruirá os poderosos e o povo santo. (...) e se levantará contra o príncipe dos príncipes; mas será quebrado sem intervir mão de homem. (...) Tu, porém, cerra a visão, porque se refere a dias mui distantes."



Oséias


"Também farei cessar todo o seu gozo, as suas festas, as suas luas novas, e os seus sábados, e todas as suas assembléias solenes."


"naquele dia ela me chamará meu marido; e não mais meu Baal."


Os. 4:14: "Eu não castigarei vossas filhas, quando se prostituem, nem vossas noras, quando adulteram [assim de repente?]; porque os homens mesmo com as prostitutas se desviam, e com as meretrizes sacrificam; pois o povo que não tem entendimento será transtornado."


Os. 5:7: "agora a festa da lua nova os consumirá, juntamente com as suas porções."


"vosso amor é como a nuvem da manhã; e como o orvalho que cedo passa." "Não clamam a mim de coração, mas uivam nas suas camas" "até quando serão eles incapazes da inocência?" "Porquanto semeiam o vento, hão de ceifar o turbilhão" "Dá-lhes, ó Sr., mas que lhes darás? dá-lhes uma madre que aborte e seios ressecados."


Os. 12:3-4: "No ventre pegou do calcanhar de seu irmão; e na sua idade varonil lutou com Deus. Lutou com o anjo, e prevaleceu; chorou, e lhe fez súplicas. Em Betel o achou, e ali falou Deus com ele."


"Homens beijam aos bezerros!" "Onde está agora o teu rei, para que te salve em todas as tuas cidades? e os teus juízes, dos quais disseste: Dá-me rei e príncipes?"


"Onde estão, ó morte, as tuas pragas?"

Onde estão, ó escuridão, as tuas pregas?

Ó buraco negro do Seol!


"o seu renome será como o do vinho do Líbano."


 

Joel


"Tremam todos os moradores da terra, porque vem vindo o dia do Sr., já está perto"E rasgai o vosso coração, e não as vossas vestes" "e o meu povo nunca mais será envergonhado." Vivo estou que não minto!


DIC - sabeu: astrólatra da Arábia Antiga


A oficina dos outros é sempre mais verde (menos cinza?)

São os ossos do malefício...


 

Amós


Am. 3:3: "Acaso andarão 2 juntos, se não estiverem de acordo?"


"Certamente o SrD não fará coisa alguma, sem ter revelado o seu segredo aos seus servos, os profetas."


"Gilgal certamente irá ao cativeiro, e Betel será desfeita em nada."


"o que for prudente guardará silêncio naquele tempo, porque o tempo será mau." ciclo menstrual


"Para que quereis vós esse dia do Sr.? Ele é trevas e não luz."


"Afasta de mim o estrépito dos teus cânticos"


"Sim, levaste Sicute, vosso rei, e Quium, vosso deus-estrela, imagens que fizestes para vós mesmos."


"Ai dos que dormem em camas de marfim" "que garganteiam ao som da lira" "mas não se afligem por causa da ruína de José!"


"SrD, cessa agora; como subsistirá Jacó? pois ele é pequeno."


"Eu não sou profeta, nem filho de profeta, mas boieiro, e cultivador de sicômoros [pé de figo]"


"Ainda que cavem até o Seol, dali os tirará a minha mão; ainda que subam ao céu, dali os farei descer."



Jonas


Sou mais especial kill semita

Se tu cordeiro de deus mirrita

Te jogo perto do Seol na brita


Jn. 1:8-9: "Então lhe disseram: Declara-nos tu agora, por causa de quem sobreveio este mal? Que ocupação é a tua? Donde vens? Qual é a tua terra? E de que povo és tu? Respondeu-lhes ele: Eu sou hebreu, e temo ao Sr., o Deus do céu, que fez o mar e a terra seca." 


"Então levantaram a Jonas, e o lançaram ao mar, e cessou o mar da sua fúria."


"Então o Sr. deparou um grande peixe, para que tragasse a Jonas; e esteve Jonas 3 dias e 3 noites nas entranhas do peixe."


"É justo que eu me enfade a ponto de desejar a morte."



Escrito por a mosca filosófica às 21:49
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


AMBOS OS TESTAMENTOS CRISTÃOS [cont.]

Miquéias


Mq. 1:16: "Faze-te calva e tosquia-te por causa dos filhos das tuas delícias; alarga a tua calva como a águia, porque de ti serão levados para o cativeiro."


"Quando a Assíria entrar em nossa terra, e quando pisar em nossos palácios, então suscitaremos contra ela 7 pastores e 8 príncipes dentre os homens."


"Agradar-se-á o Sr. de milhares de carneiros, ou de miríades de ribeiros de azeite? Darei o meu primogênito pela minha transgressão, o fruto das minhas entranhas pelo pecado da minha alma?"


O Velho Testamento - o Puído Testamento - já é um amolecimento gradual em meio-termo, conforme passamos de livro em livro: nem sequer é preciso mergulhar no N.T. a fim de se deparar com sinais de decadência - o Deus que começa pedindo carne e sangue rituais ao longo dos milênios amaina e estende a mão para o fraco; só quer sua humildade e subserviência não-solene. Mas um deus forçado não funciona para fiéis espontâneos!


a cadência da decadência

a cadenciada decadência

a enseada cadente

da demência de cada


"O melhor deles é como um espinho, o mais reto é pior do que uma sebe de espinhos. Veio o dia dos seus vigias, a saber, a sua punição; agora começará a sua confusão."


"os inimigos do homem são os da própria casa."


"E a minha inimiga verá isso, e cobri-la-á a confusão, a ela que me disse: Onde está o SrtD? Os meus olhos a contemplarão; agora ela será pisada como lama das ruas."



Naum


Na. 2:11: "Onde está agora o covil dos leões, e a habitação dos leões novos, onde andavam o leão, e a leoa, e o cachorro do leão, sem haver ninguém que os espantasse?"


"Eis que eu estou contra ti, diz o Sr. dos exércitos [Srde], e levantarei as tuas fraldas sobre a tua face; e às nações mostrarei a tua nudez, e [a] seus reinos a tua vergonha."


"Nínive está destruída; quem terá compaixão dela? Donde te buscarei consoladores?" Mas em Jonas ela se redime e se salva antes do auto-holocausto divino, he-he!



Habacuque


Hc. 2:13: "Acaso não procede do Srde que os povos trabalhem para o fogo e as nações se cansem em vão?"


"Ai daquele que dá de beber ao seu próximo, adicionando à bebida o seu furor, e que o embebeda para ver a sua nudez!"



Zacarias


Eu sei que eu sou a última pessoa que muitas pessoas quereriam ser, mas ainda assim não trocaria meus suplícios públicos e dons secretos por qualquer outra existência de verniz mais feliz. Minha vida é um poço sem fundo. Mas um poço para cima - um eu posso sem fim. Cada momento meu de introspecção serena vale uma champanhe de ano-novo.



Zc. 8:19: "Assim diz o Srde: O jejum do 4º mês, bem como o do 5º, o do 7º e o do 10º mês se tornarão para a casa de Judá em regozijo, alegria, e festas alegres; amai, pois, a verdade e a paz."


"suscitarei a teus filhos, ó Sião, contra os teus filhos, ó Grécia; e te farei a ti, ó Sião, como a espada de um valente."


"Ai do pastor inútil, que abandona o rebanho! a espada lhe cairá sobre o braço e sobre o olho direito; o seu braço será de todo mirrado, e o seu olho direito será inteiramente escurecido."


"E se alguém ainda profetizar, seu pai e sua mãe, que o geraram, lhe dirão: Não viverás, porque falas mentiras em nome do Senhor; e seu pai e sua mãe, que o geraram, o transpassarão quando profetizar."


"Acontecerá naquele dia, que não haverá calor, nem frio, nem geada, porém será um dia conhecido do Sr.; nem dia nem noite será; mas até na parte da tarde haverá luz."


"E se alguma das famílias da terra não subir a Jerusalém, para adorar o Rei, o Srde, não cairá sobre ela a chuva." "E, se a família do Egito não subir, nem vier, não virá sobre ela a chuva; virá a praga com que o Sr. ferirá as nações que não subirem a celebrar a festa dos tabernáculos."



Malaquias - epílogo I / Protoapocalipse


Ml. 1:6: "O filho honra o pai, e o servo ao seu amo; se eu, pois, sou pai, onde está a minha honra? e se eu sou amo, onde está o temor de mim?"


"Ofereceis sobre o meu altar pão profano, e dizeis: Em que te havemos profanado? Nisto que pensais, que a mesa do Sr. é desprezível." Mi-mi-mi


"Eis que vos reprovarei a posteridade, e espalharei sobre os vossos rostos o esterco, sim, o esterco dos vossos sacrifícios; e juntamente com este sereis levados para fora."


"Todavia perguntais: Por quê? Porque o Sr. tem sido testemunha entre ti e a mulher da tua mocidade, para com a qual procedeste deslealmente sendo ela a tua companheira"


"Pois eu detesto o divórcio, diz o SrD de Israel, e aquele que cobre de violência o seu vestido; portanto cuida de vós mesmos; e não sejais infiéis." Detesta ou ama, afinal?


"Eis que eu envio o meu mensageiro, e ele há de preparar o caminho diante de mim; Mas quem suportará o dia da sua vinda? e quem subsistirá, quando ele aparecer?"


"Pois eu, o Sr., não mudo; por isso vós, ó filhos de Jacó, não sois consumidos." "Pois eis que aquele dia vem ardendo como fornalha, todos os soberbos, e todos os que cometem impiedade, serão como restolho; e o dia que está para vir os abrasará, de sorte que não lhes deixará nem raiz nem ramo."


Ml. 4:4: "Lembrai-vos da lei de Moisés, meu servo, a qual lhe mandei em Horebe para todo o Israel, a saber, estatutos e ordenanças."

 

 

FINDA AQUI O VELHO TESTAMENTO.



Escrito por a mosca filosófica às 21:34
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


AMBOS OS TESTAMENTOS CRISTÃOS [cont.]

Mateus

 

Mt. 1:1: "Livro da genealogia de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão."

 

"e a Jacó nasceu José, marido de Maria [1ª mulher importante da Bíblia], da qual nasceu JESUS [JAVÉ2], que se chama Cristo." do grego khristós, ungido.

 

"De sorte que todas as gerações, desde Abraão até Davi, são 14 gerações; e Desde Davi até a deportação para Babilônia, 14 gerações; e desde a deportação para a Babilônia até o Cristo, 14 gerações."

 

Mt. 1:22-3: "Ora, tudo isso aconteceu para que se cumprisse o que fôra dito da parte do Sr. pelo profeta: Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho, o qual será chamado EMANUEL, que traduzido é: Deus conosco."

 

"E tu, Belém, terra de Judá, de modo nenhum és a menor entre as principais cidades de Judá"

 

"retirou-se José para as regiões da Galiléia, e foi habitar numa cidade chamada Nazaré"

 

"E, tendo jejuado 40 dias e 40 noites, depois teve fome."

 

DIC - cafarnaum: depósito de coisas velhas; lugar de tumulto.

 

"Jesus, deixando Nazaré, foi habitar em Cafarnaum, cidade marítima, nos confins de Zebulom e Naftali, para que se cumprisse o que fôra dito pelo profeta Isaías" "Desde então começou Jesus a pregar" Jesus nasceu pronto.

 

"Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus."

 

"Não se pode encontrar uma cidade situada sobre um monte."

 

DIC - raca: xingamento fora de moda

 

"Eu, porém, vos digo que todo aquele que olhar para uma mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela." "Se o teu olho direito te faz tropeçar, arranca-o e lança-o de ti" "E, se tua mão direita te faz tropeçar, corta-a e lança-a de ti" Ou cortem-na os outros. "e, se qualquer te obrigar a caminhar mil passos, vai com ele 2 mil."

 

Não ora em público. "E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios; porque pensam que pelo seu muito falar serão ouvidos"

 

Mt. 6:9-...: "Pai nosso que... santificado seja o TEU nome..." "perdoa-nos as nossas dívidas"

 

"Quando jejuardes, não vos mostreis contristados como os hipócritas"

 

"se os teus olhos forem bons, todo teu corpo terá luz" Lamento.

 

"Se a luz que em ti há são trevas, quão grandes são tais trevas!"

 

"Não vos inquieteis pelo dia de amanhã; porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo."

 

Mt. 8:22: "Segue-me, e deixa os mortos sepultar os seus próprios mortos."

 

Mt. 9:9: "Partindo Jesus dali, viu sentado na coletoria [a Receita] um homem chamado Mateus, e disse-lhe: Segue-me. E ele, levantando-se, o seguiu." Metalinguaguem, ou a alma que se enleva e sobe do corpo, inspirada para relatar uma estória?

 

"Misericórdia quero, e não sacrifícios." Mas quando curou um leproso, Jesus receitou-o os sacrifícios cf. Moisés.

 

"Ninguém põe remendo de pano novo em vestido velho; porque semelhante remendo tira parte do vestido e faz-se maior a rotura. Nem se deita vinho novo em odres velhos"

 

Pau(lo)-mandado de Deus

 

"Nunca tal se viu em Israel."

 

Mt. 10:2: "Ora, os nomes dos 12 apóstolos são estes: 1º, Simão, chamado Pedro, e André, seu irmão; Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão; Felipe e Bartolomeu; Tomé e Mateus, o publicano; Tiago, filho de Alfeu, e Tadeu; Simão Cananeu, e Judas Iscariotes, aquele que o traiu."

 

Só faltava algo bem pequeno a Mateus para ser perfeito: Mt. não tinha um "e" no final para ser o Mte! (embora tivesse o potencial)

 

"Não penseis que vim trazer paz à terra; não vim trazer paz, mas espada. Porque eu vim pôr em dissensão o homem contra seu pai, a filha contra sua mãe, e a nora contra sua sogra; e assim os inimigos do homem serão os da sua própria casa. Quem ama o pai ou a mãe mais do que a mim não é digno de mim"

 

"És tu aquele que havia de vir, ou havemos de esperar outro?" "Em verdade vos digo que, entre os nascidos de mulher, não surgiu outro maior do que João, o Batista; mas aquele que é o menor no reino dos céus é maior do que ele." "E, se queres dar crédito, é esse o Elias que havia de vir." "para Tiro e Sidom haverá menos rigor" "E tu, Cafarnaum, porventura serás elevada até o céu? até o hades descerás" "Ou não lestes na lei que, aos sábados, os sacerdotes no templo violam o sábado, e ficam sem culpa?" "Os discípulos, porém, ao vê-lo andando sobre o mar, assustaram-se e disseram: É um fantasma. E gritaram de medo." "o comer sem lavar as mãos, isso não o contamina." "Ai do mundo, por causa dos tropeços! pois é inevitável que venham; mas ai do homem por quem o tropeço vier!" "Todo o que tiver deixado tudo por amor do meu nome, receberá 100x tanto. Entretanto, muitos que são primeiros serão últimos; muitos que são últimos serão primeiros." "muitos virão em meu nome" "sai do oriente e se mostra até o ocidente" "Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que todas essas coisas se cumpram." "Meu Pai, se é possível, passa de mim este cálice" "o espírito está pronto, mas a carne é fraca" "Antes que o galo cante 3x, me negarás"

 

Judas se arrependeu e enforcou-se - o lado obscuro.

 

Pilatos tentou salvar Cristo, mas o povo já estava decidido. Ele era a atração principal do Protocoliseu.

 

Gólgota, lugar da caveira.

 

"A outros salvou; a si mesmo não pode salvar."

 

Morreu em poucas horas.

 

Por um momento, acreditei nisso tudo! Nunca confie em gavetas cheias...

 

 

Marcos

 

"O sábado foi feito por causa do homem, e não o homem por causa do sábado."

 

Legião, o louco da Bíblia: Mc. 5:9: "E perguntou-lhe: Qual é o teu nome? Respondeu-lhe ele: Legião é o meu nome, porque somos muitos."

 

"Um profeta não fica sem honra senão na sua terra, entre os seus parentes, e na sua própria casa."

 

DIC - alparcata: calçado em que a sola se ajusta ao pé por meio de tiras de couro ou de pano. Denota, para mim, humildade e feiúra.

 

"e trouxe a cabeça de João, o Batista num prato e a deu à jovem, e a jovem a deu a sua mãe." "compadeceu-se deles, porque eram como ovelhas que não têm pastor" "não é bom tomar o pão dos filhos e lançá-lo aos cachorrinhos." "Quando parti os 5 pães para os 5 mil, quantos cestos cheios de pedaços levantastes? Responderam-lhe: 12. E quando parti os 7 para os 4 mil, quantas alcofas cheias de pedaços levantastes? Responderam-lhe: 7." "Jesus, pois, tomou o cego (...) cuspindo-lhe nos olhos, perguntou-lhe: Vês alguma coisa?" "Para trás de mim, Satanás" "Por que me chamas bom? ninguém é bom, senão um que é Deus." "trazei-me um denário para que eu o veja. E eles lho trouxeram. Perguntou-lhes J.: De quem é esta imagem e inscrição? Responderam-lhe: De César. Disse-lhes J.: Dai, pois, a César o que é de César, e a D. o que é de D."

 

Salomé: a jovenzinha que pede a cabeça de João B. (1ª aparição do nome)



Escrito por a mosca filosófica às 21:29
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


AMBOS OS TESTAMENTOS CRISTÃOS [cont.]

Lucas

 

Isabel, a mulher de Zacarias; mãe de João. João, o Batmantista era só 6 meses mais velho que Cristo.

 

Lc. 1:43: "E donde me provém isto, que venha visitar-me a mãe do meu Senhor?" mão? Sim, cf. Lc. 1:66.

 

Lc. 3:16: "vem aquele que é mais poderoso do que eu, de quem não sou digno de desatar a correia das alparcas [desamarrar as sandálias]" João

 

Herodes, o governador, e Herodias, a mulher de seu irmão, já pela 3ª vez a história macabra da cabeça de João no prato, em 3 livros. "Testamento mole"!

 

"Jesus, ao começar o seu ministério, tinha cerca de 30 anos" "Isaque de Abraão, Abraão de Tará, Tará de Naor, (...) Sete de Adão, e Adão de Deus."

 

Leitor afinado de Isaías.

 

"Também muitos leprosos havia em Israel no tempo do profeta Eliseu, mas nenhum deles foi purificado senão Naamã, o sírio." "de agora em diante serás pescador de homens"

 

O mundo dá voltas, mas pára no mesmo lugar. Ou seja, na verdade se recusa a voltas dar. Porque se voltas de verdade desse, essas voltas voltas dariam. Compreendeste?

 

 

João

 

Jo. 8:22: "Então diziam os judeus: Será que ele vai suicidar-se, pois diz: Para onde eu vou, vós não podeis ir?"

 

"Disseram-lhe os judeus: Agora sabemos que tens demônios. Abraão morreu, e também os profetas; e tu dizes: Se alguém guardou a minha palavra, nunca provará a morte!" "Disseram-lhe, pois, os judeus: Ainda não tem 50 anos, e viste Abraão?" "vem a noite, quando ninguém pode trabalhar." quem dirá sábado à noite! "Em verdade, em verdade vos digo" "dou a minha vida pelas ovelhas" Lazarento. Maria de Betânia, irmã de Lázaro e de Marta.

 

Jo. 11:26: "e todo aquele que vive, e crê em mim, jamais morrerá. Crês isto?"

 

Jo. 11:34: "Jesus chorou."

 

"Se o grão de trigo caindo na terra não morrer, fica ele só; mas se morrer, dá muito fruto."

 

"quem neste mundo odeia a sua vida, guardá-la-á para a vida eterna." (???) "Agora é o juízo deste mundo; agora será expulso o príncipe deste mundo." "eu vim, não para julgar o mundo, mas para salvar o mundo."

 

O lidar cada vez pior com a responsabilidade. Em verdade, o ser mais Maniqueísta que Mani ele mesmo: "Enquanto ceavam, tendo já o Diabo posto no coração de Judas, filho de Simão Iscariotes, que o traísse..."

 

"Senhor, lavas-me os pés a mim?" "Aquele que se banhou não necessita de lavar senão os pés, pois no mais está todo limpo." "Ora, achava-se reclinado sobre o peito de Jesus um de seus discípulos, aquele a quem Jesus amava." O tesoureiro dos Treze. "Quem me viu a mim, viu o Pai" "E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Ajudador, para que fique convosco para sempre." "a saber, o Espírito da verdade" [!] "Eu sou a videira; vós sois as varas." "porque sem mim nada podeis fazer." "Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós, me odiou a mim." "Se eu não viera e não lhes falara, não teriam pecado" "convém-vos que eu vá; pois se eu não for, o Ajudador não virá a vós" "o príncipe deste mundo já está julgado" "Um pouco, e já não me vereis; e outra vez um pouco, e ver-me-eis." "A mulher, quando está para dar a luz, sente tristeza porque é chegada a sua hora; mas, depois de ter dado a luz à criança, já não se lembra da aflição" "tende bom ânimo, eu venci o mundo." "Então Simão Pedro, que tinha uma espada [com que tipo de bandido Jesus andava?], desembainhou-a e feriu o servo do sumo-sacerdote, cortando-lhe a orelha direita. O nome do servo era Malco. Disse, pois, J. a Pedro: Mete a tua espada na bainha; não hei de beber o cálice que o Pai me deu?"

 

"E disse-lhes Pilatos: Eis o homem!" "Responderam-lhe os judeus: Nós temos uma lei, e segundo esta lei ele deve morrer, porque se fez Filho de Deus." "mas os judeus clamaram: Se soltares a este, não és amigo de César; todo aquele que se faz rei é contra César."

 

Dissensões internas. Aqui em João, Cristo não dá a outra face, Judas não o beija e Jesus ao invés de recusar o vinagre na cruz o pede, o bebe e diz "está consumado", agora (que leio) e na hora da morte, amém. "um dos soldados lhe furou o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água." Dois anjos, e não 1, à sepultura. E Jesus não expirou fraquejando com lamentações.

 

"Foi esta a terceira vez que J. se manifestou aos seus discípulos, depois de ter ressurgido dentre os mortos." "E ainda muitas outras coisas há que Jesus fez; as quais, se fossem escritas 1 por 1, creio que nem ainda no mundo inteiro caberiam os livros que se escrevessem." Os hiperbólicos... 

 

Atos

 

João continua.

 

O desfecho mundano de Judas Iscariotes: At. 1:18: "(Ora, ele adquiriu um campo com o salário da sua iniquidade; e precipitando-se, caiu prostrado e arrebentou pelo meio, e todas as suas entranhas se derramaram." Acéldama, o Campo de Sangue.

 

Agora sim elege-se o 12º ajudador. Matias e mais 11. Matias quer dizer "pateta".

 

"Pois estes homens não estão embriagados, como vós pensais, visto que é apenas a terceira hora do dia." "e em Antioquia os discípulos pela primeira vez foram chamados cristãos."

 

Atos 13: Ao contrário de Davi, o cadáver de Jesus não apodreceu.

 

"As multidões, vendo o que Paulo fizera, levantaram a voz, dizendo em língua licaônica: Fizeram-se os deuses semelhantes aos homens e desceram até nós. A Barnabé chamavam Júpiter e a Paulo, Mercúrio, porque era ele o que dirigia a palavra. (...) Quando, porém, os apóstolos Barnabé e Paulo ouviram isto, rasgaram as suas vestes e saltaram para o meio da multidão"

 

E bem que nos diz Spengler que Paulo só se dirigiu para o Oeste: At. 16:6: "Atravessaram a região frígio-gálata, tendo sido impedidos pelo Espírito Santo de anunciar a palavra na Ásia"

 

"Enquanto Paulo os esperava em Atenas, revoltava-se nele o seu espírito, vendo a cidade cheia de ídolos." "Ora, alguns filósofos epicureus e estóicos disputavam com ele." "Poderemos nós saber que nova doutrina é essa de que falas?" "Então Paulo, estando de pé no meio do Areópago, disse: Varões atenienses, em tudo vejo que sois excepcionalmente religiosos; Porque, passando eu e observando os objetos do vosso culto, encontrei também um altar em que estava escrito: AO DEUS DESCONHECIDO." "Mas quando ouviram falar em ressurreição de mortos, uns escarneciam, e outros diziam: Acerca disso te ouviremos ainda outra vez." Corinto, vizinha de Atenas. Daí os coríntios. "Grande é a Diana dos efésios!"

 

At. 20:9: "E certo jovem, por nome Êutico, que estava sentado na janela, tomado de um sono profundo enquanto Paulo prolongava ainda mais o seu sermão, vencido pelo sono caiu do terceiro andar abaixo, e foi levantado morto."

"E levaram vivo o jovem e ficaram muito consolados." Paulo milagreiro. Paulo, aliás, que nasceu Saulo, judeu e pecador. Depois de uma cegueira temporária, converteu-se de carrasco em principal pregador cristão. Ex-ovelha negra, atual pastor. S de sujo; P de papa.

 

"os saduceus dizem que não há ressurreição, nem anjo, nem espírito; mas os fariseus reconhecem uma e outra coisa."

 

"Quando já era dia, coligiram-se os judeus e juraram sob pena de maldição que não comeriam nem beberiam enquanto não matassem a Pedro."

 

"Apelaste para César; para César irás."

 

"a mais severa seita de nossa religião" os farisaicos

 

"ao meio-dia, ó rei, vi no caminho uma luz do céu, que excedia o esplendor do sol"

 

"disse Festo em alta voz: Estás louco, Paulo; as muitas letras te fazem delirar."

 

Atos 28: a víbora de Paulo na ilha aborígene de Malta.



Escrito por a mosca filosófica às 21:24
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


AMBOS OS TESTAMENTOS CRISTÃOS [cont.]

Romanos

 

Rm. 1:26-7: "Pelo que Deus os entregou a paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural no que é contrário à natureza; semelhantemente, também os varões; deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, varão com varão, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a devida recompensa do seu erro."

 

"Mas, ó homem, quem és tu, que a Deus replicas?" "Ninguém que nele crê será confundido." "Quão formosos os pés dos que anunciam coisas boas!"

 

Gigante comentário do V.T. todo este N.T.!

 

"A noite é passada, e o dia é chegado; dispamo-nos, pois, das obras das trevas, e vistamo-nos das armas da luz." "Um crê que de tudo se pode comer, e outro, que é fraco, come só legumes. Quem come não despreze a quem não come; e quem não come não julgue a quem come, pois Deus o acolheu." "Bom é não comer carne, nem beber vinho, nem fazer outra coisa em que teu irmão tropece." "Mas aquele que tem dúvidas se come está condenado" cf. com Coríntios, logo abaixo, também em vermelho, sobre comida! "E o Deus de paz em breve esmagará a Satanás debaixo dos vossos pés." "Eu, Tércio, que escrevo esta carta, vos saúdo no Sr."

 

 

Coríntios

 

"aprouve a Deus salvar pela loucura da pregação os que crêem." "O Sr. conhece as cogitações dos sábios, que são vãs."

 

Foi São Paulo que escreveu o Corinthians.

 

"para que a recebais no Sr., de um modo digno dos santos, imoralidade que nem mesmo entre os gentios se vê, a ponto de haver quem vive com a mulher de seu pai." "Não sabeis que um pouco de fermento leveda a massa toda?" "Já por carta vos escrevi que não vos comunicásseis com os que se prostituem." "com esse tal nem sequer comais." Começou a inversão! Deus julga os que estão de fora. "Tirai esse iníquo do meio de vós." "Não sabeis vós que havemos de julgar os anjos? Quanto mais as coisas pertencentes a esta vida?" "Quem apascenta um rebanho e não se alimenta do leite do rebanho?" "Não atarás a boca do boi quando debulha." "Fiz-me como judeu para os judeus, para ganhar os judeus; para os que estão debaixo da lei (embora debaixo da lei não esteja)" "Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só é que recebe o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis."

 

O passado, ou "reino dos pecadores"

O futuro, ou "reino dos redimidos"

O presente, ou "nós", "incógnita"

 

"Deus não deixará que sejais tentados acima do que podeis resistir" "Comei de tudo quanto se vende no mercado"

 

"Todo homem que ora ou profetiza com a cabeça coberta desonra a sua cabeça." Mas com as mulheres é o contrário! "se a mulher não se cobre com véu, tosqueie-se também."

 

1 Co. 11:14: "Não vos ensina a própria natureza que se o homem tiver cabelo comprido, é para ele uma desonra."

 

"quando vos ajuntas na igreja há dissensões; e em parte o creio." "Se o corpo todo fosse olho, onde estaria o ouvido?" "se a trombeta der sonido incerto, quem se preparará para a batalha?" "Como em todas as igrejas dos santos, as mulheres estejam caladas nas igrejas" "Se é só para esta vida que esperamos em Cristo, somos  de todos os homens os mais dignos de lástima." "Se os mortos não são ressuscitados, comamos e bebamos, porque amanhã morreremos."

 

1 Co. 16:22: "Se alguém não ama o Sr., seja anátema! Maranata."

 

Os antípodas de Nie.: "Antes, como Deus é fiel, a nossa palavra a vós não é sim e não"

 

2 Co. 3:3: "e escrita, não com tinta, mas com o Espírito do Deus vivo, não em tábuas de pedra, mas em tábuas de carne do coração. (...) não que sejamos capazes, por nós, de pensar alguma coisa, como de nós mesmos, mas a nossa capacidade vem de Deus"

 

"E não somos como Moisés, que trazia um véu sobre o rosto, para que os filhos de Israel não olhassem firmemente para o fim daquilo que era transitório." "o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos" "as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo" "que harmonia há entre Cristo e Belial?" "E que consenso tem o santuário de Deus com ídolos?" "a tristeza segundo Deus opera arrependimento para a salvação" "embora andando na carne, não militamos segundo a carne" O primeiro sacerdote que já procurava, em meio às exortações e profecias, escusar-se de ser um fraco: "para que eu não pareça como se quisera intimidar-vos por cartas. Porque eles dizem: As cartas dele são graves e fortes, mas a sua presença corporal é fraca, e a sua palavra desprezível." "vos desposei com um só Esposo, Cristo, para vos apresentar a ele como virgem pura."

 

Nie. tinha razão - literatura muito pobre: 2 Co. 11:4-7: "Porque, se alguém vem e vos prega outro Jesus que nós não temos pregado, ou se recebeis outro espírito que não recebestes, ou outro evangelho que não abraçastes, de boa mente o suportais! [a síndrome da religião vencedora que já se vê como vencida de uma próxima - isto sim é que é consciência histórica!] Ora, julgo que em nada tenho sido inferior aos mais excelentes apóstolos. Pois ainda que seja rude na palavra, não o sou contudo na ciência; antes, por todos os modos, isto vos temos demonstrado em tudo. Pequei porventura, humilhando-me a mim mesmo, para que vós fôsseis exaltados, porque de graça vos anunciei o evangelho de Deus?" Discurso utilitarista desprezível. "Outras igrejas despojei [!], recebendo dela salário, para vos servir." Ainda muito longe de um estóico! "Por quê? Será porque não vos amo? Deus o sabe. Ora, o que faço e ainda farei, é para cortar ocasião aos que buscam ocasião" Palavras de Paulo me dão nojo! "E não é de admirar, porquanto o próprio Satanás se disfarça em anjo de luz." "dos judeus 5x recebi 40 açoites menos 1" Quem se interessa por narrativas de bandidos? "Conheço um homem em Cristo que há 14 anos foi arrebatado até o 3º céu." Usou binóculos? "foi-me dado um mensageiro de Satanás para me esbofetear, a fim de que eu não me exalte demais." "porque eu devia ser louvado por vós, visto que em nada fui inferior aos demais excelentes apóstolos, ainda que nada sou." Sim, se bem que não. "Há muito decerto, vós pensais que nos estamos desculpando convosco." Não, impressão sua. "É esta a 3ª vez que vou ter convosco." E espero que a última.

 

 

Gálatas

 

Gl. 1:6: "Estou admirado de que tão depressa estejais desertando daquele que vos chamou na graça de Cristo, para outro evangelho."

 

"Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos pregasse outro evangelho além do que já vos pregamos, seja anátema." "se torno a edificar aquilo que destruí, constituo-me a mim mesmo transgressor." "Um testamento, embora de homem, uma vez confirmado, ninguém o anula, nem lhe acrescenta coisa alguma." Mas chega de metalinguagem! "para que é a lei? Foi acrescentada por causa das transgressões, até que viesse o descendente a quem a promessa tinha sido feita" "É a lei, então, contra as promessas de Deus?" "não há judeu nem grego" "por todo o tempo em que o herdeiro é menino, em nada difere de um servo" "vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho" "esta Agar [esposa escrava de Abraão] é o monte Sinai na Arábia e corresponde a Jerusalém atual, pois é escrava com seus filhos. Mas a Jerusalém que é de cima é livre, a qual é nossa mãe." "Oxalá se mutilassem aqueles que vos andam inquietando." Saúde pra você também!

 

 

Efésios

 

Se a Igreja é o corpo de Cristo, já passou da época de ser imolada. Em verdade que já houve corrupção, e não há mais o que fazer.

Embriagai-vos no galão de 40 litros do Sangue de Cristo!

 

"Quem ama a sua mulher, ama-se a si mesmo."

 

 

Filipenses

 

Fp. 1:21: "Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é lucro."



Escrito por a mosca filosófica às 21:18
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


AMBOS OS TESTAMENTOS CRISTÃOS [cont.]

Tessalonicenses

 

"nós, os que ficamos vivos para a vinda do Sr., de modo algum precederemos os que já dormem."

 

Jeremismo, Zacarismo: 1 Ts. 5:3: "pois quando estiverem dizendo: Paz e segurança! então lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores de parto"

 

Não perca o colar de contas

Não perca o calor das pontas

Não perca o cão de vista

Lulu vociferando

com azia no seu ouvido

Ainda é melhor que a Mater Dolorosa

 

ele tem asas e espeta para baixo

com a ponta da cauda espeta o chão

 

havido por ávido

vá comer seu pão ázimo

 

"nós não somos da noite nem das trevas; não durmamos, pois, como os demais"

 

2 Ts. 2: da vinda do Anticristo antes do Messias. O AC é a Igreja, Paulão, ou Eis-me aqui (hic) o Homem?

 

"se alguém não quer trabalhar, também não coma." É justo. "Esta saudação é de próprio punho, de Paulo, o que é sinal em cada epístola; assim escrevo." Já que queres tanto(s) imitadores, queres um exército de apóstatas.

 

 

Timóteo

 

Não se engane: é Paulo o chato.

 

"nem se preocupassem com fábulas ou genealogias intermináveis, pois que produzem antes discussões que edificação para com Deus" "a fé, a qual alguns havendo rejeitado, entre esses Himeneu e Alexandre, os quais entreguei a Satanás, para que aprendam a não blasfemar." Hoje os Correios possuem uma jurisdição muito mais reduzida... Há um só Deus, Deus & Jesus. "Quero, do mesmo modo, que as mulheres se ataviem com traje decoroso, com modéstia e sobriedade, não com tranças, ou com ouro, ou pérolas ou vestidos custosos" "E Adão não foi enganado, mas a mulher, sendo enganada, caiu em transgressão; salvar-se-á, todavia, dando à luz filhos, se permanecer com sobriedade na fé" com s de serpente.

 

O "bispo" devia ter UMA só mulher, o que já é infinito para o papa. "Mas o Espírito diz que em tempos posteriores alguns apostatarão a fé, dando ouvidos a doutrinas de demônios, pela hipocrisia de homens que falam mentiras e que têm a sua própria consciência cauterizada [embotada], proibindo o casamento, e ordenando a abstinência de alimentos [santo hipocritinha!]" "pois todas as coisas criadas por Deus são boas" a sodomia é ótima! "o exercício corporal para pouco aproveita, mas a piedade para tudo é proveitosa" muscu do cúlo "Não seja inscrita como viúva nenhuma que tenha menos de 60 anos" "Se alguma mulher crente tem viúvas, socorra-as, e não se sobrecarregue a igreja"

 

1 Tm. 6:7: "Porque nada trouxe para este mundo e nada podemos daqui levar" só um foguinho eterno. A RECOMPENSA.

 

"Porque o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males"

 

2 Tm. 1:15: "Bem sabes isto, que me abandonaram todos os que estão na Ásia, entre eles Fígelo e Hermógenes." "evita as conversas vãs e profanas; suas palavras alastrarão como gangrena; entre as quais estão as de Himeneu e Fileto." "Demas me abandonou, tendo amado o mundo presente (...) só Lucas está comigo. Toma a Marcos e traze-o contigo." "Quando vires traze a capa que deixei em Trôade, em casa de Carpo, e os livros, especialmente os pergaminhos." Afinal, devemos ministrar o antimaterialismo. "Alexandre, o latoeiro, me fez muito mal; o Sr. lhe retribuirá segundo as suas obras." "Apressa-te a vir antes do inverno."

 

 

Filemon

 

"sendo eu Paulo o velho" "rogo-te por meu filho Onésimo, que gerei nas minhas prisões"

 

 

Hebreus

 

Hb. 4:9: "Portanto resta ainda um repouso sabático para o povo de Deus."

 

"nosso Sr. procedeu de Judá, tribo da qual Moisés nada falou acerca de sacerdotes." "a lei nenhuma coisa aperfeiçoou" "é impossível que o sangue de touros e de bodes tire pecados."

 

Cristo Cruc.: o ritual singular, não-cíclico.

 

"Horrenda coisa é cair nas mãos do Deus vivo."

 

"e ninguém seja devasso ou profano como Esaú, que por uma simples refeição vendeu o seu direito de primogenitura." Sagaz interpretação!

 

 

Tiago

 

Tg. 3:7-8: "Pois toda espécie, tanto de feras, como de aves, tanto de répteis como de animais do mar, se [so]doma, e tem sido domada pelo gênero humano; mas a língua, nenhum homem a pode domar."

 

"qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus." "Que é a vossa vida? Sois um vapor que aparece por um pouco, e logo se desvanece."

 

 

Pedro

 

Simão Pedro, dos 12? Mas cita Paulo! E deveria, testemunha ocular, ter vivido bem antes. "sabendo primeiramente isto: que nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação."

 

 

João, O Mau

 

1 Jo. 3:12: "não sendo como Caim, que era do Maligno, e matou a seu irmão. E por que o matou? Porque as suas obras eram más e as de seu irmão justas."

 

"quem tem medo não está aperfeiçoado no amor." João Amoroso

 

Sou o melhor pagador de promessas. Nem o dia 6 nem o 1; mas Primeiro de Abril seria o dia mais Justo para acabar de percorrer estas Boas Novas Infectas!

 

 

Apocalipse

 

Ap. 1:1: "Revelação de J.C., que D. lhe deu para mostrar aos seus servos as coisas que brevemente devem acontecer; e, enviando-as pelo seu anjo, as notificou a seu servo João."

 

"Eu sou o Alfa e o Ômega, diz o SrD." "Assim, porque és morno, e não és quente nem frio, vomitar-te-ei da minha boca." "Vi também um anjo forte, clamando com grande voz: Quem é digno de abrir o livro e de romper os seus selos? E ninguém no céu, nem na terra, nem debaixo da terra, podia abrir o livro, nem olhar para ele." "Tomei o livrinho da mão do anjo, e o comi; e na minha boca era doce como mel; mas depois que o comi, o meu ventre ficou amargo." "Então houve guerra no céu: Miguel e os seus anjos batalhavam contra o dragão. E o dragão e os seus anjos batalhavam, mas não prevaleciam" "o grande dragão, a antiga serpente, que se chama Diabo" "Quem é semelhante à besta? quem poderá batalhar contra ela?" "Ai! ai da grande cidade, na qual todos os que tinham naus no mar se enriqueceram em razão da sua opulência! porque numa só hora foi assolada."

 

Milênio de Lata; de mil em mil anos os juízes enchem o rabo. "Ora, quando se completarem os mil anos, Satanás será solto da sua prisão" "E a morte e o hades foram lançados no lago de fogo. Esta é a 2ª morte, o lago de fogo." "E vi um novo céu e uma nova terra." Apocalipse de araque. Reciclagem: "a praça da cidade era de ouro puro, transparente como vidro."

 

Ap. 22:18: "Se alguém acrescentar alguma coisa às palavras da profecia deste livro, Deus lhe acrescentará as pragas que estão escritas neste livro."

 

ÔMEGA-FIM!



Escrito por a mosca filosófica às 21:06
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


MISSÃO: MÍSSIL HUMANO

Tão inescapável quanto a morte é a vida de escritor, isto é, a vivência dessa morte em vida que nos caracteriza. Mesmo que teimem em não acreditar que somos destinados a ser como somos, que vacilamos em nossas emoções e fobias simplesmente por querer, mesmo que teimemos e até consigamos escapar da rota por longos anos contínuos, a senda rota nos reaprisiona e exerce sua tirania com o dobro da força e da vigilância. Só o maldito entende o olhar e ofegar de um maldito, mas o maldito é o último maldito a se perceber um maldito e tirar altivo sua carteirinha do clube dos malditos. Não há demissão dessa vida, desertor da missão!



Escrito por a mosca filosófica às 22:08
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


DEUS DO MINIMALISMO POLIGLOTA

diosa odiosa

ó diosa

 

dios

sódio

ódio

dio

dói

dedo de

dode

cágono

cago no

pau

paudedeus

deux

dieux

deu

dedo

doux

doute

duda

doubt

du vie da

vaincu

ando vai

vrai

vain

vu

vodu do ódio



Escrito por a mosca filosófica às 16:27
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


UBU-ROI

06/10/14

 

Alfred Jarry

 

- O Hamlet Invertido? - Ou uma alegoria antecipada da II G.M.

 

"Sabre à finances, corne de ma gidouille, madame la financière, j'ai des oreilles pour parler et vous une bouche pour m'entendre. (Éclats de rire.)"

 

"Ah! non, par exemple! Je vais te tuer, toi, je ne veux pas donner d'argent. En voilà d'une autre! J'étais payé pour faire la guerre et maintenant il faut la faire à mes dépens. Non, de par ma chandelle verte, faisons la guerre, puisque vous en êtes enragés, mais ne déboursons pas un sou."

 

"Va aux avant-postes mon garçon, les Russes ne sont pas loin et nous aurons bientôt à estocader de nos armes, tant à merdre qu'à phynances et à physique." Sim, Deleuze destroça a Técnica de Heidegger.

 

"Oh! Ah! Oh! Je suis mort. C'est au moins un coup de canon que j'ai reçu. Ah! mon Dieu, pardonnez-moi mes péchés. Oui, c'est bien un coup de canon."

 

A invenção do século que supera os cavalos de batalha: "Et cependant notre prédiction s'est complètement réalisé, le bâton à physique a fait merveilles et nul doute que je ne l'eusse complètement tué si une inexplicable terreur n'était venue combattre et annuler en nous les effets de notre courage."

 

"cheval à finances"



Escrito por a mosca filosófica às 22:16
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


PENSAMENTO BRANCO - A matéria escura do Nirvana

O problema fundamental, que é bipartite: a lassidão quando precisamos nos mover e o excesso de ação quando precisamos parar. Particularmente problemático é o segundo, pois pensamentos também são ações e eles causam um intenso sofrimento. Melhor, se pudermos optar, seriam movimentos corpóreos inúteis que distraiam a cabeça.

 

Conexo a isso temos duas propensões no ser humano: o querer pausar o presente e o querer viver e ser a velocidade até a conclusão de tudo: querer a lassidão só fora de nós enquanto continuamos ativos ou a ação exterior enquanto permanecemos impassíveis. Se tudo se repete todos os dias não é necessário nem um nem outro: nem a angústia nem a ansiedade. Voltaremos às mesmas paragens e/ou já passamos por tudo, eis tudo ou o instante.

 

 



Escrito por a mosca filosófica às 21:26
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


tempos bons tempos biobesuntados

tempos bons bons tempos em que a academia de platão ou não

era contemplada

idealmente

con mucha plata

complacente hoje

se sente

a educação

o investimento

do sentimento

mas obrigado

pelo passado


entes antes ontológicos

entra pela minha porta

e unta o ser

e besunta olá

bio do ser

ser que cerca

cerque beija

cerca-viva

cerca de tí

cárcere do ser

carser é docê



Escrito por a mosca filosófica às 15:26
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


MANUAL DIAGNÓSTICO ESTATÍSTICO DE TRANSTORNOS MENTAIS - V

“O mutismo seletivo é caracterizado por fracasso consistente para falar em situações sociais nas quais existe expectativa para que se fale (p. ex., na escola), mesmo que o indivíduo fale em outras situações. O fracasso para falar acarreta consequências significativas em contextos de conquistas acadêmicas ou profissionais ou interfere em outros aspectos na comunicação social normal.” Pelo que entendi, é raríssimo depois da infância.


“No transtorno de ansiedade social (fobia social), o indivíduo é temeroso, ansioso ou se esquiva de interações e situações sociais que envolvem a possibilidade de ser avaliado. Estão inclusas situações sociais como encontrar-se com pessoas que não são familiares, situações em que o indivíduo pode ser observado comendo ou bebendo e situações de desempenho diante de outras pessoas. A ideação cognitiva associada é a de ser avaliado negativamente pelos demais, ficar embaraçado, ser humilhado ou rejeitado ou ofender os outros.”


“As características principais do transtorno de ansiedade generalizada são ansiedade e preocupação persistentes e excessivas acerca de vários domínios, incluindo desempenho no trabalho e escolar, que o indivíduo encontra dificuldade em controlar. Além disso, são experimentados sintomas físicos, incluindo inquietação ou sensação de < nervos à flor da pele >; fatigabilidade; dificuldade de concentração ou < ter brancos >; irritabilidade; tensão muscular; e perturbação do sono”

 

* * *

 

(em fobia social)

 

“Ele tem a preocupação de que será julgado como ansioso, débil, maluco, estúpido, enfadonho, amedrontado, sujo ou desagradável. O indivíduo teme agir ou aparecer de certa forma ou demonstrar sintomas de ansiedade, tais como ruborizar, tremer, transpirar, tropeçar nas palavras, que serão avaliados negativamente pelos demais (Critério B). Alguns têm medo de ofender os outros ou de ser rejeitados como consequência. O medo de ofender os outros – por exemplo, por meio de um olhar ou demonstrando sintomas de ansiedade – pode ser o medo predominante em pessoas de culturas com forte orientação coletivista. Um indivíduo com medo de tremer as mãos pode evitar beber, comer, escrever ou apontar em público”

 

“Os indivíduos com transtorno de ansiedade social podem ser inadequadamente assertivos ou muito submissos ou, com menos frequência, muito controladores da conversa. Podem mostrar uma postura corporal excessivamente rígida ou contato visual inadequado ou falar com voz extremamente suave.”

 

“Podem sair da casa dos pais mais tarde. Os homens podem retardar o casamento e a paternidade, enquanto as mulheres que gostariam de trabalhar fora de casa podem viver uma vida inteira